Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

ARTIGO – A ditadura do Legislativo – 28.03.2019 (PRL)
 
 
ARTIGO – A ditadura do Legislativo – 28.03.2019 (PRL)
 
 
Não precisa ser cientista político nem jornalista de encomenda para raciocinar claramente que a Câmara dos Deputados está laborando contra o Brasil, mesmo depois da grande e aparente renovação que se esperava nos costumes, mas isso não veio, mudaram apenas nomes e por sinal alguns inexpressivos e pobres nos discursos, além de pouco entenderem de leis, salvante aquela tradicional do toma lá dá cá.

Também não é difícil raciocinar que se o Bolsonaro foi eleito com 55,13% dos votos válidos, evidente que os contrários obtiveram a diferença, ou seja, 44,87%, a grosso modo e apenas para fechar a conta, isso sem fundamento científico, mera observação. Ora, partindo dessa premissa cabe-nos imaginar que dos 513 deputados existentes no parlamento, arredondando, tem-se de pronto que 231 são votos sempre contrários ao Capitão, enquanto os 282 restantes poderiam prestigiar com seus sufrágios as propostas de reformas e de leis existentes para apreciação e julgamento (513 – 231 = 282). Todavia esse número é insuficiente à aprovação do que se deseja para o bem do país, e aí entra o conhecimento e o prestígio do presidente da Casa, Doutor Rodrigo Maia (DEM-RJ), que fora envolvido nas denúncias da operação Lava-Jato, segundo a mídia.

É do conhecimento da maior parte dos brasileiros que para uma PEC (Proposta de Emenda Constitucional) ser aprovada são necessários 308 votos favoráveis (308 – 282 = 26), número que seria fácil alcançar, mormente se fossem oferecidas as vantagens de outrora, imorais e condenáveis em todos os sentidos. Entretanto, e todos estão vendo, a coisa não é tão fácil assim. A doença da corrupção atravessou o coração, a alma e as mentes dos parlamentares e entrou no que deveria ser mais caro para essas autoridades, que é a honra, sem perder de vista aquelas promessas simples e costumeiras de campanhas eleitorais.

Ocorre, todavia, que já ficou patente, pelo menos nos discursos, que o governo não pretende fazer o jogo imoral e costumeiro de outrora, e em sendo assim gera, evidentemente, a ira dos que querem a todo custo levar vantagem contra o povo brasileiro, sugando-lhe até o último centavo. O presidente da Câmara, que está na linha sucessória do Chefe do Executivo, após o General Mourão, acha-se com todo o poder do mundo e pauta uma matéria de real prejuízo à nação, beneficiando aos senhores deputados, notadamente com emendas pessoais para estados e municípios, que a nosso ver são indevidas, eis que esses já recebem o possível dos fundos de participação que são distribuídos mensalmente e, por vezes, em caráter extraordinário. São emendas digamos assim para elevar o prestígio deles junto ao eleitorado e segundo alegam alguns críticos sem a necessidade de contrapartida...levou, gastou, pronto!

Resolvido o problema. Já que o Bolsonaro não libera, aprova-se uma Emenda Constitucional com uma acachapante derrota do governo, até mesmo com os votos favoráveis do PSL, que tem maioria na Câmara, mas não tem nem o domínio de seus próprios filiados, esses que não querem fazer compromisso com os cidadãos de seus municípios. Pensam, muitas vezes, que por haver conseguido uma expressiva votação em outubro/2018, que foi obtida muito mais pela vontade do povo em protestar contra o estado de coisas que reinava no país, que já são deuses, muitos até já pensando na reeleição. Há uma deputada federal que tinha uma LIVE muito bem visitada, que obteve mais de dois milhões de votos, entretanto não está sabendo defender o lado do governo, do qual é líder, mas entende de gritar e discutir com a oposição em termos não recomendáveis. Dizem que está se preparando para ser candidata à prefeitura de São Paulo e/ou à presidência da república em 2022, numa chapa engendrada com o Doutor Dória (PSDB-SP).

A comunicação do palácio está fraca, sem argumentos e sem saber funcionar como anteparo na defesa do presidente do país. Por outro lado, a Casa Civil nos parece inapropriada, sem uma pessoa que detenha força e capacidade de convencimento e que cause mais respeito. Como que se pode dirigir a Casa Civil do governo se o ministro está denunciado por recebimento de vantagens eleitorais, caixa dois, que até outro dia era crime?! No Turismo temos também um cidadão que sobre eles pesam denúncias. Alguém terá de levantar a voz de comando, e aqui não estamos falando de ditadura, mas de seriedade. Há de se cumprir parte do que fora prometido, mas sem esperar a condenação do acusado/denunciado ou seja lá o que for. Urge o afastamento de todos eles para evitar a contaminação do país no seu todo, eis que o aparelhamento que o Bolsonaro herdou foi feito por mais de quatorze anos, por isso que o vírus da criminalidade é contagioso e aflora nos que não foram criados com educação.

Ficamos por aqui.

Nosso abraço.
 
SilvaGusmão
 
 
 Foto: GOOGLE
 
 
 
 
ansilgus
Enviado por ansilgus em 28/03/2019
Reeditado em 28/03/2019
Código do texto: T6609664
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2019. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Comentários

Sobre o autor
ansilgus
Recife - Pernambuco - Brasil
1749 textos (347582 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/08/20 03:20)
ansilgus