Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

É muito fácil culpar as vítimas

Assim como se costuma culpar as vítimas de estupro e de bullying, é comum que se diga dos filhos de pais opressores que eles foram fracos, que não tiveram coragem de lutar por sua independência e ir atrás de viver sua vida. Porém, precisamos entender que não estamos na situação de uma pessoa para que apenas ela leve a culpa. Vejamos principalmente que uma relação familiar envolver muita gente e somente uma pessoa não pode ser responsabilizada.
Ser oprimido continuamente exige realmente que se lute contra tal situação, porém quem sofre muita opressão costuma ficar com a saúde mental fragilizada, pouca autoestima ou então, talvez por algum  motivo preso no subconsciente, recusa-se a ver o problema como ele é. No caso de relação pais e filhos, a questão é bem mais complicada. Os pais são as primeiras pessoas com quem formamos relações sólidas. Nos nossos primeiros anos, dependemos completamente deles. São eles os que inicialmente nos transmitem valores e tendemos a acreditar neles. A mente humana é muito maleável, especialmente na infância e tudo que nossos pais disserem a nosso respeito será internalizado. Portanto, caso os pais tratem os filhos de um modo, isso refletirá na maneira como a criança se vê e entende o mundo. Do mesmo modo, temos de entender que a opressão paterna pode ser muito bem camuflada sob o manto da proteção, de que apenas "se quer o melhor para os filhos", de que "eu sei o que lhe serve, tenho mais experiência."
Se uma criança ouve muito que ela é burra, incapaz, lenta ou que só dá trabalho e faz tudo errado, ela vai acreditar nisso e talvez até se comportar de acordo. Muitas crianças não estudam nem arrumam seus quartos porque aprenderam com os pais que são "preguiçosas e desinteressadas". Algumas agem de forma a chamar a atenção porque os pais lhes disseram que elas não sabem se portar e são inconvenientes. Claro que as palavras dos pais podem surtir o efeito contrário. Talvez a criança que ouça que é lerda demais para fazer algo direito se concentre demasiadamente nos estudos. Mas isso não será algo que ela fará para satisfazer a si mesma. Será uma tentativa de provar aos pais e a ela própria que não é estúpida. Muitos adultos perfeccionistas que vivem a traçar para si altas metas ouviram dos pais que nunca seriam ninguém na vida.
Geralmente, pais opressores escolhem um filho ou filha para ser o alvo de todas suas críticas e exigências demasiadas. E, se os filhos oprimidos veem os pais paparicarem tanto o outro, tenderão a pensar que elas são as culpadas porque não são como o filho preferido. É a velha história de pensar que "meus pais não me amam porque não sou bonito, inteligente, esperto." Isso é danoso para a autoestima. Para a criança, ver que não é amada como esperava faz com que entre em choque com o que nos ensinam a acreditar: que todos os pais amam os filhos do jeito que eles são e que não fazem distinção entre os filhos. A criança quer ser amada e possivelmente pensará que tem que conquistar esse amor, tornar-se boa o suficiente para ser amada.
Muito fácil dizer que a pessoa se deixa oprimir porque é boba. Mas a criação que recebemos cria padrões mentais que aprisionam nossa mente. Quando mais velhos, muitos comportamentos inexplicados que possuímos, se formos a um psicólogo, será revelado que tiveram origem lá atrás, na infância ou adolescência. Quantos adultos, quando decidem se tratar, vão desenterrando problemas de trinta anos atrás, seja o ambiente familiar ou bullying na escola? É um mito essa história de que "águas passadas não movem moinho." Movem talvez a nossa vida inteira. A gente muitas vezes apenas finge que superou, mas a mágoa fica lá, como uma sujeira que varremos para debaixo do tapete ou um esqueleto que mantemos no armário. Se formos criados com padrões negativos, poderemos repeti-los no futuro ou tentar desesperadamente não ser como nossos pais. Filhos criados por pais opressores podem repetir esse comportamento ou então se tornar o extremo oposto, tornando-se permissivos. Como vemos, mágoas não tratadas irão repercutir na nossa vida inteira. Quantas mulheres que foram oprimidas não adotam o comportamento estranho de se manter presas a homens que não as valorizam, não conseguem casar ou trocam de parceiros tentando encontrar o "homem ideal"? Se forem a um profissional, entenderão que isso se deve a terem sido educadas por pais opressores.
A opressão dos pais leva a muitos problemas: depressão, ansiedade, falta de autoestima, distúrbios alimentares como bulimia ou anorexia. Todas essas pessoas serão fracas? Com certeza não e, se são, não podemos culpá-las nem ficar pressionando. Quem está em tal situação tem que descobrir sua própria força, ver que aquele ambiente familiar não é normal nem saudável. O problema é que, muitas vezes, os filhos oprimidos não querem enxergar a verdade. A gente pode levar anos para se libertar desses pais, que não querem nos prender junto a eles nem decidir nossas vidas por amor. Eles o fazem apenas para satisfazer a si mesmos.
Maria Cândida Vieira
Enviado por Maria Cândida Vieira em 28/08/2019
Código do texto: T6731074
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Maria Cândida Vieira
Campina Grande - Paraíba - Brasil
2024 textos (100401 leituras)
7 e-livros (276 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 23/10/19 22:35)
Maria Cândida Vieira