Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

o Trono e o Sentido

O momento nos convida a  continuidade a série " Vilões da Bíblia " e a subcategoria " soberanos rebeldes ", nesse momento escrevendo  a  sexta  coluna sobre  a monarca Jezabel  em  'o trono e sentido'.

Temerariamente a soberana dedicou assim um tempo para os desafios concretos da existência como uma partitura musical onde as notas obedecem uma sequência.

Realmente ser uma soberana agregava um conjunto de dúvidas existenciais a pessoa que vinha exercer a função em questão, como no caso unir interesses particulares e visões de mundo.

O momento pedia boas caminhadas possíveis para uma soberana como Jezabel agisse de acordo suas necessidades num longo processo de construção e imaginação pessoal.

Naturalmente as explicações oferecidas pela soberana Jezabel são de fato inadequadas interpretações  ao contexto que estavam assim inseridas como forma de opinião disfarçadas.

O momento exige da rainha Jezabel e  também dimensiona  as realidades conectadas a todos acontecimentos necessários a riquíssimo repertório de experiências acumuladas naturais.

E as explicações oferecidas pela soberana Jezabel são de fato inadequadas interpretações  ao contexto que estavam assim inseridas como forma de opinião disfarçadas.

O momento de meditar sobre os judeus como vilões de si mesmos acabou, agora dando sequência na série "Vilões da Bíblia" e na subcategoria  " estrangeiros rebeldes"  e sobre a rainha Jezabel ".

Sentir  esse conjunto de significados nasce tudo de um rio de incertezas , ele poderia não ser pago, ele poderia sofrer riscos dessa sequência musical.

E lidar com as demandas da vida de um morto , nesse caso um morto bem famoso, fama e passado dinamizam uma linha de interpretação sofisticada ou uma leitura narrativa de fatos bem lacunar.

Naturalmente Balaão traduz uma forma de sabedoria lunar ao dar um rio de conselhos ao rei apavorado , usar ao um diálogo intertextual, o escritor David Foster Wallace via nisso um tipo de franqueza.

Timidamente Jezabel e David Foster Wallace defendem um tipo de franqueza. A sinceridade é um caminho de duas vias. Ser verdadeiro com o outro implica em ser verdadeiro consigo mesmo: é tanto meio quanto fim, e o propósito é a transparência na comunicação.

Ironicamente já a autenticidade pressupõe que ser verdadeiro consigo mesmo prescinde do outro, que serve como plateia de um espetáculo particular.

Diante disso o eu autêntico, soberano e que se deseja (e se enxerga) único, não admite a possibilidade de ser conhecido genuinamente fora de seus próprios limites, e assim ganha um status absoluto. É um fim em si mesmo.

A Rainha Jezabel representa um passado sombrio da mesma humanidade que o destruiu em outro momento cheio de surpresa e incerteza natural de uma possível batalha.
JessePensador
Enviado por JessePensador em 13/04/2020
Código do texto: T6916071
Classificação de conteúdo: seguro

Comentários

Sobre o autor
JessePensador
Santana de Parnaíba - São Paulo - Brasil, 36 anos
1352 textos (13013 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 26/09/20 09:47)