Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto
O FANTASMA DA ÓPERA – UM MITO (05)
            Continuando a transcrição da palestra sobre a obra de Gaston Leroux, O Fantasma da Ópera, feita pela professora Lucia Helena, voluntária da Nova Acrópole, e que está disponível no Youtube, muito útil para nossas reflexões.
            O próximo personagem, Eric, o nome dele significa glorioso, grandioso. Ele é aquele que foi escondido num determinado momento, nos subterrâneos do teatro. Mas você vai contestar, ele era deformado, que tem a ver isso com nosso espírito?
            Existe uma obra indiana, chamada Bhagavad Gita, que ela coloca dois grupos de personagens associadas à juventude e aos vícios humanos. As virtudes são príncipes pândavas e os vícios príncipes kurus. A história é complexa e não quero que vocês entendam isso agora, mas agora eu quero citar para vocês uma passagem desse livro, dessa tradição, onde eles dizem o seguinte: se surgisse um pândava (ser virtuoso) adulto e armado diante de nós neste momento, nós teríamos pavor e sairíamos correndo. O que será que o Bhagavad Gita queria dizer com isso? Imaginem vocês ... é um monstro! Está querendo roubar tudo aquilo que me diverte, tudo aquilo que dá sentido à minha vida. Então me parece desfigurado, parece um monstro. Mas isso não é a sua verdadeira face. A sua verdadeira face é aquilo que ele traz à tona em mim, que é firmeza, harmonia, brilho. Ele ensinou Christine a sentir a música e com isso ela é uma cantora tão brilhante. Mas ela, e todos na sociedade, no confronto, acham que ele é um monstro. Por que? Ele é um rosto que não estamos preparados para ver. Para uma personalidade cheia de vícios e debilidades, ele é uma monstruosidade que é o oposto da morte. Significa a morte de tudo aquilo que ela tem como prazeroso e como estímulo para a sua vida diária. Então, esse é Eric, aquele que vive nas sombras, o de rosto deformado.
            Chego as vezes a me considerar um ser deformado, como esse Fantasma da Ópera. Fiz certa vez um texto nesse sentido, me comparando com o Corcunda de Notre Dame. E por que me sinto assim? Onde está minha deformidade?
            Minha deformidade consiste em amar de forma diferente ao que a cultura defende. Um amor incondicional, um amor sem limites, sem exclusividade. Isso parece um aleijão para quem está acostumado a amar condicionalmente.
            Nessa condição, os meus relacionamentos afetivos são conduzidos. Todas sabem da minha deformidade, porque faço questão de não esconder, de conviver com uma pessoa a iludindo. Não, todas sabem que sou assim deformado psiquicamente, mesmo assim muitas aceitam a convivência, pois afinal, sou tão delicado!
            Esta minha deformidade que acredito ser uma das mais altas virtudes, a prática do amor incondicional, tento fazer minhas diversas companheiras acreditar e também praticar. Mas a feiura do que parece ser monstruoso, frente aos valores culturais, apenas assusta, e um dia, sem mais conseguir suportar, me expulsam de suas vidas.
Sióstio de Lapa
Enviado por Sióstio de Lapa em 25/07/2019
Código do texto: T6704458
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Voce deve sitar a autoria de Sióstio de Lapa e o site http://www.siostiodelapa.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Sióstio de Lapa
Natal - Rio Grande do Norte - Brasil, 66 anos
887 textos (40914 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 19/10/19 02:06)
Sióstio de Lapa

Site do Escritor