Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Os onze do dia sete (Não concluído)

Os onze do dia sete

Onze ministros soltaram o onze dedos, numa matemática simples: "uma pra mim, uma pra mim, uma pra tu, outra pra mim". Sim, um baião para o ladrão, com direito a comemorações no país inteiro. Comemorou-se o quê?

Os mandamentos eram dez. Agora, são onze - criaram o "Não serás preso!" - Mandamos nós, os onze! O sujeito tu é personalíssimo. E o personalíssimo é subjetivo. Leia-se: "Tu, grande delinquente, homem rico, político da pior estirpe... Tu não serás preso, pois o braço da lei não te alcançarás. Tu, facínora! Se tu fores "bom", recorreremos por vós, até o último dos teus dias - assegurando a tua liberdade!

Ignorando todas as justificativas jurídicas, que já estão enchendo o saco - se as nossas leis prestassem, não estaríamos ouvindo tantas babaquices -, o que houve, fere a naturalidade do princípio newtoniano da ação e reação. Fere a normalidade, o fluxo da racionalidade.

Dignidade não se perde - quem não tem, nunca a teve nem a terá. Não espere de um cretino, nada além de cretinice. Não houve transformação em nosso celeiro. Sempre foi assim. A diferença é que agora, para tristeza de toda uma nação, veio à baila a pior das danças, a dança dos lobos.

Estamos cansados de discursos verborrágicos e de explicações jurídicas chinfrins. A decisão fere o princípio natural da causa e efeito - serei repetitivo, em segunda instância! Portanto, não há o que justificar. É uma aberração e ponto final! Aberração para quem tem noção do que é ser digno. Para eles, não houve nada - apenas a interpretação e aplicação da lei. Lei essa que foi feita para isso, cheia de buracos, de conjunções adversativas que garantem, ultima ratio, o "Direito Penal do Bandido, ao fora da lei. Vivemos sob a égide protetiva de um doentio estado nada democrático de um direito básico: o de proteção incondicional aos grandes e poderosos bandidos! Mas se você for pobre, para você, seu desgraçado, nada mudou - é cadeia!
Nijair Araújo Pinto
Enviado por Nijair Araújo Pinto em 10/11/2019
Reeditado em 10/11/2019
Código do texto: T6791513
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2019. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Comentários

Sobre o autor
Nijair Araújo Pinto
Crato - Ceará - Brasil, 48 anos
2461 textos (81182 leituras)
91 áudios (1982 audições)
3 e-livros (573 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 11/12/19 13:58)
Nijair Araújo Pinto