Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Áudio
Soneto do Desalento
Publicado por: Lilian Vargas
Data: 14/09/2017
Classificação de conteúdo: seguro
Créditos:
Poesia: Soneto do Desalento
Autoria: Lilian Vargas
Voz: Lilian Vargas
Poesia Recitada
Fundo musical: For you - Vladimir Sterzer (Timeless Piano Dreams)
Enviar por e-mail
Denunciar

Texto




Soneto do Desalento


Amei o poeta...o poeta não me amou!
Não vã ilusão, troquei a noite pelo dia
Criei versos de amor e rimas de alforria
De onde o coração de tudo se libertou

Dei  carinho, mas o poeta não me amou
Vesti-me de prata, usurpei a cor da lua
Despi-me dos tabus e censuras...fiz-me nua
Supliquei ao vento para lhe dizer quem sou

Num lapso de tempo, olvidei o dissabor
Para nós, criei a fantasia num lindo castelo
Ele era rei, eu rainha... imperava o amor

A realidade, friamente, tudo dissipou
Como fumaça que esvai, do sonho tão belo
Desencanto foi o que no coração restou!



Nelson de Medeiros cede a este espaço um brilhante poema que fecha magistralmente o enredo proposto

 
Alento

O poeta não conjuga o verbo amar
No pretérito passado...Somente
O faz no indicativo do presente,
Que é o tempo deste amor conjugar!

Jamais roubaste  a prata do luar,
Pois desde sempre em minha mente
Os versos de tu alma, constantemente
Tem as nuanças do céu estelar!

Quem és eu sei.Vou dizer quem sou eu:
Vês ao longe o horizonte do universo?
Vá lá com su!alma livre, alforriada

A encontrar a do poeta, escravizada
Pelo alento de apenas ter um verso
Na poesia de um ardente beijo teu!




Interação cativante e maravilhosa do caro poeta
Ubaldo Santos de Jesus


Te amei tanto, tanto Poesia...

Ah! Como sofro com seu desalento
Amei-te tanto, tanto poesia
Mas teu amor desfez-se ao vento
Deixando-me na desilusão d'alma tão fria

Te amei tanto e por de mais
Mas você nunca me amou
Um dia tu foste minha paz
Mas que o vento assim levou

Feito barco solto no cais
Que outro destino tomou
Assim foram os meus aís

Que em silêncio gritou
Agora sei que tu vais
Desprezar quem tanto amou.


Interação caprichosa do poeta
Stenius Porto

O poeta


ABBAACCDDC  ( Décima  em Cordel)


Quem ama o poeta, ama a sua poesia
O poeta se despe na sua falsa verdade
Busca na luz dos versos a sua felicidade
Na maioria das vezes acha a sua fantasia
Sabe que a cada novo verso, ele extasia
Na sua divina arte troca o dia pela noite
Aceita viver alegre, versando seu deleite
O poeta é poeta da sua própria inspiração
Vezes ou outra, ele voa em sua imaginação 
O poeta lapida o diamante, lapida o azeite...

 



 
Lilian Vargas
Enviado por Lilian Vargas em 22/01/2017
Reeditado em 07/07/2019
Código do texto: T5889325
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Comentários

Sobre a autora
Lilian Vargas
São Paulo - São Paulo - Brasil
1048 textos (104893 leituras)
18 áudios (2156 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 11/11/19 17:23)
Lilian Vargas
Rádio Poética