Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Áudio
Carta poética
Publicado por: Nijair Araújo Pinto
Data: 29/05/2020
Classificação de conteúdo: seguro
Créditos:
Nijair Araújo Pinto

Copyright © 2020. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Texto

Carta poética

.:.
Perdão, mas o amor que você tanto busca eu não posso dar.
Não sei se a vida me fez alheio a tudo que fala ao coração...
Pareço insensato e frio. Pareço tirano, eu sei.
O que talvez você não saiba, ou não perceba, é que apenas pareço.
Tento encontrar minhas verdades, mas não as encontro... Nunca.
Se a barreira que imponho, impedindo simples aproximação,
faz você chorar, depois de momentos tão nossos, geniais;
se após verter cada lágrima, você me tem por sarcástico e gélido...
Como acha que me sinto, não consegue imaginar? Tente!
Não consegue perceber que suas lágrimas são pesadas demais?
Também choro, sabia? Do meu modo e na minha solidão, eu choro!
Choro por não poder consolar cada lágrima que escorre de você;
Choro por não conseguir segurar minha própria lágrima...
Minhas mãos, agora molhadas, parecem suadas e incompletas.
Parecem... Elas enxugam as pálpebras cerradas do meu pranto.
Você sofre e me revela uma tensão existencial que não suporto.
Se choramos sozinhos, não devemos cobrar nada.
Se chorássemos a dois, não seria justo clamar, festejando a solidão.
E se não chorássemos, como seria nossa relação? Fria? Insulsa?
Para amar é necessário sofrer? O amor é sofrimento?
Amar. Sofrer. Sentimento. Dor. Lágrima. Padecer.
Não, não é isso! O amor não pode ser angustiante espasmo.
O amar não deve ser ardor que machuca, que deixa dolorido.
A solidão é reveladora. A solidão... É o fantasma dos covardes.
Estou assombrado, tenho medo de mim, de imaginar-me no futuro.
Por que é tão difícil revelar o que de mim você tanto busca?
Talvez você esteja procurando longe o que tenho dentro de mim.
Pare de olhar ao redor e me dê mais atenção. Olhe nos meus olhos.
Eles não estão taciturnos pelas noites mal-dormidas, não!
Esse olhar triste é apenas a cicatriz da ferida deixada pela dor.
E as lágrimas serviram para realimentar meu coração tão triste.
Acredito no amor... Sei que ele está em mim, claro, ele existe!
Mas o amar exige doação, compartilhamento pleno...
O amar não é apenas o momento da junção carnal, tão rápida.
O amar é, acima de tudo, o despojamento da própria alma.
É por isso que agora choro, por não conseguir me revelar.
Não consigo arrancar a máscara do meu medo para dizer,
na simplicidade da lágrima que cai agora, ingenuamente,
o que tentei, a vida inteira dizer, mas nunca consegui:
eu amo você!

Juazeiro do Norte-CE, 13 de março de 2007.
9h53min
.:.
Nijair Araújo Pinto
Enviado por Nijair Araújo Pinto em 07/06/2007
Reeditado em 02/07/2014
Código do texto: T517399
Classificação de conteúdo: seguro


Comentários

Sobre o autor
Nijair Araújo Pinto
Crato - Ceará - Brasil, 49 anos
2543 textos (87905 leituras)
104 áudios (2092 audições)
3 e-livros (580 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 28/09/20 16:45)
Nijair Araújo Pinto
Rádio Poética