Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Áudio
A Pescaria
Publicado por: Mestre Tinga das Gerais
Data: 11/01/2019
Classificação de conteúdo: seguro
Créditos:
Cordei cedo
Ranquei minhoca
Lá na minha roça
E arresurvi pescá

No emborná
Levei minha cachaça
E tamém farofa
Pu gosto tirá

Na bêra do corgo
Tava uma belezura!
Inté a Saracura
Vei pra cantá.

Isquei o anzó
E botei muiita fé
Eu rezei inté
Par mode pegá

Fisguei uma traíra
De quarenta e oito quilo
Que inté os Grilo
Parô de cantá

O corgo baxô
Quando tirei a baita
A Garça vuô
Pa nutiça ispaiá

Quando abri o danada
Tinha um dôrado
De duzôitio quilo
Pa mim a piscá

Tirei o danado
Bem divagá
E o po

Copyright © 2019. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Texto

Pescaria

Cordei cedo
Ranquei minhoca
Aqui na minha roça
E  arresurvi pescá.

No emborná
Levei minha cachaça
E tomém farofa
Pu gôstio tirá!

Na bêra do corgo
Tava uma belezura!
Inté a Saracura
Vei pa cantá.

Isquei o anzóle
E botei muitia fé
Eu rezei inté
Par mode pegá.

Fisguei uma traíra
De quarenta e oito quilo
Que inté os Grilo
Parô de cantá.

A luita foi grande!
Pa tirá o pixim
E as zôta traíra
Tudo pavorada oiano pra mim.

O corgo baxô
Quando tirei a baita
A Garça vuô
Pa nutiça ispaiá.

Dôto lado tinha um pescadôre
Ficô bistunta e de quêxo caído
O seu cachorro inté dismaiô
Só de vê o acunticido.

Pa cumemorá
Peguei o coité e botei uma cachaça
Um home de sorte
Tem que cumemorá...o que cocê acha?

Quando abri o danada
Tinha um dôrado
De duzôitio quilo
Pa mim a piscá.

Tirei o danado
Bem divagá
E o pobre coitado
A me agardicê.

Mais num tive pedade
E limpei o pexim
Num foi pur mardade
Foi pa subriviver .

Vortei pra casa
Com o cambão pesado
E o meu cachorro do lado
Que pode contá.

Passei no cumpade Nonô
E contei tudim
A cumade se arregalô
Se benzeu e riu de mim...

Pu onde eu passava
Era o assunto do dia
Ninguém criditava
Na minha maistria.

Cheguei im casa
Muitio cansado
Mais essa traíra
Não mais me pirraça.

Ela deu cinco quilo
Só de iscama
A Teresa fêis uma cocha
Pa nossa cama.

E tomém serve
Pa mode alembrá
Dessa bataia
Se ela dêxá.

Num é todo dia
Ca gente tem sorte
Parece mintira
Pode criditá.

Êh!Pescaria farta
Pêxe cum fartura pa diliciá
Ô Teresa cadê a gurdura
Pra mode fritá? Cadê?

Se ocê demorá
Eu vortá pu corgo
E trazê uma maió
Pa mode ocê iscamá.

Cumigo é ansim
Sem lorota e sem drama
Pego as traíra
E mostro as iscama.

Pois o caçadore
Num mata a cobra e mostra o pau?
Antonce!
Cumigo num tem blau...blau...

Inté pessuale
Vai sê uma panelada
Vô tumá umas birita
Pa cumemorá

Se puracaz
Ocê passa qui pur perto
Num se acanhe
Pode achegá.

Vamo batê
Um dedo de prosa
Inquanto a Teresa
Caba de aperpará

Vô insiná
Cumo pegá essas baita
O corgo é amigo
E num saiu do lugá.

Eitia vida boa!
A vida da roça
Pescaria cum fartura
Pa minha paioça!

Inté!


Tinga das Gerais
Mestre Tinga das Gerais
Enviado por Mestre Tinga das Gerais em 21/01/2015
Reeditado em 13/06/2020
Código do texto: T5109095
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2015. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Comentários

Sobre o autor
Mestre Tinga das Gerais
Corinto - Minas Gerais - Brasil, 62 anos
463 textos (22789 leituras)
27 áudios (1059 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 11/07/20 02:19)
Mestre Tinga das Gerais
Rádio Poética