Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Os Sentidos e a Idolatria

O momento nos convida a  continuidade a série " Vilões da Bíblia " e a subcategoria " estrangeiros ", nesse momento escrevendo  a décima segunda coluna sobre  A rainha Jezabel  em  'os   sentidos e idolatria '.

Simbolicamente um belo caminho pode ser construído , Jezabel naturalmente recria a nação a sua imagem e semelhança bem definida ou ainda bem acolhedora, recriar algo é oferecer uma outra vida.

Simbolicamente ele pode representar inúmeras coisas bem relevantes á respeito da polifonia da vida, e considerando todos eventos desde o seu nascimento  até seu fim foi tudo bem acidentado.

E a figura solene de Jezabel renasce após um longo e doloroso processo de existir e de um devir bem longo e exato. A exatidão da sua existência é pontilhada por momentos complexos  e pesarosos.

Naturalmente o escrivão que tentou fazer seu fio biográfico não deve esquecer do real significado do seu nome. Em hebraico original e massorético ''.

Timidamente o nome indica muitas interpretações coerentes e concernentes a sua polifônica vida como um pessoa bem ocupada com os problemas externos e extremos do viver.

Inicialmente ela é uma vilã pelo valor  aqui trabalhado acerca dessa definição tão complexa ou muito arriscada em certas estruturas de sua realidade.

Diante desse quadro tão desafiador , a figura solene de Jezabel aparece como um vilão com extrema similaridade com a Harlequina quadrinizada, bem o nome é aceito por romancistas e dramaturgos com muita facilidade.

O  momento nos convida mais uma reflexão, a rainha Jezabel diferente dos outros  vilões , tem conhecimento enciclopédico acerca de si mesma, tal percepção nos ajudar a entender  sua polifonia da vida.

Simbolicamente ele pode representar inúmeras coisas bem relevantes á respeito da polifonia da vida, e considerando todos eventos desde o seu nascimento  até seu fim foi tudo bem acidentado.


E as explicações oferecidas pela soberana Jezabel são de fato inadequadas interpretações  ao contexto que estavam assim inseridas como forma de opinião disfarçadas.

As verdades que a rainha Jezabel encontra tem belos fundamentos em seus muitos textos e escritos  tem algo a oferecer e a aprender como relevante.

Ironias shakespearianas e cervantinas  á parte, ele sabia como estruturar um modelo de governo possível uma forma de acreditar no modelo criado por seu pai.

Devido sua pouca influência em assuntos cabais  ou ainda governamentais como uma estrutura confiável a si como um governante simplório,  sem disposição para as possíveis novidades.

O momento tinha de ser no mínimo complexo e observado a contento com os detalhes frisados em madeira ou pedra, em baixo-relevo a intensidade era controlável e contornável.

Legalmente tudo era possível, as manobras políticas poderiam ser no mínimo viáveis como um construto comumente usado como um contorno viável numa leitura sombria da polifonia da vida.

Agora o pensamento dele era algo supremamente relevante desenhável em seu cotidiano, como uma soberana bem independente com relação a visões retumbantes de um reino bem definido.

Timidamente Jezabel desconhecia o sistema que defendia e os riscos que corria naquele momento em defende a idolatria e seus luminosos templos, com extensa visibilidade cabal e visual.

Realmente  a soberana Jezabel somente pedia uma criação sombria delicada do destino , o poder também desenvolve uma multiplicidade de dilemas e problemas bem particularizados .

Ironicamente a visão de Jezabel estava bem confusa, como um governante ele se desgasta solidamente seu pouco poder real semelhante ao Rei Lear outra peça teatral trabalhada pelo dramaturgo William Shakespeare em uma boa conexão cheia de singularidade e musicalidade.

Assim a soberana Jezabel compreendeu a dimensão ousada de um jogo de poder simples com acumulação de bens e visões de um mundo complexo e fragmentado como o seu.
JessePensador
Enviado por JessePensador em 16/04/2020
Código do texto: T6919015
Classificação de conteúdo: seguro

Comentários

Sobre o autor
JessePensador
Santana de Parnaíba - São Paulo - Brasil, 36 anos
1352 textos (13011 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 25/09/20 03:08)