Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

RETRATOS da VIDA


Clauder Arcanjo, em suas convivências, encontra a divergência e a diversidade para retratar a vida, no livro Uma Garça no Asfalto. Nas suas palavras,... cronista... deixa-se de viver, passando a ser antena receptora dos causos da vida... Por  uma questão de amor à vida, vamos de catador dos fatos do cotidiano”.

Na obra, a rotina torna sua mente aberta e criativa. Vê tudo ao seu redor e retorna em prosa as suas sensações, passando a impressão de conexão consigo mesmo e com os fatos. Também, enfatiza a importância do seu olhar observador sobre os retratos do viver, ao apontar as diferenças como novos desafios.

“... De repente preso na gaiola do hospital, ouviu o
canto da juriti. Que coisa linda!...”

Uma Garça no Asfalto está escrito em linguagem bem humorada. O autor brinca com as situações ao se deparar com os retratos dos personagens em seus dia a dia, demonstrando em ótimas ideias o que é vivido por eles.

“... É isso! Se não posso correr. Se não posso mais desembestar pelo mundo afora. vou fazer cantos! Versos em Cordel! Versos que vão correr o mundo...”

Clauder traz à tona suas histórias, não como sombras, mas, como lembranças que dão sentido ao viver; como encontramos, por exemplo, n’A Beleza venceu a Física – revelado por ele em perspectiva de humor e n’As Plantadoras de Jornais – em que descreve a importância (e o  inusitado) da divulgação da leitura, permitindo pronunciar o meu encanto pela atitude. Segundo o autor, “... Ler é preciso... Engrandece-nos e faz-nos mais... Quando leio, esqueço o tempo, transponho-me para outro mundo. Coisas da paixão”.

Arcanjo, magicamente, surpreende com a prosa, como o tempo que não volta, deixando na minha mente o revelar da emoção na existência, onde tudo é permitido: o amor, o gesto em seu significado e a sustentabilidade de cada personagem.

“... Pretendia gravar neste branco papel, o azul arco-íris que
habitou minha face, até então cabisbaixa, quando te vi...”

Suas palavras me sustentam no desejar o passar do tempo em imagens reflexivas – o passado no presente – como retratos da vida, o que me leva ao mistério e ao encantamento das histórias.

“... Dirigia-me para o trabalho,... quando um vulto de uma brancura
 ímpar circunvoou sobre meu carro... Parei e refleti
“Uma garça perdida neste mundo de asfalto!...”

Clauder Arcanjo demarca limites nas possibilidades humanas ao retratar suas fronteiras com o cotidiano. Uma Garça no Asfalto traz a vontade de saber “quem é quem” e, assim, descobrir os caminhos na imagem da realização, onde as histórias me permitem refletir sobre “quem somos”.
Tânia Du Bois
Enviado por Tânia Du Bois em 29/04/2015
Código do texto: T5225108
Classificação de conteúdo: seguro


Comentários

Sobre a autora
Tânia Du Bois
Balneário Camboriú - Santa Catarina - Brasil, 63 anos
418 textos (50458 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 20/09/20 13:52)
Tânia Du Bois