Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Áudio
DirceuTRabelo-ChicoDoCrato-MeusVasosEcanteirosP.
Publicado por: ChicoDoCrato
Data: 15/05/2018
Classificação de conteúdo: seguro
Créditos:
DirceuThomazRabelo-ChicoDoCrato-MeusVasosEcanteirosPoéticos
ChicoDoCrato, Música, Voz, Violão, Sintetizador, Arranjo, Mixagem e adaptação do poema de Dirceu Thomaz Rabelo.
Audacity 074 Ritmo 058+50 em Lá-. Gravação caseira. Gravar em estúdio.
Copyright: proibir a cópia, reprodução, distribuição, exibição, criação de obras derivadas e uso comercial sem a sua prévia permissão. A proteção anticópia é ativada.

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Texto

DirceuThomazRabelo-ChicoDoCrato-MeusVasosEcanteirosPoéticos

DirceuThomazRabelo-ChicoDoCrato-MeusVasosEcanteirosPoéticos
https://www.recantodasletras.com.br/audios/cancoes/79614
ChicoDoCrato, Música, Voz, Violão, Sintetizador, Arranjo, Mixagem e adaptação do poema de Dirceu Thomaz Rabelo.
Audacity 074 Ritmo 058+50 em Lá-. Gravação caseira. Gravar em estúdio.
Copyright: proibir a cópia, reprodução, distribuição, exibição, criação de obras derivadas e uso comercial sem a sua prévia permissão.  A proteção anticópia é ativada.

Enganam-se aqueles que apressadamente
Imaginam que este poeta já esteja infecundo
Ou passando por uma fase de abstinência poética.

Não que eu me sinta vate útil neste planeta
Destes que já falam o poema só de cabeça
E que nem precisam da ajuda da caneta. Não!

Mas, um bardo coitado, danado de esforçado,
Que luta para não sofrer no limbo cultural.
Qual nada! Estou em plena e profícua produção
E aqui estou apressado, para dar alguma satisfação.

Só que meus amigos vizinhos mais próximos
E alguns parentes especiais que me visitam
São os usufrutuários desses meus parcos versos...
Esses levam, não só versos, mas estrofes, e às vezes,
Poemas inteiros, crônicas, causos e contos.

E eu não me faço de rogado quanto ao meu labor
Pois, mesmo antes do sol se desvencilhar dos montes,
Saio com meu café embrenhando neblina adentro
E agasalhado até os dentes, beberico o moca,
Respirando a poesia que a natureza me doa.

Agora, chafurdado quintal afora, oro e versejo:
Plantando e colhendo couve, cebolinha, mostarda,
Coentro, salsa, rúcula, agrião e pimenta de cheiro,
(Que vizinhos e parentes sedentos irão sensoriar...)

E cuido de meus vasos de flores e alimento os bonsais.
Com a velha enxada faço minha cuidadosa escrita;
Os canteiros são páginas que vão sendo preenchidas.
Meus vasos são livros que ganhei de amigos queridos,

E por isso os guardo junto com aqueles que produzi
E que todos os dias leio e releio, regando e cuidando,
Preservando cada uma de suas lindas flores e folhas
Rodeado de borboletas, joaninhas e dos muitos pássaros.

Bis
Quando o corpo físico roga descanso, o sol já vai alto.
São nestes momentos que mais sinto a presença de Deus.
E como esses poemas da terra me alimentam a alma


ChicoDoCrato e Dirceu Thomaz Rabaelo
Enviado por ChicoDoCrato em 15/05/2018
Reeditado em 15/05/2018
Código do texto: T6337177
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Comentários

Sobre o autor
ChicoDoCrato
Salvador - Bahia - Brasil, 62 anos
738 textos (13817 leituras)
743 áudios (14261 audições)
42 e-livros (943 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 16/10/18 15:12)
ChicoDoCrato
Rádio Poética