Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O Significado e o Sentido e Trono e a Idolatria

O momento de meditar sobre os judeus como vilões de si mesmos acabou, agora dando sequência na série "Vilões da Bíblia" e na subcategoria  " estrangeiros rebeldes"  e na nona  coluna sobre Jezabel em " o significado  e  o sentido e trono e a idolatria"

Significar traduz como um entendimento profundo sobre o nome de uma  pessoa em questão de forma mais cabal possível, cada realidade revela uma realidade conectada aquele ponto de vista , categoricamente  introduz   uma mentalidade real.

Inicialmente  estar a conhecer o significado do nome Jezabel diz muito á respeito de sua pobre origem , é uma fina ironia cervantina, significa em hebraico original ' O que exalta Baal'.

Garantir um fato ou detalhe  acerca do nome em questão , é um rico pensamento ou linha de pensamento a respeito da  pobreza existencial de Jezabel.

Naturalmente  ao receber este nome , a rainha  conhecia somente os muitos riscos contidos no nome em questão, saber já era um bom começo apesar de tudo.

Inicialmente tudo poderia ser um mínimo desafio para a compreensão da vida trágica da rainha. A princípio era necessário ouvir tudo correlacionado aos muitos riscos.

Finalmente devemos reconsiderar tudo o que foi escrito linhas acima,  a interpretação sempre requer um conjunto de considerações relevantes sobre a polifonia de vida.

Iluminar o caminho da existência da pessoa em questão, isso é preferível em nomes orientais e ocidentais, mas isto não diz que realmente precisamos  saber, apesar do nomes a rainha seguiu o rio da existência.

Categoricamente  a rainha Jezabel  entendeu que deveria seguir as muitas sequências de notas baixas coexistentes com as notas altas , e compreender que a vida não deveria ser feita apenas de bons momentos

Ato após ato deve ser considerado desse sujeito configura uma consolação á compreensão do intérprete no caso o biógrafo que observa tudo de forma privilegiada.

Diante dessa realidade conectada a polifonia de vida, o biógrafo de forma maravilhosa alinha todas essa informações em um bloco de anotações, e pode recriar com sabedoria o mundo do biografado.

Os episódios de uma existência tão polifônica permite na interpretação realinhar  o conjunto textual de informações necessárias  e reescrever a existência  de outra perspectiva.


E lidar com as demandas da vida de um morto , nesse caso um morto bem famoso, fama e passado dinamizam uma linha de interpretação sofisticada ou uma leitura narrativa de fatos bem lacunar.

O momento de meditar sobre os judeus como vilões de si mesmos acabou, agora dando sequência na série "Vilões da Bíblia" e na subcategoria  " estrangeiros rebeldes"  e sobre a rainha Jezabel ".

Sentir  esse conjunto de significados nasce tudo de um rio de incertezas , ele poderia não ser pago, ele poderia sofrer riscos dessa sequência musical.

E lidar com as demandas da vida de um morto , nesse caso um morto bem famoso, fama e passado dinamizam uma linha de interpretação sofisticada ou uma leitura narrativa de fatos bem lacunar.

Naturalmente Balaão traduz uma forma de sabedoria lunar ao dar um rio de conselhos ao rei apavorado , usar ao um diálogo intertextual, o escritor David Foster Wallace via nisso um tipo de franqueza.

Timidamente Jezabel e David Foster Wallace defendem um tipo de franqueza. A sinceridade é um caminho de duas vias. Ser verdadeiro com o outro implica em ser verdadeiro consigo mesmo: é tanto meio quanto fim, e o propósito é a transparência na comunicação.

Ironicamente já a autenticidade pressupõe que ser verdadeiro consigo mesmo prescinde do outro, que serve como plateia de um espetáculo particular.

Diante disso o eu autêntico, soberano e que se deseja (e se enxerga) único, não admite a possibilidade de ser conhecido genuinamente fora de seus próprios limites, e assim ganha um status absoluto. É um fim em si mesmo.

A Rainha Jezabel representa um passado sombrio da mesma humanidade que o destruiu em outro momento cheio de surpresa e incerteza natural de uma possível batalha.

E lidar com as demandas da vida de um morto , nesse caso um morto bem famoso, fama e passado dinamizam uma linha de interpretação sofisticada ou uma leitura narrativa de fatos bem lacunar.

Temerariamente a soberana dedicou assim um tempo para os desafios concretos da existência como uma partitura musical onde as notas obedecem uma sequência.

Realmente ser uma soberana agregava um conjunto de dúvidas existenciais a pessoa que vinha exercer a função em questão, como no caso unir interesses particulares e visões de mundo.

O momento pedia boas caminhadas possíveis para uma soberana como Jezabel agisse de acordo suas necessidades num longo processo de construção e imaginação pessoal.

Naturalmente as explicações oferecidas pela soberana Jezabel são de fato inadequadas interpretações  ao contexto que estavam assim inseridas como forma de opinião disfarçadas.

O momento exige da rainha Jezabel e  também dimensiona  as realidades conectadas a todos acontecimentos necessários a riquíssimo repertório de experiências acumuladas naturais.
E as explicações oferecidas pela soberana Jezabel são de fato inadequadas interpretações  ao contexto que estavam assim inseridas como forma de opinião disfarçadas.

As verdades que a rainha Jezabel encontra tem belos fundamentos em seus muitos textos e escritos  tem algo a oferecer e a aprender como relevante.

Ironias shakespearianas e cervantinas  á parte, ele sabia como estruturar um modelo de governo possível uma forma de acreditar no modelo criado por seu pai.

Devido sua pouca influência em assuntos cabais  ou ainda governamentais como uma estrutura confiável a si como um governante simplório,  sem disposição para as possíveis novidades.

O momento tinha de ser no mínimo complexo e observado a contento com os detalhes frisados em madeira ou pedra, em baixo-relevo a intensidade era controlável e contornável.

Legalmente tudo era possível, as manobras políticas poderiam ser no mínimo viáveis como um construto comumente usado como um contorno viável numa leitura sombria da polifonia da vida.

Agora o pensamento dele era algo supremamente relevante desenhável em seu cotidiano, como uma soberana bem independente com relação a visões retumbantes de um reino bem definido.

Timidamente Jezabel desconhecia o sistema que defendia e os riscos que corria naquele momento em defende a idolatria e seus luminosos templos, com extensa visibilidade cabal e visual.

Realmente  a soberana Jezabel somente pedia uma criação sombria delicada do destino , o poder também desenvolve uma multiplicidade de dilemas e problemas bem particularizados .

Ironicamente a visão de Jezabel estava bem confusa, como um governante ele se desgasta solidamente seu pouco poder real semelhante ao Rei Lear outra peça teatral trabalhada pelo dramaturgo William Shakespeare em uma boa conexão cheia de singularidade e musicalidade.

Assim a soberana Jezabel compreendeu a dimensão ousada de um jogo de poder simples com acumulação de bens e visões de um mundo complexo e fragmentado como o seu.
JessePensador
Enviado por JessePensador em 14/04/2020
Código do texto: T6916955
Classificação de conteúdo: seguro

Comentários

Sobre o autor
JessePensador
Santana de Parnaíba - São Paulo - Brasil, 36 anos
1352 textos (12976 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 20/09/20 23:32)