Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Áudio
SONETO PARA NÓS DOIS / AUSÊNCIA - DUETO
Publicado por: Francisco de Assis Góis
Data: 06/08/2020
Classificação de conteúdo: seguro
Créditos:
Soneto: Soneto Para Nós Dois
Autoria e declamação: Francisco de Assis Góis
Poema: Ausência
Autoria: Vinicius de Moraes
Declamação: Francisco de Assis Góis
Fundo musical:
Meng-Feng Su Plays Romance d'Amour for Guitar& String Quartet

Copyright © 2020. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Texto

SONETO PARA NÓS DOIS / AUSÊNCIA

SONETO PARA NÓS DOIS

Aos dedos da brisa os meus entrelaço,
Encosto meu rosto à face do vento...
Num beijo ardente, mágico momento,
De teu hálito inspiro da noite o mormaço!

Do anoitecer até o início do dia,
Em louco desejo que a tudo invade,
Surfando em ondas com uma ventania,
Fazendo amor com uma tempestade!

Tu foste a brisa, paz e acalento,
Também foste o vento trazendo-me alento,
Quando ventania, me atiçou inteiro!

Tua tempestade aplacou meus desejos,
Em doce paixão, em gemidos e beijos,
Num amor sem limites, belo e verdadeiro!
                                                           (Francisco de Assis Góis)
                                                  (Reeditado e adaptado para o dueto)

AUSÊNCIA

Eu deixarei que morra em mim o desejo de amar os teus olhos que são doces
Porque nada te poderei dar senão a mágoa de me veres eternamente exausto.
No entanto a tua presença é qualquer coisa como a luz e a vida
E eu sinto que em meu gesto existe o teu gesto e em minha voz a tua voz.

Não te quero ter porque em meu ser tudo estaria terminado
Quero só que surjas em mim como a fé nos desesperados
Para que eu possa levar uma gota de orvalho nesta terra amaldiçoada
Que ficou sobre a minha carne como uma nódoa do passado.

Eu deixarei... tu irás e encostarás a tua face em outra face
Teus dedos enlaçarão outros dedos e tu desabrocharás para a madrugada
Mas tu não saberás que quem te colheu fui eu, porque eu fui o grande íntimo da noite
Porque eu encostei minha face na face da noite e ouvi a tua fala amorosa
Porque meus dedos enlaçaram os dedos da névoa suspensos no espaço
E eu trouxe até mim a misteriosa essência do teu abandono desordenado.

Eu ficarei só como os veleiros nos portos silenciosos
Mas eu te possuirei mais que ninguém porque poderei partir
E todas as lamentações do mar, do vento, do céu, das aves, das estrelas
Serão a tua voz presente, a tua voz ausente, a tua voz serenizada.
                                                   (Vinicius de Moraes)

Ouça também a declamação na página de audio abaixo.

                              ********************

Honra-me a interação do poeta marciusantos.

Amor é brisa
Paixão é ventania
E não ameniza
Depois que inicia
                         (marciusantos)


Francisco de Assis Góis e Vinicius de Moraes
Enviado por Francisco de Assis Góis em 06/08/2020
Reeditado em 12/08/2020
Código do texto: T7028218
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2020. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Comentários

Sobre o autor
Francisco de Assis Góis
São Paulo - São Paulo - Brasil
169 textos (43113 leituras)
30 áudios (1603 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 21/09/20 17:19)
Francisco de Assis Góis
Rádio Poética