Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Áudio
No Colo do Sertão
Publicado por: Tinga das Gerais
Data: 18/12/2018
Classificação de conteúdo: seguro
Créditos:
Sô matuto
Sô catrumano
Imbigo interrado
Nesse abençuado chão

Tenho um orgúio profundo
Im sê oriundo desse rincão
Vivê esse isprendô
No colo do sertão.

Minha istóra vem de geração
Cumo aquele véio muin
Adonde passô as água e o vento
Tomém passô um pedaço de mim.

Meus bisavó na labuita
Terra servage e sagrada
E êz ali na luita
Vida de cão e regrada.

Arado e carro de boi
Distocá e aperperá o chão
A isperança tava im Deus
Essa num faia não.

Lidano cum o sole e a seca
Mais tomem cum a isperança

Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Texto

No Colo do Sertão

Sô matuto
Sô catrumano
Imbigo interrado
Nesse abençuado chão

Tenho um orgúio profundo
Im sê oriundo desse rincão
Vivê esse isprendô
No colo do sertão.

Minha istóra vem de geração
Cumo aquele véio muin
Adonde passô as água e o vento
Tomém passô um pedaço de mim.

Meus bisavó na labuita
Terra servage e sagrada
E êz ali na luita
Vida de cão e regrada.

Arado e carro de boi
Distocá e aperperá o chão
A isperança tava im Deus
Essa num faia não.

Lidano cum o sole e a seca
Mais tomem cum a isperança
Os juêi im carne viva
Quem ispera sempre arcança.

E do céle broita a chuva
E os pingos bejano a terra
Meus zóio mira a distança
E vê o sorriso da serra.

Serra que me viu nascê
Cumo a semente de fêjão a broitá
Os corgo derrama na serra
Cachuêra a derramá.

Eu o mais véi dos oitio
Ovino aquela meludia
Da chuva dengosa correno
Batizano aquela magia.

Aquela Gamilêra
Da donde nóis brincava
Tá aqui isparramano sombra
Aqui nóis tamém dançava.

Os zóio de papai briava!
Ele oiava pás mão e dizia:
 - Condo a gente faiz nossa parte
  Deus devorve cum  aligria!

Naquilo as lágrima discia
Mamãe com o telço na mão
E nóis na Ave Maria
Agardiceno  cum imoção.

A criação filiz!
A pastage virdinha feitio um piriquito
As têta das vaca bunita
E o tôro pilão ruliço!

As panela no fugão
No calô da brasa do Tingui
Aquele chêro gostoso!
Do arroz com frango e piqui.

O forno de barro
Trazeno as gustuzura
Pão de quêjo, Broa e Bolo de Fubá
O café? Feitio cum rapadura!

A galinhada no terrêro
Siscano as paia de mio
E o galo cantado
Fazeno o disafio.

Disafiô a Saracura
Lá na curva do brejo
Aos zóio do João-de-barro
E do coleiro Bico Amarelo.

Óia! Aquilo era um cenáro divino!
A passarada agasaiada
Os zóios miúdo nos ninho
Era o silenço deálima lavada.

A pareia já na canga
E o carro na isperá
O mio era pu muin
A prudução era o fubá.

Hoje imociono im vê essa herança
Dêxada pelo meu veio pai
Aquele carro de boi surrado
Belço do prefume do orvai.

Ele pode contá
Pelo ranger no istradão
Infrentô sole e vento
Cum o risumo da prantação.

A portêra centenára
Puronde passô muitias vida
Aqui comemoremo a saga
Sabore de muitias lida.

Me alembro do istradão
Da donde via meu pai chegá
O Colosso vinha na frente
Pa mode avisá.

No colo do sertão
Passado e presente de mim
O paraíso na álima
Belço e paxão sem fim.

No colo do sertão
Fico quitim!
Sô obidiente
E amo meu cantin.

Assunta!
É o berrante do meu avô
Raimundo Cavuquêro
Nêgo labutadô.

Me alembro dele
Da vó Binidita
Meu padrin de batismo
Pai da minha mãe Nita.

Sô inraizado!
Pé rachado e lutadore
Meu agasaio é o sertão
Dele a essença dos amore.

No colo do sertão
Tô no colo de DEUS!
Vô dexá essa impreitiada
Pros fio e netos meu.

No colo do sertão
Sô um home filiz
No colo do sertão
Minha álima raiz!
















Tinga das Gerais
Enviado por Tinga das Gerais em 18/12/2018
Código do texto: T6529795
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Comentários

Sobre o autor
Tinga das Gerais
Corinto - Minas Gerais - Brasil, 61 anos
446 textos (19769 leituras)
18 áudios (445 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 21/03/19 11:13)
Tinga das Gerais
Rádio Poética