Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A LIBERDADE... O CONHECIMENTO... O TEMPO... A VIDA... "O IMPERADOR Dom Pedro II (1825 -1891), foi deposto em 15 de novembro de 1889. Vieram os Presidentes da REPÚBLICA Federativa do BRASIL"... - (27ª parte).






A LIBERDADE... O CONHECIMENTO... O TEMPO... A VIDA... “O IMPERADOR Dom Pedro II (1825 – 1891), foi deposto em 15 de novembro de 1889. Vieram os Presidentes da REPÚBLICA Federativa do BRASIL”... - (27ª parte).



UM MÉDICO na PRESIDÊNCIA do BRASIL (Considerações Finais) + (Outras Considerações Curiosas) – (19ª parte).

     

       
O 5º Presidente da REPÚBLICA dos Estados Unidos do BRASIL foi o ADVOGADO PAULISTA Rodrigues Alves, que conquistou o cargo através de “ELEIÇÃO DIRETA” no início do Século XX. A ELITE dos BACHARÉIS continuou no PODER CENTRAL.


     
     Antes, vejamos o que diz alguns historiadores sobre o CORONELISMO no BRASIL, que, em parte, davam sustentação ao PODER CENTRAL. Comentaremos sobre alguma parte do Século XIX e parte do Século XX – (Ato Institucional nº II).






O CORONEL Pernambucano FRANCISCO HERÁCLIO do RÊGO.



     Origem: - Wikipédia, a enciclopédia livre.




     Francisco Heráclio do Rêgo, o CORONEL Chico Heráclio, (03 de outubro de 1885 — 17 de dezembro de 1974 – 89 anos) foi um PROPRIETÁRIO RURAL brasileiro de destacada influência política na cidade Pernambucana de LIMOEIRO.
     
     O LEÃO das VARJADAS, como também era conhecido, foi um dos ícones do CORONELISMO brasileiro.
     
     Figura do CORONELISMO no Brasil, ficou conhecido nacionalmente quando o Humorista Chico Anysio fez um personagem em sua homenagem, o "CORONEL LIMOEIRO”.
     
     Ao contrário de outros CORONÉIS tardios, que não sobreviveram à modernização do país, Francisco Heráclio do Rego, o CORONEL Chico Heráclio, soube usar as mudanças vividas pelo país entre as décadas de 1930 a 1960 (abertura de canais de comunicação e transporte com a capital, decadência da importância do setor agrário, aumento da importância do setor de serviços e desenvolvimento industrial) para manter seu poder.
     
     Alguns de seus métodos eram Coação, Adulteração de Documentos, Favorecimento Pessoal aos Eleitores.
     
     Na sua época, LIMOEIRO foi município de prestígio econômico. Chegou a ser uma das maiores economias de Pernambuco (hoje tem o 32º PIB do Estado), tendo produzido muito ALGODÃO - cultura que foi destruída pela praga do bicudo.
     
     Além de ter perdido importância econômica, a infra-estrutura urbana de LIMOEIRO se tornou muito carente.
     
     A desigualdade social é visível: - Bairros muito pobres convivem com um bairro muito rico, cujas casas não perdem em nada para as grandes mansões dos bairros ricos das metrópoles.
     
     Sob o mando do CORONEL Pernambucano Chico Heráclio, LIMOEIRO também viveu o auge de seu prestígio político.
     
     Além de eleger Prefeitos em LIMOEIRO e região e de fazer a carreira política dos filhos Francisquinho e Heráclio (Deputado Estadual e Federal, respectivamente, por diversos mandatos), o CORONEL exerceu influência decisiva na política Pernambucana e chegou até a receber a visita do MÉDICO Mineiro Juscelino Kubitschek (o primeiro presidenciável a visitar LIMOEIRO. O segundo foi o ECONOMISTA Mineiro Aécio Neves).
     
     Para garantir a eleição dos seus candidatos “o processo é muito simples”, disse o próprio CORONEL à Revista Manchete, resumindo as estratégias de Coação, Fraude e Favor:
     
     “Eu e mais alguns amigos damos transporte aos eleitores. Mando um boi para cada seção eleitoral e às vezes mando cachaça para depois das eleições.
     
     Não admito fiscal de nenhum partido. Eleição em LIMOEIRO tem que ser feita por mim. Sempre fiz e nunca me dei mal”.
     
     Outra arma política do CORONEL Pernambucano Chico Heráclio era propaganda e difamação em formato impresso: - Os famosos panfletos do CORONEL.
     
     Quase sempre o conteúdo desses panfletos eram ofensas a rivais – com muito palavrão – ou exaltação de si e dos seus candidatos.
     
     Como o CORONEL Pernambucano Chico Heráclio era analfabeto, o texto era ditado. Ora os panfletos eram anônimos, ora tinham a foto do CORONEL Chico Heráclio e firma reconhecida.
     
     Eram distribuídos pelo próprio CORONEL pela janela de seus carros ou entregue por correligionários.



     
     Na Wikipédia estão disponíveis apenas duas Referências logo abaixo descritas.



     01 - Brasil, CPDOC - Centro de Pesquisa e Documentação História Contemporânea. «HERÁCLIO MORAIS DO REGO». CPDOC - Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil. Consultado em 28 de julho de 2019.


     
     02 - «O CORONEL Reencontrado». Tribuna do Norte. Consultado em 28 de julho de 2019.





CATEGORIAS:





Nascidos em 1885.

Mortos em 1974.

Homens.

LIMOEIRO (Pernambuco).

CORONÉIS da Guarda Nacional (Brasil).


     

     Esta página foi editada pela última vez às 19h54min de 28 de julho de 2019.







O MAJOR TEODORICO BEZERRA – O ÚLTIMO dos “CORONÉIS”.



     
     Origem: - Wikipédia, a enciclopédia livre.



     
     Teodorico Bezerra (Santa Cruz, 23 de agosto de 1903 - Natal, 05 de setembro de 1994 - 91 anos) foi um líder político brasileiro do Estado do Rio Grande do Norte (RN), considerado um típico "CORONEL" do Nordeste em pleno século XX, encerrando a sua atividade política na segunda metade do século XX.
     
     Foi casado com Dona Zilá Bezerra. Exerceu as atividades de LATIFUNDIÁRIO, PECUARISTA, Comerciante e Político. Era tio de Fernando Bezerra.



BIOGRAFIA.




     Filho de José Pedro Bezerra e de Ana Bezerra de Sousa. Fez os primeiros estudos em sua terra natal.
     
     Em 1917 exercia o COMÉRCIO, como Ambulante, em princípio comprando e vendendo tudo. Também foi Mascate, comprador de couros de animais e Padeiro.
     
     Mas o negócio de couro é que teve maior expressão na sua vida de Comerciante. Parou suas atividades quando foi servir ao EXÉRCITO, no 21º Batalhão de Caçadores, em Natal, onde permaneceu de 1923 até 1924, quando chegou até a graduação de CABO.
     
     Por essa razão, ficou conhecido pela alcunha de “CABO”. O título de “MAJOR” apareceu depois, quando militava na política. Era sobrinho do CORONEL Ezequiel Bezerra.
     
     Era Proprietário de Quatro Fazendas no Agreste do Estado, sendo a maior delas a FAZENDA IRAPURU, LATIFÚNDIO de 14 mil hectares, onde o MAJOR Potiguar Teodorico Bezerra plantava algodão e vivia como um verdadeiro senhor feudal, cercado de "súditos" a quem periodicamente distribuía favores, em vez de pagar-lhes salário pelo trabalho na lavoura.
     
     "A FAZENDA IRAPURU", que fica distante 15 km de Tangará, estabeleceu regras para a permanência dos seus funcionários.
     
     O lugar era uma espécie de "Centro Administrativo" das atividades na zona rural. Quem desejasse ficar tinha de seguir várias orientações como NÃO USAR ARMA, não jogar BARALHO e matricular os filhos na ESCOLA local.
     
     No mercado do lugar ainda se observa na parede uma série de orientações, entre elas, NÃO FALAR da VIDA ALHEIA.
     
     "O morador que não cumprir fielmente este regulamento, será tomado o roçado e terá o prazo de 24 horas para desocupar a casa e ir embora desta propriedade", diz o documento em que constam as regras do lugar.
     
     A Residência do "MAJOR" está preservada até os dias de hoje. É a casa onde os filhos passam temporadas. Além da casa, existe um Castelinho de Pedras feito para descanso do MAJOR Teodorico.
     
     "Ele dizia que pela manhã havia muita zoada dos empregados da casa e gostava de ficar lá", lembra a filha Sânzia Bezerra.





EMPRESÁRIO.




     
     Além de suas FAZENDAS chegou a possuir três FÁBRICAS de ÓLEO, uma REFINARIA de ÓLEO e duas USINAS de Beneficiamento de ALGODÃO.
     
     Ficou conhecido ainda como HOTELEIRO. Comprou vários HOTÉIS, como o Internacional, Avenida, Palace Hotel e o Hotel dos Leões que funcionava onde fica o escritório da Ecocil na Ribeira.
     
     Arrendou também entre 1939 e 1987, o Grande Hotel, onde hoje é o Fórum Estadual.
     
     Em tempos áureos do ALGODÃO, chegou a empregar quatro mil funcionários na sua FAZENDA IRAPURU.
     
     Eleito Deputado Estadual em 1947, pelo Partido Social Democrático (PSD), estendeu seu poder a boa parte do Território POTIGUAR.
   
     Foi dono também da RÁDIO Trairi e do JORNAL do Comércio de Natal.
     


     

     Observação do escriba: - Ao contrário da maioria dos Grandes Proprietários Rurais (ou LATIFUNDIÁRIOS), que se dedicavam apenas à atividade rural (agricultura e/ou pecuária), o MAJOR Potiguar Teodorico Bezerra diversificou as suas atividades econômicas: - Foi proprietário de Fábricas, Refinaria, Usinas, Hotéis e até de Jornal e Emissora de Rádio, ampliando assim a sua influência e o seu poder além de seu LATIFÚNDIO. Dedicou-se à política intensamente.


 

     Em 1978, foi tema do Documentário "Teodorico, o Imperador do Sertão", dirigido pelo CINEASTA Paulista Eduardo Coutinho (foi assassinado pelo seu próprio filho que era esquizofrênico) e apresentado no programa Globo Repórter, da TV Globo.
     
     Seu legado familiar permanece ainda hoje na política do Rio Grande do Norte, em figuras como as de seus sobrinhos o ENGENHEIRO Potiguar Fernando Luís Gonçalves Bezerra (também empresário e Ex-Senador) e o ADVOGADO Potiguar Iberê Paiva Ferreira (também empresário, Ex-Deputado, Vice-Governador e Governador), ou de seus netos Teodorico Neto e Jorge Eduardo de Carvalho Bezerra, os dois mais recentes Prefeitos de Tangará.





POLÍTICO.




     Além de ter sido um COMERCIANTE de muita FORTUNA, fez sucesso na Política.
     
     De Deputado Estadual pela primeira vez de 1946 até 1951, depois foi Deputado Federal por quatro mandatos.
     
     
     1º Mandato (como Deputado Federal) - De 12 de março de 1951 até 1º de fevereiro de 1955.
     
     
     2º Mandato – De 02 de fevereiro de 1955 até 1º de fevereiro de 1959.
     
     
     3º Mandato – De 02 de fevereiro de 1959 até 1º de fevereiro de 1963.
     
     
     4º Mandato – De 02 de fevereiro de 1967 até 1º de fevereiro de 1971.
     
     
     No intervalo do 3º para o 4º mandato como Deputado Federal, exerceu o cargo de Vice-Governador do Estado do Rio Grande do Norte, de 31 de janeiro de 1962 até 31 de janeiro de 1966. Depois, de 1967 até 1971, voltou a ocupar o cargo de Deputado Federal, conforme escrito acima.
     
     No ano de 1960 apoiou o ADVOGADO Potiguar Aluísio Alves (também jornalista) e o MONSENHOR Potiguar Walfredo Gurgel (sacerdote da Igreja Católica) para Governador e Vice, respectivamente, ambos eleitos.
     
     Dois anos mais tarde o "MAJOR" acostumado a vencer, obteve sua primeira derrota na política.
     
     Não conseguiu se eleger Senador da República, quando se candidatou em 1965, perdendo a disputa para o ex-aliado o MONSENHOR Potiguar Walfredo Gurgel que, como ele, o MAJOR Teodorico, pertencia ao Partido Social Democrático (PSD).
     
     Pela razão de ter perdido a eleição, respondeu ao ser indagado por Raimundo Alves de Souza: - "Fiz tudo para ter o PADRE como companheiro de disputa das vagas no senado. Desejava ver dois pedessistas vitoriosos, porém esqueci que tem mais Capelas, Igrejas e Santuários que diretórios do PSD. E o PADRE teve mais votos do que eu".
     
     Pouco tempo depois, assumiu o cargo de Vice-Governador, na vaga deixada pelo MONSENHOR Potiguar Walfredo Gurgel, eleito SENADOR da REPÚBLICA.
     
     Assumiu também a Presidência da Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte.
     
     O MAJOR Potiguar Teodorico Bezerra também foi Presidente Regional do Diretório do PSD, que teve início quando da posse no dia 03 de fevereiro de 1946.
     
     Como chefe político arranjava formas inusitadas de arregimentar eleitores.
     
     Em 1959 resolveu formar uma BANDA de MÚSICA para tocar nas campanhas políticas. O MAESTRO era OSCAR ELIAS DANTAS, que comandava os 18 componentes, todos eles filhos dos Moradores da FAZENDA.
     




Observações do escriba:




     1ª - Assim, o MAJOR Potiguar Teodorico Bezerra, durante 25 anos de atividade Política Profissional, foi filiado a dois Partidos Políticos. Ao PSD (Partido Social Democrático) antes de 1964, e à ARENA (Aliança Renovadora Nacional) depois de 1964. Perdeu apenas uma eleição para o Senado Federal disputando com o PADRE ou MONSENHOR Walfredo Gurgel, no ano de 1965.
     



     2ª - As CAPELAS, as IGREJAS e os SANTUÁRIOS, pelo menos no Rio Grande do Norte, em 1965, devem ter vencido em metade dos Diretórios do PSD, e mais os VOTOS da maioria dos CATÓLICOS da área urbana. O que talvez o MAJOR Potiguar Teodorico Bezerra não tivesse em sua contabilidade pessoal e eleitoral, era que metade dos Diretórios do PSD tinha mais FÉ no MONSENHOR, ou seja, no PADRE, do que no MAJOR. Costuma-se dizer: - Uns nascem para serem PADRES outros para PADECER. É! Pode ser!



     
     3ª – Embora naqueles idos (1965), os moradores, os leitores e os eleitores do distante e isolado Estado do Rio Grande do Norte, não tivessem muitos Meios de Comunicação disponíveis como nos dias atuais, muitos PADRES e principalmente um MONSENHOR, estava muito bem informado do apoio da IGREJA CATÓLICA ao Movimento Civil-Militar de 1964, inclusive ficou sabendo das enormes passeatas ocorridas no Sul do País. O MAJOR, indiferente a tais acontecimentos, e, acostumado com as suas artimanhas políticas subestimou a FÉ dos CATÓLICOS e a FORÇA da IGREJA CATÓLICA. O resultado é que o MONSENHOR venceu a eleição, derrubando os “votos dos currais” e os “votos de cabrestos”.



     
     4ª – Os ATEUS e COMUNISTAS que são ferrenhos adversários de todas as RELIGIÕES, estavam afastados legalmente das atividades políticas. O trabalho da esquisita MAÇONARIA também inimiga de longas datas da IGREJA CATÓLICA, sempre envolvida em mistérios, e, por isto mesmo, até hoje não se sabe o que realizou antes e depois de 1964. É segundo a minha opinião um “CLUBE de BOLINHAS”, tão inútil quanto machista.


     

     5ª – O MAJOR Potiguar Teodorico Bezerra, ao que parece não era COMUNISTA de jeito nenhum e muito menos era MAÇOM. Mas, tinha consideração e respeito para com o MONSENHOR. Tanto que pertenciam ao mesmo Partido Social Democrático (PSD), e, portanto, eram correligionários na disputa SENATORIAL.



     
     6ª - Na Wikipédia estão disponíveis duas Referências descritas logo abaixo. E também três Bibliografias estão disponíveis.




     7ª – Apresentamos a todos os leitores, baseado na Wikipédia pelo menos três CORONÉIS que eram LATIFUNDIÁRIOS:

     
     
     A – Um Potiguar (RN) – O “MAJOR” Teodorico Bezerra.

     
     B – Um Pernambucano (PE) – O CORONEL Chico Heráclio.

     
     C – Um Baiano (BA) – O CORONEL Horácio de Matos.

     
     
     Curiosamente os três citados pela Wikipédia são NORDESTINOS. Devem existir outros menos conhecidos ou mais escondidos. Entrego a tarefa aos autênticos Historiadores. O que não é o meu caso.




REFERÊNCIAS da Wikipédia.
     




     01 - «Passado Histórico recebe valorização». Consultado em 22 de fevereiro de 2009.


     02 - «Teodorico, o Imperador do Sertão, de Eduardo Coutinho». Consultado em 22 de fevereiro de 2009.





CATEGORIAS:




Nascidos em 1903.

Mortos em 1994.

Naturais de Santa Cruz (Rio Grande do Norte).

Deputados Federais do BRASIL pelo Rio Grande do Norte.

Deputados Estaduais do Rio Grande do Norte.

Vice-Governadores do Rio Grande do Norte.

Membros do Partido Social Democrático – PSD - (1945).

Membros da Aliança Renovadora Nacional – ARENA.

PROPRIETÁRIOS RURAIS do Rio Grande do Norte.

PECUARISTAS do BRASIL.

CORONÉIS Tardios.



     Esta página foi editada pela última vez às 19h32min de 06 de junho de 2019.




     A luta contra a debilitante POLIOMIELITE (paralisia infantil) continua, e a luta a favor da inofensiva AUTO-HEMOTERAPIA, também continua.
      Se DEUS nos permitir voltaremos outro dia ou a qualquer momento. Boa leitura, boa saúde, pensamentos positivos e BOM DIA.
     ARACAJU, capital do Estado de SERGIPE, localizado no BRASIL, Ex-PAÍS dos fumantes de CIGARROS e futuro “PAÍS dos supostos MACONHEIROS ESQUIZOFRÊNICOS”.

     



Aracaju, quarta-feira, 13 de novembro de 2019.




       Jorge Martins Cardoso – Médico – CREMESE – 573.



     
     
     
     Fontes: (1) – INTERNET. (2) – GOOGLE. (3) – Wikipédia. (4) – Livro – “Chatô” o Rei do Brasil – Autor: - Fernando Morais. (5) – Livro – Minha Razão de Viver – Autor: - Samuel Wainer. (6) – Livro – O que é isso, companheiro? – Autor: - Fernando Gabeira. (7) - Livro – O Cavaleiro da Esperança – Autor: - Jorge Amado. (8) – SUPERIOR TRIBUNAL MILITAR (STM). (9) – SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL (STF). (10) - Outras Fontes.

jorge martins
Enviado por jorge martins em 13/11/2019
Código do texto: T6793617
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
jorge martins
Aracaju - Sergipe - Brasil, 69 anos
831 textos (79688 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/19 08:32)
jorge martins

Site do Escritor