Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Áudio
Reflexões diante deste espelho
Publicado por: Eligio Moura
Data: 05/02/2021
Classificação de conteúdo: seguro
Créditos:
Título Reflexões diante deste espelho
Dueto/Homenagem/Reedição
Autoria Eligio Moura

Crédito Dueto /Homenagem
Autoria Esther Lessa/Eligio Moura
Vozes Esther Lessa / Eligio Moura

Fundo musical
Concierto de Aranjuez-Joaquim Rodrigo II.Adagio/Pablo Sáinz-Villegas-

Texto
Reflexão diante deste espelho
(Reedição)

Sempre a passo, todo esse tempo passa,
e a demência ameaça o corpo lasso...
Passa lento e nos despedaça
em estilhaços que não refaço...

A memória se atrapalha, esbarra,
borra, nas coisas mais simples que faço...
E viver já não é mais uma farra,
e o meu, e o seu tempo, perde espaço...

Os meus versos são nervos doídos...
O meu ar, rarefeito, me faz viver
pelo avesso: tudo é dolorido...

O tempo é curto, pois, passou enfim...
Vivo a solidão da idade sentindo
que a chama, aos poucos, se apaga sim...


É uma honra ser homenageado por uma poetisa do quilate de Esther Lessa e, ainda mais, em versos hendecassílabos que é uma forma de verso de arte maior. Agradeço a gentil e honrosa homenagem que a insigne poetisa , declamadora e cantora me presta sabendo que foi mais por ser seu amigo que qualquer outra coisa.Que Deus a abençoe e esteja sempre presente em sua vida. Obrigado, Esther, você mora no meu coração; a respeito e admiro muito.

(SONETO EM VERSOS HENDECASSÍLABOS) 


UMA HOMENAGEM AO QUERIDO POETA ELIGIO MOURA

OH! COMO EU QUISERA

OH, QUISERA NUNCA SE APAGASSE A CHAMA
DOCE JEUNESSE* JAMAIS SE TIVESSE IDO
E EM TODO O TEMPO ESTIVESSE ACESA A FLAMA
MESMO SE O LIVRO TODO SE TIVESSE LIDO

MAS A IMUTÁVEL REGRA NO LABOR QUE CLAMA
STÁ PRESENTE EM NOSSO TEMPO E EM TEMPOS IDOS
TÃO INDIFERENTE A TODO O QUE RECLAMA
ATÉ AO QUE DIVERSAMENTE HAJA CRIDO

FORAM TANTAS PRIMAVERAS VIDA AFORA
TANTO BEIJO ARDENTE INCANDESCENDO A VIDA
TAMBÉM TANTO SONHO VOANDO EM ALFORRIA

É PRECISO CRER QUE AINDA HÁ A BRILHAR A AURORA
E QUE A ALMA DE ALGUMA ESPERANÇA VESTIDA
NÃO DEIXARÁ DE NÓS SUMIR DE TODO A ALEGRIA

* JEUNESSE / JUVENTUDE
 POR FAVOR, PUBLIQUE ESTE SINGELO SONETO COMO UMA HOMENAGEM DO MEU CORAÇÃO PARA O GRANDE POETA QUE VOCÊ É! E O GRANDE AMIGO TAMBÉM! **** DEUS O ABENÇOE! ABRAÇOS GRANDES!

Agradeço o carinho poético do mestre Jacó Filho  ao interagir na minha página:


Se meus ossos dão sinais,
Que o prazo foi vencido,
Sou grato por ter vivido,
Da média, um pouco mais...


Agradeço a carinhosa interação da poetisa Doce Val


Com o prazo de validade quase vencido
inda assim procuro me cuidar
não quero ir embora tão logo
vinho velho é de melhor paladar...


Com um abraço, agradeço ao Poeta - amigo, pai do  Redonde, Francisco de Assis Góis sua bela interação:

GRATIDÃO redonde

Repito com gratidão:
Vida, não me deves nada.
Aproveitei cada grão
Que colhi nessa jornada.
Até o que eu não mereci,
Não colhi ou que perdi
E foi dado a um irmão,
Tudo isso Pai, me agrada.
Repito com gratidão:
Vida, não me deves nada!
Eligio Moura e Poetisa Esther Lessa
Enviado por Eligio Moura em 05/02/2021
Reeditado em 14/02/2021
Código do texto: T7177438
Classificação de conteúdo: seguro


Comentários

Sobre o autor
Eligio Moura
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil
1699 textos (45219 leituras)
153 áudios (1721 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 14/05/21 22:07)
Eligio Moura
Rádio Poética