Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A IDENTIDADE CAPANEMENSE

      Comemorando-se, em Capanema, 105 anos de emancipação política, pode-se refletir sobre a identidade de seus filhos e cidadãos, tomando por fundamentos os crescimentos de sua população e do local habitado, primando pelos fatores da dialética político-religiosa e evolução da produção cultural-literata. Para tanto, há de se ressaltar a impressão da forma político-religiosa no ser do capanemense; um aceno ao desenvolvimento da literatura local; e um questionamento sobre a identidade desta conjuntura.
      A 05 de novembro de 1910, o então distrito incrustado na Região do Caeté, herdando o nome do implantador das linhas telegráficas que serviu a passagem da Estrada de Ferro de Bragança: o Barão Guilherme Schuch de Capanema, recebeu sua emancipação política; nascia a Vila Capanema em tempos das últimas efervescências da Belle Époque na capital paraense. Recolhendo uma tradição sobre a descrição da então Vila, registrou Dalcídio Jurandir em “Belém do Grão-Pará” (Belém: EDUFPA, 2004, p.271): “...Nisto lhe deu uma sentida saudade de Capanema, o milho assando na trempe debaixo da mangueira, aqueles afazeres da casa paterna, o estalo dos bilros, na almofada, a ladainha, a avó cachimbando e falando dos castigos do céu em noites suadas de verão e queima nas roças, muito escuras,  que davam medo às meninas e atiçavam os cachorros para a boca do mato”.
      Habitada inicialmente por imigrantes do Nordeste brasileiro, geralmente pequenos agricultores, pecuaristas e comerciantes, Capanema construiu no seu primeiro centenário, uma síntese histórico-econômica que, influenciada pela ligação à região bragantina e à metrópole paraense pela extinta ferrovia aludida, envolveu na dialética de sua configuração os legados da religiosidade católica e as sucessões políticas. Nestas esferas institucionais e carismáticas, gravaram a fogo os seus nomes na história local, personalidades como Pe. Sales Soares e Frei Hermes de Spirano, no âmbito religioso, e Jorge Arbage, Hugo Travassos e Dr. Jorge Costa, no espaço político.
      Na impressão da identidade religiosa, a primeira missa é registrada com data no natal de 1902, presidida pelo Pe. Aarão de Bragança; em 1935, a “16 de abril: A sede da Paróquia de Quatipuru é transferida para Capanema” (Dom Alberto G. Ramos. Cronologia Eclesiástica do Pará. Belém: Falangola, 1985, p.164). Porém, foi o Capuchinho Frei Hermes quem cunhou na cultura capanemenses a forma da religiosidade católico-romana. Gozando de irrepreensibilidades moral e pastoral, granjeou sólidas influências religiosa e política na sociedade local, no período de 1964 a 1993; período de Regime de exceção no país e dos albores do renascimento democrático. Frei Hermes, auxiliado pelos confrades missionários Leônidas, Cezar, Arcádio e pelas Irmãs Preciosinas, fez valer o pensamento do Frei Damião de Bozzano que “se o altar não for a pedra fundamental de qualquer sociedade; esta, então, destina-se à ruína”. De colóquios com Frei Hermes, Frei Franklin Robson tomou nota de um pensamento do então cura de Capanema, utilizado para sintetizar seu caráter “Quando o ser humano é de reta conduta moral, tem palavra e procedimento coerentes; este mal conclui suas preces a Deus e já se vê atendido”; de fato este capuchinho Bergamasco possui até os dias atuais, famas lendária e taumatúrgica. Não é desprovido de significado, o fato da população local o ter eleito, em 2001, “o capanemense do século XX”. Um de seus legados é a confecção anual do grandioso tapete artístico na procissão de Corpus Christi, que projeta o nome da cidade ao nível nacional.
     Na produção literária capanemense, o primeiro livro foi “À Bíblia às suas ordens” do capuchinho nativo Frei Pio Sampaio de Oliveira, publicado em 1975 pelas edições Paulinas. O hino municipal, foi composto pela professora Rosalina Favacho, de religiosidade cristã-evangélica. Há registros de duas academias de letras na cidade; a primeira no início da década de 1990, da qual foi integrante a escritora Marta Navegantes; a segunda, inaugurada em 2010, donde sobressai-se as produções literárias dos irmãos Stélio e Paulo Vasconcellos. Extra academia-literária figuram escritores capanemenses com produções literárias, são os casos de Carlos Amóras; Anselmo Gomes; Dr. Frei Silvio Pereira; e do autor deste artigo. Na produção musical, é representativo os nomes dos cantores Junior Rêgo e Mimo Moreira.
   Tocando a questão da identidade capanemense, podemos questionar que o ser capanemense não se pode resumir a pré-conceitos, tais quais “Terra do cimento” e “Terra de pistoleiros”, pois elevam pequenos fragmentos efêmeros da realidade histórica ao nível de totalidade; o calcário capanemense há de se esgotar, como todo o recurso ambiental; e como profetizava Frei Hermes, imitando o Pe. Cícero Romão Batista: “Vi algo muito ruim se aproximando desta cidade, Capanema vai virar mar até o cimo da torre da igreja matriz! ”, teme-se que o relevo municipal se esmaeça em fundas jazidas abarrotadas de água. Quanto a fama de gente violenta, também é efêmera; pois, como pensa Von Balthasar, a beleza do todo é que deve estar presente no fragmento; ademais, a índole das pessoas é formada quando se privilegia uma genuína construção ético-cultural que privilegia o bem comum como fonte de vida plena para a sociedade.
      Portanto, enfatizando as bases político-religiosa e cultural na formação de Capanema, após um centenário de história, ressalta-se que o “ser capanemense” está presente numa política pautada na práxis em prol do bem comum, vinculada as diretrizes dos valores religiosos autênticos. Também, a verdadeira cultura Capanemense deve ser proativa, no sentido de qualitativa busca de produzir culturas popular e elaborada que transmitam o ideal de sua identidade. Permanece as questões comuns, em detrimento do individualismo-líquido: o legado que produzimos para o futuro paraense, brasileiro, mundial existe de fato como algo imprescindível? A nossa produção cultural está arraigada em nossa identidade? Como podemos evoluir nos foros interno e externo, dando o melhor de nossa produção espiritual?
JONAS MATHEUS
Enviado por JONAS MATHEUS em 07/11/2015
Código do texto: T5440773
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (CITAR CONFORME AS NORMAS DA ABNT). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
JONAS MATHEUS
Capanema - Pará - Brasil, 30 anos
205 textos (4585 leituras)
26 áudios (240 audições)
4 e-livros (255 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 22/11/19 01:40)
JONAS MATHEUS