Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Áudio
O Boiadeiro e o Tempo
Publicado por: Tinga das Gerais
Data: 17/12/2018
Classificação de conteúdo: seguro
Créditos:
É o sertão
No compasso desse matuto
As mata inluarada
Tem seu chêro e sabô.
A viola ponteia a vida
Eu ponteio a lida
Em meu peitio cantadô.

É o carro de boi
Feitio o viulino
Um sonho de minino
Sê aboiado.
Eu consolo o meu gado
No colo da sodade
E o gado consola a minha dô.

Sertão adento
A viola me acarma
A portêra em m ‘ailma
No arforje o meu amô.
E nas curva da istrada
Sou como um Colibri
Deixo o meu bêjo na frô.

Passo a passo
Vô ao longe
Que vontade da Maria
Que no meu rancho ficô.
O nobre

Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Texto

O Boiadeiro e o Tempo

É o sertão
No compasso desse matuto
As mata inluarada
Tem seu chêro e sabô.
A viola ponteia a vida
Eu ponteio a lida
Em meu peitio cantadô.

É o carro de boi
Feitio o viulino
Um sonho de minino
Sê aboiado.
Eu consolo o meu gado
No colo da sodade
E o gado consola a minha dô.

Sertão adento
A viola me acarma
A portêra em m ‘ailma
No arforje o meu amô.
E nas curva da istrada
Sou como um Colibri
Deixo o meu bêjo na frô.

Passo a passo
Vô ao longe
Que vontade da Maria
Que no meu rancho ficô.
O nobre vento
Sussurra  na crina
Do meu cavalo marchadô.

Quem tem colo
Tem guarida
Mata a sede
Com ardô.
Minha paioça vai tremê
Em quem brota arripio
Espaia seu calô.

Sô boiadeiro
Num isquento o meu lugá
Tenho outra empreitiada
Que é o tôro aradô.
Desafiô a  minha pionada
Aqui eu sô o camarada
Tamém sô amansadôr.

Já lidei cum Jararaca
Burro brabo, sogra chata
Catirêro mintiroso
E valentão atiradô.
O meu  laço é dobrado
Pode vim Tôro danado
Eu num temo  bufadô.

Amanhã de madrugada
Vô  fazê rasto na istrada
Cortá vale e chapada
E a Serra do Calô.
Vô levá ôta boiada
Quero vortá antes da festa
Do Cristo Redentô.

Vô incontrá os violêro
Pescadore, garimpêro
O cumpadre fuguetêiro
Vô carregá o andô.
A fé do meu povo é grande
Quem carrega sua cruz
Tem a luz do Criadô.

No seio do sertão
Topo quarquer parada
Faça chuva ô faça sol
Sô um boiadêro sonhadô.
Nas Arueira faço a minha parage
Traço o rumo da viage
Nas asa do Bêja-frô.

No silênço do breu da nôte
Vô sonhá cum a criação
Os vaga-lume a iluminá
Meu distino de amô.
Eu tenho o prazê
Em vê a vida acontecê
Sem me alimentá de dô.

Serra, cerrado
Paia, paioça
Rio, riacho
Roça, roçadô.
Vaca, vaquêro
Do campo o chêro
Desse esprendô.

Sô minêro
Minhas serra é azule
Sô istradêro, berrantêro
Tamém sô navegadô
Navego por entre rio e sintimento
No Véio Chico vejo o tempo
Sou das estóra o contadô.


Tinga das Gerais









Tinga das Gerais
Enviado por Tinga das Gerais em 01/12/2017
Reeditado em 01/12/2017
Código do texto: T6187514
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Comentários

Sobre o autor
Tinga das Gerais
Corinto - Minas Gerais - Brasil, 61 anos
450 textos (21156 leituras)
24 áudios (808 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 19/10/19 09:03)
Tinga das Gerais
Rádio Poética