Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

OS BENEFÍCIOS DA ALFARROBA(cacau light)

Antoni BigCuore*
Data: 08.11.2016, 3a feira, às 10,51 horas
Local: Brasil, São Paulo,SP.
Ediçao: Blog Bem Viver Brazil  e Recanto das Letras
-------------------------------------------------------------------
INTRODUÇÃO DE A. BIGCUORE. Ontem estive na zona cerealista do bairro do Brás, em São Paulo,(Rua Santa Rosa),para comprar, como de costume os meus alimentos funcionais.

E passei a conhecer mais uma planta milenar maravilhosa, cuja origem é do Oriente. Ela se chama Alfarrobeira e seu fruto uma semente semelhante ao cacau, só que bem menor.

A vantagem dela é que tem bem menos gordura saturada(a chamada má gordura que enrtope as artérias, provocando doenças coronarianas.
Contem:

VITAMINAS: A, B-1,B-2,B-6, B-12, Ácido Fólico(vit.B.9) e C. e niacina. É antioxidante, e tem a vantagem em relação ao cacau, que NÃO contém cafeína e nem teobromina.

Cheguei em casa e experimentei. Coloquei meia  colher pequena no iogurte líquido de morango e ficou uma delícia. Tem gostinho de chocolate. Uma delícia com iogurte!

Pelas vitaminas que contém e minerais, melhora o nível da serotonina no cérebro, dando a sensação gostosa de bem estar.
Como toda coisa boa, custa caro. O kilo custa em torno de R$40,00 reais. Só que dura muito, pois uma colherzinha rasa por dia é o suficiente.
Seguem abaixo as considerações da Wikipédia, a enciclopédia livre da net.
--------------------------------------------------------------------


"A alfarrobeira (Ceratonia siliqua), também conhecida como Pão-de-João ou Pão-de-São-João[1], figueira-de-pitágoras e figueira-do-egipto[2], é uma árvore de folha perene, originária da região mediterrânica que atinge cerca de 10 a 20 m de altura, cujo fruto é a alfarroba (do hebraico antigo charuv (חרוב), a semente, pelo árabe al karrub, a vagem, corruptela daquele outro termo).

A palavra vem do francês médio Carobe, que foi tomada a partir de árabe خروب (kharrūb, "vagem de alfarroba" ), que deriva de idioma acadiano kharubu.[3] Ceratonia siliqua, o nome científico da alfarrobeira, deriva do grego kerátiοn (κεράτιον), "fruto da alfarrobeira" (de keras [κέρας] "chifre"), e Latim siliqua "semente de alfarroba." O termo quilate, a unidade de peso usada para metais e pedras preciosas, também é derivado da palavra grega kerátiοn (κεράτιον), aludindo a uma antiga prática comum no Oriente Médio, de pesar ouro e pedras preciosas com as sementes da árvore de alfarroba.

É provavelmente também mencionado no Novo Testamento, em Mateus 3:4, ao informar que João Batista (daí o termo Pão-de-São-João) subsistiu com "gafanhotos e mel silvestre"; a palavra grega traduzida como "gafanhotos" pode se referir ao fruto da alfarroba, ao invés do inseto gafanhoto.[4][5] Isto é sugerido porque os termos hebraicos para "gafanhotos" (hagavim) e "alfarrobeiras" (haruvim) são muito similares [6]

Novamente, em Lucas 15:16, na Parábola do Filho Pródigo, quando o Filho Pródigo está no campo da pobreza espiritual e social, ele deseja comer as vagens que ele está alimentando aos porcos, pois ele está sofrendo de inanição. O uso da alfarroba durante uma fome é provavelmente um resultado da resistência da alfarrobeira ao clima rigoroso e à seca. Durante um período de fome, aos porcos eram dadas alfarroba para que não fosse um fardo para os limitados recursos do agricultor.

Subsiste menção da alfarroba no Talmud:. Berakhot relatórios de Rabi Haninah[4]. O Talmude judeu apresenta uma parábola de altruísmo, vulgarmente conhecido como "Honi e a árvore de Alfarroba", que menciona que uma alfarrobeira leva 70 anos para dar frutos; o que significa que o plantador não irá beneficiar de seu trabalho, mas funciona no interesse das gerações futuras. Na realidade, a idade de frutificação de alfarrobeiras varia.

O uso da planta alfarrobeira remonta a cultura da Mesopotâmia (atual Iraque). As vagens de alfarroba foram usadas para fazer sucos, doces, e foram muito apreciadas devido a seus muitos usos. A alfarrobeira é mencionado com frequência nos textos que datam de milhares de anos, destacando o seu crescimento e cultivo no Oriente Médio e Norte da África. A alfarrobeira é mencionado com reverência em "A Epopéia de Gilgamesh", uma das primeiras obras de literatura de existência.

Existem indícios de que os romanos mastigavam as suas vagens secas, muito apreciadas pelo seu sabor adocicado. Na época romana tardia, a moeda de ouro puro conhecido como o solidus pesava 24 sementes quilates (cerca de 4,5 gramas). Como resultado, o quilate também tornou-se uma medida de pureza para o ouro. Assim, de 24 quilates de ouro significa 100% puro, 12 quilates de ouro significa a liga contém 50% de ouro, etc [7]. O sistema acabou padronizado, e um quilate foi fixada em 0,2 gramas.

Como outras, a planta teria sido levada pelos árabes para o Norte de África, Espanha e Portugal.

Durante a Segunda Guerra Mundial, era comum para o povo de Malta para comer alfarroba secas e figos como um suplemento à alimentação racionada.

Pensa-se que as suas sementes foram usadas, no antigo Egipto, para a preparação de múmias; foram, aliás, encontrados vestígios de suas vagens em túmulos.

ALTERNATIVA AO CHOCOLATE.

Naturalmente doce, a alfarroba dispensa o uso de açúcar na fabricação de seus produtos, razão porque tem se tornado crescente e importante alternativa ao chocolate, pois além de não conter estimulantes como cafeína e teobromina, ela é rica em vitaminas e minerais. Contém altos níveis de carboidratos (75.92%), (6.34% proteínas) e baixo nível de gordura saturada (1.99%)[8].

Do fruto da alfarrobeira tudo pode ser aproveitado, embora a sua excelência esteja ainda ligada à semente, donde é extraída a goma, constituída por hidratos de carbono complexos (galactomananos), que têm uma elevada qualidade como espessante, estabilizante, emulsionante e múltiplas utilizações na indústria alimentar, farmacêutica, têxtil e cosmética.

Mas a semente representa apenas 10% da vagem e o que resta – a polpa - tem sido essencialmente utilizado na alimentação animal quando, devido ao seu sabor e características químicas e dietéticas, bem pode ser mais aplicado em apetecíveis e saborosas preparações culinárias.

A farinha de alfarroba é a fracção obtida pela trituração e posterior torrefacção da polpa da vagem. Contém, em média, 48-56% de açúcar (essencialmente sacarose, glucose, frutose e manose), 18% de fibra (celulose e hemicelulose), 0,2-0,6% de gordura, 4,5% de proteína e elevado teor de cálcio (352 mg/100 g) e de fósforo.

Por outro lado, as características particulares dos seus taninos (compostos polifenólicos) levam a que a farinha de alfarroba seja muitas vezes utilizada como antidiarreico, principalmente em crianças.
Vitaminas e Minerais
Alfarroba[9]
Minerais Mg/Kg
Mn 10,24
Zn 24,71
Fe 381,80
Cu 4,84
Se 9,79
Ca 2123,00
Na 505,97
K 8637,64
P 2255,21
S 17577,80
Vitaminas Test unid
Lipossolúveis µg / 100 g.
A 1.407
E 5.377
D 4.9
Hidrossolúveis mg / 100 g
C 830.08
B2 0.38
Niacina 185.68
B6 23.80
Ácido Fólico 41.97
B12 1.30
----------------------------------------------------------------
(*)autor é Escritor, Amigo do Bem e divulgador do Evangelho de Jesus Cristo para todo o planeta. Conheça seu Blog Bem Viver Brazil - antonibigcuore.blogspot.com (autoconhecimento, espiritualidade e vida saudável) e seu link poético e filosófico: www.recantodasletras.com.br/autores/antonibigcuore
-------------------------------------------------------------------
ANTONI BIGCUORE
Enviado por ANTONI BIGCUORE em 08/11/2016
Código do texto: T5816991
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Comentários

Sobre o autor
ANTONI BIGCUORE
São Paulo - São Paulo - Brasil, 72 anos
2498 textos (957666 leituras)
87 áudios (67995 audições)
1 e-livros (165 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 16/12/19 07:34)
ANTONI BIGCUORE