Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A saga do Cross deck noturno I

Esta saga é um simples exercício de ficção; qualquer semelhança com nomes e fatos da vida real é mera coincidência.

Este primeiro capítulo é um resumo, em essência, do que ocorreu com o Esq.HS-16 durante a nova re-investida na tentativa de implantação das chamadas 'novas manobras' ou 'Cross deck noturno', nos anos de 1988 e 1989.
Sim, faz sentido usar os termos grifados. O primeiro cross deck noturno foi feito em 1974, inopinadamente, pelo Esquadrão de helicópteros HS-16 no cruzador porta-helicópteros Jeanne D’Arc, que visitava o Brasil. Este cruzador possuía, a meia nau, uma superestrutura e na parte de vante se assemelhava a um cruzador normal; e na parte de ré era um porta helicópteros com seis spots (área de  pouso no convés do navio) para helicópteros SH-34 (helicópteros franceses, menores que os brasileiros e estes nem operavam noturno). Naquele ano houve um embarque, smj, de  duas aeronaves SH-3D bem mais modernas) naquele navio. Este navio operava com helicópteros somente em cross deck (e durante o dia), por razões de sua ilha de comando ser a meio navio. Mas a operação só era realizada durante o dia. O Comte do Esquadrão de helicópteros visitante, entusiasmado com a nova operação, solicitou permissão para realizar  a manobra também de noite. O comandante do navio francês colocou sua belonave à disposição alegando que só teria como auxilio a melhoria da iluminação para o pouso.
Numa determinada tarde, durante as operações aéreas, nas imediações do Rio de Janeiro, um tripulante de um contratorpedeiro que participava da operação, teve um acidente a bordo e houve necessidade imediata de ser removido para ser operado. Foi autorizado que as duas aeronaves brasileiras decolassem levando o suboficial para ser atendido em um hospital. O socorro  em terra demorou, o tempo passou, e as duas aeronaves regressaram para bordo do porta-helicópteros já no período noturno. Numa aeronave estavam os pilotos Deoclécio e o Perlingeiro, na outra Reizinho e Renilton. O pouso teve que ser, forçosa e  necessariamente, em crossdeck noturno.
Os pilotos tiveram muita dificuldade para realizar aquele pouso noturno, em razão da atitude de nariz alto do helicóptero SH-3, da boca do navio ser de 24m (contrastando com os 19m de diâmetro do rotor principal da aeronave) por terem poucas referências visuais e pelo desconhecimento total do como fazer o cross deck noturno.  Após o pouso verificaram que a rotor de cauda de uma das aeronaves por pouco não colidiu com pedestal de um armamento do navio. Assim, em 1974 foi feito o primeiro cross deck noturno e de supetão. O assunto hibernou 9 anos e em 1983, já a bordo do navio aeródromo Ligeiro Santa Cruz, foi solicitado pelo ,então comandante do Santa Cruz, Deoclécio, ao então comte do Esq.HS-16 (Comte Mappi) avaliar a manobra. Meses depois, a mesma solicitação foi feita ao novo comte do Esq HS-16 o comte Ruas Bellas. E estes dois comandantes do Esq.HS-16 a consideraram perigosa e se negaram operacionaliza-la. O assunto, pela segunda vez, foi arquivado e hibernou por mais 5 anos. Em 1988 e 1989 ressurgiu mais uma vez. E desta vez com toda força e pressão. E passou a ser avaliado mas logo, de modo intempestivo e autoritário, foi considerado factível e seguro e determinada a sua execução por todos do Esquadrão HS-16. Iniciou-se, assim o cross deck noturno  contra  o que rezava o Manual de voo, mas de acordo com 'novos' documentos da Marinha que ‘autorizavam’ a sua viabilização. E houve um acidente. Passaram-se 28 anos desde o fatídico acidente aeronaval ligado ao "cross deck noturno" que ceifou a vida de dois profissionais do mar. Foi feito um registro detalhado, no calor dos acontecimentos, e hibernou até agora. Este relato foi feito para se conhecer e até ampliar o que se sabe sobre o assunto, que permaneceu maldito  até hoje. Nossos companheiros ganham vida no caminho duro dessa passagem da história do HS-16 naqueles assentamentos. E as ações maduras e profissionais de cada um dos atores tornou aquela caminhada única e vitoriosa, embora dolorosa, o que só engrandeceu a aura desses Guerreiros... O relato parece ainda um tanto dolorido...Mas cada um dos personagens agiu segundo o seu tempo, sua ótica, sua consciência e seu profissionalismo.
A participação corajosa e histórica em 1983, dos comtes  Matti e Ruas Bellas foi capital para o desenrolar da trama pois, ao serem questionados, em momentos e situações diferentes, à época, sobre a viabilidade da manbra cross deck noturno assim se pronunciaram: a manobra crossdeck noturno, após os estudos efetuados, foi considerada proibitiva. E esta decisão foi  oficializada em documentação própria.
Mas quis o destino que em 1988 e 1989 o assunto fosse re-levantado. Em 10/10/1988 o  Espelho de Pouso do NAeL Santa Cruz apresentou pane no sistema estabilizador. Foi questionado se o Esq.HS-16  voava sem espelho no período noturno. Com a resposta negativa, nova questão foi feita: e se já estivesse voando e houvesse a pane do espelho e fora do alcance de terra o que o piloto  faria? Por razões várias este evento foi unilateralmente mal conduzido e compreendido e provocou o renascimento do cross deck noturno.
Havia  interesses envolvidos, claro. Havia egos inflados, alguns carentes, outros autoritários além da conta. Havia puxa-saquismo, claro. E havia a verdade dos fatos. A estória por trás do que vivia-se no Inquérito Policial Militar (IPM)-que se apequenou num ipm-iluminava a todos e passou a incomodar seriamente meia dúzia.
Este relato ficcional não quer resgatar nada, nem ninguém. O lugar de cada um e como se conduzir já estava escrito. No entanto, como a história nunca é contada integralmente ( impedindo que se aprenda com os erros) é que existe este relato, para minimizar esta lacuna. O compromisso é com o conhecimento do fato. Hoje os inquestionáveis passaram e foram passados a limpo. A própria Marinha colocou definitivamente os pingos nos ii. Ela mesma revelou um comportamento inadequado de alguns que procuraram soluções no interesse de salvaguardar a própria pele. A verdade impôs-se a tudo e a todos.
Portanto, amigo, aí está a visão de um momento que atormentou a rotina do EsqHS-16, mas que está, definitivamente, no lixo da história aeronaval. E conseguimos isso porque escrevemos o nosso caminho na Marinha com dignidade e profissionalismo.
Estes dados apresentados não esgotam o assunto, pois dramas pessoais foram vividos por vários dos atores. E estas dores estão interligados ao evento cross deck noturno. Mas não foram tratados aqui.
O ocorrido foi resolvido pela Marinha de modo conveniente e encerrou o assunto.


























Eligio Moura
Enviado por Eligio Moura em 02/08/2019
Reeditado em 30/08/2019
Código do texto: T6710684
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Eligio Moura
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil
1354 textos (31128 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 21/11/19 13:52)
Eligio Moura