Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Áudio
ChicoDoCrato-AlfredoBosi-Amão
Publicado por: ChicoDoCrato
Data: 05/10/2019
Classificação de conteúdo: seguro
Créditos:
ChicoDoCrato-AlfredoBosi-Amão
https://www.recantodasletras.com.br/audios/cancoes/
ChicoDoCrato, Música, Voz e Violão, Arranjo, Mixagem e adaptação de texto de Alfredo Bosi – extraído do seu livro “ O SER E O TEMPO DA POESIA “.
AosMeusfilhos, Manuel(Oceânografo), Rodrigo(Logística)minhanetinhaValentina, Rafael(Agrônomo)MinhaNetinhaMariaIsadora.
Audacity110 Rítmo 000 + em Mí-.. Gravação caseira. Gravar em estúdio.
Copyright: proibir a cópia, reprodução, distribuição, exibição, criaçãoETC.

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original ( Todos os direitos aos meus filhos e netas e parceiros). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Texto

ChicoDoCrato-AlfredoBosi-Amão

ChicoDoCrato-AlfredoBosi-Amão
https://www.recantodasletras.com.br/audios/cancoes/84448
ChicoDoCrato, Música, Voz e Violão,  Arranjo, Mixagem e adaptação de texto de Alfredo Bosi – extraído do seu livro “ O SER E O TEMPO DA POESIA “.
 AosMeusfilhos, Manuel(Oceânografo), Rodrigo(Logística)minhanetinhaValentina, Rafael(Agrônomo)MinhaNetinhaMariaIsadora.
Audacity110  Rítmo 000 + em Mí-.. Gravação caseira. Gravar em estúdio.
Copyright: proibir a cópia, reprodução, distribuição, exibição, criação de obras derivadas e uso comercial sem a sua prévia permissão.  A proteção anticópia é ativada.

A mão arranca da terra a raiz e a erva, colhe da árvore o fruto, descasca-o, leva-o à boca.
A mão apanha o objeto, remove-o, achega-o ao corpo, lança-o de si.

A mão puxa e empurra, junta e espalha, arrocha e afrouxa, contrai e distende, enrola e desenrola; roça, toca, apalpa, acaricia, belisca, unha, aperta, esbofeteia, esmurra; depois, massageia o músculo dorido.

A mulher com sua mão tem olheiros nas pontas dos dedos: risca o pano, enfia a agulha, costura, alinhava, pesponta, chuleia, cerze, caseia.
Prende o tecido nos aros do bastidor: e tece e urde e borda.

A mão tateia com as pontas dos dedos, apalpa e calca com a polpa, raspa, arranha, escarva, escarifica e escarafuncha com as unhas.
Com o nó dos dedos, bate.

A mão abre a ferida e a pensa. Eriça o pêlo e o alisa. Entrança e destrança o cabelo. Enruga e desenruga o papel e o pano.
Unge e esconjura, asperge e exorciza. Acusa com o índex, aplaude com as palmas, protege com a concha. Faz viver
alçando o polegar; baixando-o, manda matar.

Mede com o palmo, sopesa com a palma.
Aponta com gestos o eu, o tu, o ele; o aqui, o aí, o ali; o hoje, o ontem, o amanhã; o pouco, o muito, o mais ou menos; o um, o dois, o três, os números até dez e os seus múltiplos e quebrados.
O não, o nunca, o nada.
É voz do mudo, é voz do surdo, é leitura do cego.

Faz levantar a voz, amaina o vozerio, impõe silêncio.
Saúda o amigo balançando leve ao lado da cabeça e, no mesmo aceno, estira o braço e diz adeus. Urge e manda parar.
Traz ao mundo a criança, esgana o inimigo. Ensaboa a roupa, esfrega, torce, enxágua, estende-a ao sol, recolhe-a dos varais, desfaz-lhe as pregas, dobra-a, guarda-a.

A mão prepara o alimento.
Debulha o grão, depela o legume, desfolha a verdura, descarna o peixe, depena a ave e a desossa. Limpa.
Espreme até extrair o suco.
Piloa de punho fechado, corta em quina, mistura, amassa, sova, espalma, enrola, amaria, unta, recobre, enfarinha, entrouxa, enforma, desenforma, polvilha, guarnece, afeita,  e serve.

A mão joga a bola e apanha, apara e rebate. Soergue-a e deixa-a cair.
A mão faz som: bate na perna e no peito, marca o compasso, percute o tambor e o pandeiro, batuca, estala as asas das castanholas, dedilha as cordas da harpa e do violão, dedilha as teclados do cravo e do piano, empunha o arco do violino e do violoncelo, empunha o tubo das madeiras e dos metais.
O(s) dedo(s) cerram e abrem o caminho do sopro que sai pelos furos da flauta, do clarim e do oboé.

A mão mistura o sal à água do batismo e asperge o novo cristão;
A mão unge de óleo no crisma, enquanto com a destra o padrinho toca no ombro do afilhado; os noivos estendem as mãos para celebrarem o sacramento do amor e dão-se mutuamente os anulares para receber o anel da aliança;
A mão absolve do pecado o penitente; as mãos servem o pão da eucaristia ao comungante;
As mãos consagram o novo sacerdote;
As mãos levam a extrema-unção ao que vai morrer; e ao morto, a bênção e o voto da paz.

 In manus tuas, Domine, commendo spiritum meum.
Para perfazer tantíssimas ações basta-lhe uma breve mas dúctil anatomia:
oito ossinhos no pulso, cinco no metacarpo e os dedos com as suas falanges, falanginhas e falangetas.
Mas seria um nunca acabar dizer tudo quanto a mão consegue fazer quando a prolongam e potenciam os instrumentos que o engenho humano foi inventando na sua contradança de precisões e desejos.

Bis
A mão rege a orquestra.  A mão, portadora do sagrado.
As mãos postas oram, palma contra palma ou entrançados os dedos.
Com a(s) mão(s) o fiel se persigna.  A mão, doadora do sagrado.
ChicoDoCrato e Alfredo Bosi
Enviado por ChicoDoCrato em 05/10/2019
Reeditado em 05/10/2019
Código do texto: T6761693
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2019. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Comentários

Sobre o autor
ChicoDoCrato
Salvador - Bahia - Brasil, 63 anos
910 textos (18642 leituras)
915 áudios (17922 audições)
44 e-livros (1485 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 19/11/19 06:40)
ChicoDoCrato
Rádio Poética