Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Áudio
Minha melhor versão de mim (Milton Duarte)
Publicado por: Milton Duarte
Data: 29/06/2016
Classificação de conteúdo: seguro
Créditos:
Milton Duarte

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Milton Duarte). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Texto

A melhor versão de mim.

CANSEI DOS MODELOS IMPOSTOS, SUGERIDOS, QUE JÁ NÃO TÊM O MEU TAMANHO, JÁ NÃO ME SERVEM OU NA VERDADE,  NUNCA COUBERAM EM MIM, OU PRECISARIAM CABER.
TER QUE SER O CARA PRA AGRADAR, SAIR NA FRENTE, CORRER ATRÁS, ME SUPERAR, VENCER A QUALQUER CUSTO, SER MOTIVADO, PROATIVO, FOCADO, OUSADO, INOVADOR.
A MAIOR OUSADIA OU DESAFIO DO SER HUMANO É SER ELE MESMO, COM SEUS MEDOS, LIMITAÇÕES,  DEFEITOS E FRUSTRAÇÕES.
ISTO O FAZ ÚNICO.
A COVARDIA NÃO É FUGIR DA BATALHA, MAS FUGIR DE SI MESMO, TENTANDO SER O QUE NÃO É E NUNCA VAI SER,  ESCONDER A FRUSTRAÇÃO DE NÃO CONSEGUIR ACHAR, ATINGIR, REALIZAR.
SER GRANDE É ALGO MUITO MAIS ÍNTIMO, INDIVIDUAL, EXCLUSIVO, VERDADEIRO E HUMANO, MUITO ALÉM QUE QUALQUER CONQUISTA SE POSSA TER AO LONGO DA VIDA.
SER MODELO DE SUCESSO NÃO ME TORNA UM SUCESSO PARA QUEM REALMENTE IMPORTA: A MIM MESMO.
SER LEAL, HONESTO, FIEL, VERDADEIRO SÃO PRÊMIOS QUE BENEFICIAM PRIMEIRAMENTE A MIM.
O CANALHA, CORRUPTO,  MENTIROSO E INFIEL É UM SUICIDA DE SEUS PRINCÍPIOS E DA SUA PRÓPRIA PAZ.
CANSEI DE DIZER SIM A TUDO, QUANDO DESCOBRI QUE O NÃO NA HORA CERTA É SIMPLESMENTE LIBERTADOR.
APRENDI QUE O MEDO ERA APENAS UM FANTASMA QUE EU MESMO ALIMENTEI, COMO FUGA OU POR IGNORÂNCIA.
QUE O DESAPEGO É VITAL.
VI QUE ME ESCONDER ATRAS DE UMA MÁSCARA, ME FEZ SER NOTADO APENAS POR UMA PLATÉIA DE ESCARNECEDORES, EGOÍSTAS, COVARDES, QUE NÃO TERIAM CORAGEM DE OLHAR NOS MEUS OLHOS, ALÍ OCULTOS E DIZER OU FAZER AS MESMAS COISAS.
DESCOBRI QUE SOU DONO DE MIM, DAS MINHAS ESCOLHAS, DOS MEUS SUCESSOS E FRACASSOS.
NINGUÉM VAI CHORAR POR MIM. NEM MESMO VENCER OU COMEMORAR POR MIM.
ADMIRO O SIMPLES. NÃO A FALSA MODÉSTIA, NÃO O MARKETING DA SIMPLICIDADE, NÃO A MISÉRIA.
O SIMPLES QUE ENCANTA, PREENCHE VAZIOS QUE NENHUM LUXO OU GLAMOUR PREENCHEM.
O ABRAÇO INTEIRO, O OLHAR CONTEMPLATIVO, O DESEJO DE FICAR PERTO, COMPARTILHAR, CUIDAR, AMAR.
O CHEIRO DE RELVA, DO BARRO MOLHADO PELA CHUVA, DO MAR OU ATÉ DE NADA, COMO O QUE HÁ NUMA BRISA.
ESTAR ONDE SE QUER ESTAR, NÃO ONDE DETERMINAM OU APONTAM COMO O MELHOR LUGAR. NÃO!
ESTAR SÓ, ACOMPANHADO, NUMA MULTIDÃO OU SIMPLESMENTE PASSEANDO COM SEU CÃOZINHO VIRA-LATAS PODEM E  DEVEM SER EXPERIENCIAS FELIZES, QUE INDEPENDAM DO QUE QUE OS OUTROS ESTÃO FAZENDO, DIZENDO OU PENSANDO.
SOU LIVRE QUANDO ME PRENDO ÀS MINHAS VERDADES E AS DEFENDO COM TODA FORÇA. QUANDO ATÉ ESCUTO CONSELHOS, MAS EU MESMO DECIDO OS QUE VOU SEGUIR, ATÉ PORQUE AS CONSEQUENCIAS SÃO DE MINHA INTEIRA RESPONSABILIDADE. NINGUÉM AS VIVERÁ NO MEU LUGAR.

NÃO SONHO  OS SONHOS ALHEIOS, NÃO EMBARCAREI EM JORNADAS INCONSEQUENTES, A MENOS QUE AS DESEJE ARDENTEMENTE.
TENHO PASSAPORTE PRA ISSO.
NO MAIS, ANCORADO OU LITERALMENTE VOANDO, QUERO SER MAIS QUE UM NAVIO À DERIVA OU UM PÁSSARO DESASTRADO, MAS AS MELHORES VERSÕES DE MIM MESMO, SEM OLHAR PARA O QUE DEIXEI DE SER, DE VIVER, COM TODOS OS MEUS DEFEITOS, COM ALGUMAS VIRTUDES, TALVEZ, MAS COM O QUE DE MAIS SUBLIME E PRECIOSO POSSUO: A MINHA PAZ.

Milton Duarte
Enviado por Milton Duarte em 29/06/2016
Reeditado em 12/06/2019
Código do texto: T5682205
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Milton Duarte). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Comentários

Sobre o autor
Milton Duarte
Parnamirim - Rio Grande do Norte - Brasil, 52 anos
179 textos (819597 leituras)
50 áudios (257071 audições)
1 e-livros (102 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 17/09/19 21:05)
Milton Duarte
Rádio Poética