Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Áudio
PARA TODOS OS FILHOS QUE JÁ AMEI
Publicado por: Milton Duarte
Data: 11/12/2018
Classificação de conteúdo: seguro
Créditos:
Texto, narração e mixagem: Milton Duarte
estudiomiltonduarte@gmail.com

Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Texto

PARA TODOS OS FILHOS QUE JÁ AMEI

Meus filhos...
A esta altura, já não posso dizer se estou feliz ou triste.
Fui imensamente feliz ao ser pai...
Mas já não os tenho comigo... ou vocês já não têm a mim.
Na verdade, nem sei por quantas vezes ou por quanto tempo os tive.
Assim como os pais não são para sempre, os filhos, estes, não são para nós mesmos. Apenas recebemos a missão de criá-los.
E os criamos... para o mundo, para suas próprias ambições, desejos, projetos e sonhos e mais além, quem sabe, para outra pessoa.
Com sorte, os criamos para outros filhos que venham a gerar e também amar.
Aprendi um pouco tarde o que meu coração egoísta não queria enxergar: os filhos têm vida própria.

Ser pai é muito mais que amar e cuidar. É estar preparado para deixar ir, assim como um dia também resolvemos abandonar o ninho.
Demoramos entender e aceitar isto, mas, por fim, acabamos percebendo que não fizemos mais que a nossa obrigação.

Seremos lembrados ou esquecidos... amados, sim, mas talvez odiados.. nem tanto pelo que tenhamos feito, mas talvez, exatamente pelo que deixamos de fazer.
E ainda assim, seremos levados a continuar os amando, tentando descobrir onde erramos, o que poderíamos ter feito para que hoje fosse tudo diferente.
Mas trata-se de um rio, cujas águas não param de correr, não voltam para o mesmo lugar e seguem o curso que têm de seguir.

Um dia, veremos que não contam as inúmeras vezes que os deixamos e os pegamos na porta da escola.
Não contam as idas ao médico, os cuidados, a provisão e os planos deixados de lado, sem dor, a fim de priorizar os deles.
O desejo de vê-los sorrir, os passeios, fazendo o possível e o impossível para vê-los crescer saudáveis e felizes.
Talvez lembrem muito mais dos NÃOS recebidos; do braço forte a exemplar; bem mais do que a mão leve e macia a acariciar seus cabelos, a tomar sua mão ao atravessar a rua.

Eram tão nossos, dormiam e acordavam ao nosso lado... viajavam conosco, mas agora, dormem outros sonos, vivem outros sonhos.
E já não nos cabe sob mesmo teto. Não nos cabe mais no mesmo vôo, nos mesmo planos.

São filhos amados e precisam seguir viagem.

Precisam voar... e, quem sabe, um dia, irão pousar, ainda que de passagem... e aí resolvam nos fazer uma visita, trazendo seus filhos... se estes ainda estiverem em sua companhia.... e mais: se eu ainda estiver por aqui.

Sejam felizes, meus filhos!

Com amor: seu pai!
Milton Duarte
Enviado por Milton Duarte em 04/09/2018
Reeditado em 04/09/2018
Código do texto: T6439719
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Comentários

Sobre o autor
Milton Duarte
Parnamirim - Rio Grande do Norte - Brasil, 52 anos
179 textos (824429 leituras)
50 áudios (258376 audições)
1 e-livros (102 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 15/10/19 15:24)
Milton Duarte
Rádio Poética