Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Áudio
A Flor de Pequi
Publicado por: Tinga das Gerais
Data: 01/02/2019
Classificação de conteúdo: seguro
Créditos:
Sô sertão im todas as istação
Fruto, cerne e isprendô
Sô na mesa a alimentação
O óleo, aroma e sutileza
Sô o ôro do cerrado
Da essença a riqueza
Minha frô é feitia um vele de noiva
Que o bêja- frô faiz nobreza
E a passarada im rivuada
Riverencia a minha beleza.

Numa nôte de vendavá
O vento cuspino nas mata
Um frô de mim pro terra caiu
Se transformô numa linda donzela
E pelos campo saiu
A percurá um amore
Pa cum ela se casá
Varreno o sertão de canto a canto
Sem perdê seu belo incanto
E nada de

Copyright © 2019. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Texto

A Flor do Pequi

Sô sertão im todas as istação
Fruto, cerne e isprendô
Sô na mesa a alimentação
O óleo, aroma e sutileza
Sô o ôro do cerrado
Da essença a riqueza
Minha frô é feitia um vele de noiva
Que o bêja- frô faiz nobreza
E a passarada im rivuada
Riverencia a minha beleza.

Numa nôte de vendavá
O vento cuspino nas mata
Um frô de mim pro terra caiu
Se transformô numa linda donzela
E pelos campo saiu
A percurá um amore
Pa cum ela se casá
Varreno o sertão de canto a canto
Sem perdê seu belo incanto
E nada de incontrá.

Atravessô rios e mata
Nadô nas bela cachuêra
Sintiu o chêro da mangaba
E tomem da frô de alicrim
Nas vereda matô a sede
E discansô à sombra do buriti
Siguiu sertão adento
Na essença do murici
O distino era um mistéro
E tava longe Dalí.

Preguntava a passarada
Se tinha visto um moço formoso
Que numa nôte ela sonhô
Um jove de beleza rara
Que num belo cavalo carvarga
Distimido e bondoso
Que traiz o amoré na álima
E que o vento mensagêro
A filicidade apontô
E só cum ele seu coração se acálima.

O silenço foi profundo
Mais o amô era maió
Sem perdê as isperança
Aquela formusura avança
Pa seu amoré incontrá
Os nobre vaga-lume
Alumiava sua saga
Da brisa vinha o prefume
Aquilo imbriagava a donzela
Cum ela num tinha quêxume.

Um belo dia amanhicia
E a campina toda moiada
A criação no campo assuntava
E aquela que num disitia
Inté as brobolêta ela sondava
E ninguém à bela rispundia
Nem o bem te vi assanhado
Cum seu canto froriado
Que pro João de barro oiava
Esse cunstruino, que tomem ficô calado.

Im cima de uma linda serra
A donzela cum seus belos zóio
Um arco-íris ela viu
O chêro da terra moiada
Pela chuva que caía
E das côre do arco-íris
A que mais arriluziu
Foi a côre amarela
E a ela cum muitio capricho
A formosa moça siguiu.

Dispois de muitias andança
A côre do arco-íris
A uma bela árvre a levô
E dela caiu uma frôre
Que num belo moço se transformô
Paricia inté uma magia
Que ela inté se imocionô
Essa frôre era de ipê
E ele cum muitia paxão
À linda donzela bejô.

Foi um casamento daquêz
Um casamento formoso
Cum todas as frôre do sertão.
A passarada era a orquesta
Fazendo o maió iscarcele
E dos bico dos culibri
Foi regado cum mele.
Chegô o ipê roxo, branco e o rosa
No buquê a frôre de alicrim
E o noivo todo garboso e ela toda charmosa.

Fica aqui rigistrado
Essa linda istòra de amô
Entre a frô de piqui
E a linda frô de ipê
E conta nas redondeza
Que im todos os méis de janêro, tem oro pelo chão
O piqui inxalano o nobre prefume
E na primavera o charme do ipê e intão
Essa é mais uma linda istóra
Nesse meu nobre sertão.

Se ocê adentrá no sertão
E fô seu dia de sorte
E vê uma linda donzela
Percurano uma frô quarqué
Pode ser uma busca pela sina
E nesse chão cabôco tudo pode acunticê
Pois eu presenciei
E de imoção arripiei e num nunca hei de isquecê
Desse finá filiz
Entre a  frô do Piqui e a frô do Ipê.

Inté!




Tinga das Gerais
Enviado por Tinga das Gerais em 07/10/2018
Reeditado em 07/10/2018
Código do texto: T6469819
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Comentários

Sobre o autor
Tinga das Gerais
Corinto - Minas Gerais - Brasil, 61 anos
449 textos (20825 leituras)
22 áudios (739 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 17/09/19 12:09)
Tinga das Gerais
Rádio Poética