Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

QUANTO AO CD "NAVIO E NAVEGANTE" VAMOS ÀS PÁGINAS E RESUMOS

        A começar pelo Título. "Navio e Navegante", sendo a 4 página musical, Trata-se de dois bois de canga. A música foi composta a pedido do capitão José Maria do Gabinete Militar do governo Itamar Franco, 1999/2002. Eu havia dito a ele que seria possível compor uma "toada" com fidelidade ao estilo e nada mudando na historia que tem como ponto alto o fato de uma garrincha ter feito o ninho na cabeça de um boi de canga.  # Toada estilo de música caipira inventado pelo compositor paulista João Pacífico. 1909/1998, sendo a conhecida  Cabocla Tereza) Muito bem. Fiz a composição coloquei letra e deixei preparada para os ouvidos exigentes, ficando aqui a poesia.
 Vejam abaixo e depois passo a outras letras um total de 14 sendo essa a 4ª.

 
 NAVIO E NAVEGANTE ano 2009

Navio e navegante eram dois bois de canga,
Que cortavam o sertão por estradas de chão batido.
Por trilhas e caminhos, na verdade não havia,
Buracos e grotões que não tivessem percorrido.
O som do velho carro de bois se ouvia ao longe
Um chiado choroso que alegrava os ouvidos,
Do velho candeeiro que ia fumando seu pito.
Levando lá pra vila coisas do mato escondido.

No pasto de anuls e passando por matas virgens,
No recanto de onde não saia mais ninguém,
Na carona os meninos iam até fazendo festa,
Pra São João Da Serra terra de gente de bem.
Pra que é que o carreiro andava com eu ferrão,
Se ele não era usado com os bois se dava bem.
Formavam uma junta, iam  lentos, sonolentos
E naquela moleza iam muito mais além.

Um dia numa curva perto de um precipício,
O carro ia quase tomba pra  matar o boi navio.
Só não aconteceu porque o boi Navegante,
Cravou o chifre no chão foi um momento de arrepio.
Mas segurou o carro e salvou o companheiro,
Emocionou o carreiro aquele boi teve brilho.
O preço que pagou foi ter seu chifre partido.
Também ficou ferido, só não morreu por um fio.

Ficou lá na fazenda, já não era como antes.
De seu chifre quebrado um peão fez um berrante.
É no lugar do chifre uma garrincha saltitante,
Fez  ali o seu ninho na cabeça do gigante.
E pela natureza acabou suas andanças
Não corta mais estradas naquele destino errante.
Deitado ele remoí com o capim sua saudade
Dede quando eram carreados Navio e Navegante.
Pacomolina
Enviado por Pacomolina em 26/07/2020
Reeditado em 26/07/2020
Código do texto: T7017734
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2020. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Comentários

Sobre o autor
Pacomolina
Belo Horizonte - Minas Gerais - Brasil, 59 anos
4177 textos (182738 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 22/09/20 17:34)
Pacomolina