Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

AS LEIS (Platão) – Livro XII (tradução de trechos)

Tradução comentada de trechos de “PLATÓN. Obras Completas (trad. espanhola do grego por Patricio de Azcárate, 1875), Ed. Epicureum (digital)”
Além da tradução ao Português, providenciei notas de rodapé, numeradas, onde achei oportuno abordar pontos polêmicos ou obscuros. Quando a nota for de Azcárate, um (*) antecederá as aspas.

“em nada devem nossos cidadãos se exercitar tanto, desde a tenra infância, em tempos de paz, como na aquisição deste hábito, aprendendo uns a mandar e outros a obedecer. É preciso desterrar o sentimento de independência das relações da vida, não só entre os homens, mas também entre os animais submetidos ao homem.”

“Com o mesmo fim em vista é necessário acostumar-se a sentir fome, sede, frio, calor, deitar na cama dura, evitar enfaixar a cabeça e os pés, superprotegendo-os, tornando os cabelos e a pele inúteis; sendo que a natureza no-los deu a fim de proteger essas partes sem ajuda de outros artifícios. Porque, como estão situados nos extremos do corpo, influem sem dúvida, cabeça e pés, na boa ou má disposição, segundo se achem em bom ou mau estado. Os pés foram feitos, mais que qualquer outro membro, para obedecer o corpo, assim como a cabeça foi feita para mandar, afinal nela a natureza colocou todos nossos principais sentidos.”

“Se, conduzido a sua tenda, desarmado, Pátroclo houvesse dado algum sinal de vida, como já sucedeu a inumeráveis guerreiros vencidos em combate, ao mesmo tempo que as mesmas armas do filho de Peleu se encontravam em poder de Heitor, todos os covardes que havia no exército grego teriam tido ocasião de culpar Menécio pela perda de suas próprias armas. Outros há que perderam sua espada e escudo por terem se aventurado precipitadamente em terrenos escarpados, ou por combaterem com demasiado vigor nos mares, ou quando arrastados de sua embarcação pela tempestade, ao caírem n’água e serem arrebatados por correntes agitadas, ou, enfim, noutras mil circunstâncias as quais poderiam ser usadas para justificar esta grave perda, que é motivo de muita difamação e às vezes de calúnia entre os cidadãos, quando exagera-se o efetivamente acontecido.” Para o grego desta época, era pior voltar de um combate vivo e desarmado do que morrer em batalha.

“É impossível ao homem transformar uma coisa no seu contrário como fizeram noutros tempos os deuses, como no caso, p.ex., de Ceneu o Tessálio, que foi transformado pelos deuses de mulher em homem. E, não obstante, se a metamorfose inversa a esta pudesse acontecer (a de homem em mulher), tal seria, de todos os castigos, o mais óbvio para um guerreiro que perdesse suas armas em combate.”

“Pode acontecer que os magistrados, esmagados pelo peso do próprio cargo, sem forças para manter a convicção e a correção, sentenciem de modo injusto ou cometam algo que não lhes seria adequado; por difícil que seja encontrar este homem, é necessário ao Estado investir alguém no cargo de supervisor da conduta dos magistrados, alguém dotado de uma virtude superior. Estes caracteres verdadeiramente divinos devem ser descobertos pelo Estado para que dêem sua parcela de contribuição.” “Somente estes, dentre todos os cidadãos, farão jus a usar uma coroa de laurel. Serão todos sacerdotes de Apolo e do Sol, e a cada ano se elegerá para grande sacerdote o mais digno dentre os sacerdotes do ano anterior. Seu nome será inscrito nos anais e servirá para contar o número de anos enquanto o Estado subsistir.”

“Quando hoje se julga um processo, o legislador [não teria querido dizer juiz?], se possui intuição, sensibilidade e experiência, não exigirá das partes nenhum juramento. Obrigará, tão-somente, a parte acusadora a que ponha por escrito, de modo singelo, os tópicos da acusação; e a parte defensora a que produza da mesma forma suas provas. Seria um desastre se, tendo em vista a quantidade de processos que são suscitados num Estado, não pudéssemos jamais duvidar das acusações que ali são feitas; pois significaria que pelo menos metade da polis é perjura. E mesmo aqueles que não são réus formais comem com os culpados, coabitam e coexistem com eles sem nenhum problema ou peso na consciência!”

“os juízes não consentirão de maneira alguma que se façam juramentos vãos na tentativa do depoente de dar mais crédito às próprias palavras. Também não será permitido dirigir imprecações contra os magistrados e as famílias dos magistrados, nem que os depoentes se degradem em súplicas indecorosas e em lamentações mulheris”

“O efeito natural do comércio freqüente entre habitantes de diversos Estados é introduzir uma grande variedade nos costumes, pois relações de povos estrangeiros entre si sempre acarretam o surgimento de novidades e modas. Este é o maior mal que pode experimentar o Estado governado por leis sábias.”

“é indiferente passar-se por homem de bem ou não perante as demais nações; porque os homens maus e viciosos se encontram tão longe de se enganar quanto à noção que têm da virtude quanto os homens bons; não é porque não se pratica a virtude que não se conhece a virtude. Há nesses tipos tratantes um não-sei-quê de perspicácia acima da média. Mesmo que afundados nos maus costumes, discursam belamente e formam um juízo exato do que é que separa homens de bem dos homens que não são bons.”

“não será permitido a nenhum cidadão com menos de 40 anos viajar ao estrangeiro. E, aliás, que absolutamente ninguém viaje por conta própria, por turismo e curiosidade, mas sempre com incumbências públicas, em nome do Estado, na qualidade de heraldo (mensageiro), embaixador ou simples observador. Mas que não se contem entre as viagens as correrias e expedições militares, porque não o são. Serão eleitos os melhores cidadãos para assistir aos sacrifícios e aos jogos que se realizam longe da polis. Na Pítia quando em honra de Apolo, em Olímpia quando em honra de Zeus, na Neméia e no Istmo (Corinto) em honra a outros deuses do Olimpo. Como nestas ocasiões outros povos terão contato com o nosso, seria inconcebível que fossem eleitos cidadãos não-virtuosos, que nos causassem vergonha e arruinassem nossa reputação ao nos representar. Pois nestas assembléias graves, consagradas à celebração da religião e da paz, deve-se ter uma elevada idéia de nossa república.”

“E essas espécies de embaixadores, quando estiverem de regresso à pátria, farão saber a nossa juventude quão ruins são as leis das demais nações, muito inferiores as nossas.”

“Encontram-se sempre, em meio à multidão, certos personagens divinos, ainda que raríssimos, nascidos em países civilizados ou não, sempre na mesma proporção nos dois casos, e a comunicação com este tipo de espírito é de valor inestimável.”

“O observador, após deter-se em seu trabalho por um período máximo de 10 anos, ao voltar se apresentará ao conselho dos magistrados encarregados da inspeção das leis.” “Se não regressa nem melhor nem pior do que quando fizera a viagem de ida, o mínimo que se faz é agradecer-lhe o zelo pelo bem público.” “Se houvesse motivos para crer que tal embaixador voltara pior do que fôra, aparentando trazer novos conhecimentos que na realidade não tem, este cidadão seria proibido de se comunicar com os outros, jovens ou anciãos, indistintamente. Se então guardasse obediência a esta ordem dos magistrados, deixar-se-á que vivesse em nossa república, doravante como simples particular (não seria mais um cidadão). Mas se ficasse provado, no foro, que tentara introduzir mudanças na educação e nas leis após seu retorno do exterior, condenar-se-o-ia à morte.”

“As oferendas mais divinas são as aves e as pinturas que um artista delas pode fazer um dia.”

“Uma vez que o condenado tenha ofendido os juízes que o condenaram, os ofendidos o entregarão ao tribunal dos guardiães das leis; se condenado por mais este crime, merece morrer, posto que trata-se de atentado contra o Estado e as leis.”

“ATENIENSE – (...) O vulgo imagina que aqueles que se dedicam, auxiliados pela astronomia e demais artes necessárias, à contemplação de objetos mundanos acabam por se fazerem ateus, porque por este método descobrem que tudo o que sucede no mundo real é obra da necessidade, e não dos desígnios da Providência, que tudo conduz ao sumo bem.
CLÍNIAS – Que pensas a respeito, caro Estrangeiro?”

MAGOADO COM ARISTÓFANES

“ATENIENSE – (...) Todos os corpos celestes que velam com seus olhos lhes pareceram cheios de pedras, e terra e outras matérias inanimadas, às quais atribuíram as causas da harmonia universal. Vês tu que é daí que provêm tantas acusações de ateísmo, e isto desgostou muitas pessoas de estudarem os astros. Vês aí a origem das invectivas dos poetas, que compararam os filósofos aos cachorros, por fazerem ressonar seus argumentos como inúteis ladridos. Nada mais infundado que semelhantes injúrias; mas bem vês que hoje todos pensam ao contrário!
CLÍNIAS – Como pensam exatamente?
ATENIENSE – Não é possível que um mortal tenha piedade sólida a respeito dos deuses, caso não se convença da verdade daquilo de que falamos, a saber: que a alma é o mais antigo dos seres que existem via geração, ela é imortal e rege a todos os corpos. Além disso, como já disséramos, há nos astros uma inteligência que dirige a todos os seres.”

“Começaremos pela eleição dos guardiães do Estado, obedecendo aos critérios: idade, nível de conhecimentos, caráter, conduta prática. O que deve saber um guardião da lei? Questão dificílima, posto que acima de nossas competências. Nem mesmo saberíamos fixar em lei, p.ex., o tempo prescrito para se começarem e para se concluírem os estudos de cada ciência indispensável a este cargo. Os próprios estudantes das especialidades das ciências não sabem, eles mesmos, nem podem saber, o tempo necessário para aprendê-las, a não ser que já tenham se tornado mestres.”

“Amigos, como diz o provérbio, nada se fez ainda, e tudo está em nossas mãos; mas, se quisermos arriscar nossas vidas na empresa, a fim de obter, no jargão dos apostadores, seja o pior, seja o melhor dos mundos possíveis,¹ de nada devemos descuidar!”

¹ Optei por uma tradução mais conservadora e descontextualizada, embora Platão realmente mergulhe na metáfora do jogador na acepção de apostador, que, sem garantias, dá seu lance, faz sua jogada e espera pelo tudo ou pelo nada. No caso do texto que encontrei em Azcárate, a referência é ao uso dos dados, jogando-se 3 dados de 6 lados e somando-se o resultado: o número mínimo da jogada (jogada de muito azar) seria 3 (1x3), e o número máximo, ou jogada mais sortuda, seria 18 (6x3). Citar diretamente 3 e 6, como na versão em espanhol (talvez a grega), seria confuso para o leitor, pois não é uma referência muito direta. Mas mesmo “3 e 18”, graduando e facilitando o texto platônico, não faria muito sentido para quem não conhece o hábito dos jogos de azar, e que se jogam nessas ocasiões precisamente três dados, e não dois, nem quatro. Em suma, quem quer ganhar ou atingir a excelência, precisa ter coragem e se dispor à eventualidade da miséria e do fracasso totais. A ciência do Estado (das Leis, na época de Platão) não é uma ciência exata.
Rafael Cila Aguiar, Platão e Azcárate
Enviado por Rafael Cila Aguiar em 25/09/2019
Código do texto: T6753881
Classificação de conteúdo: seguro


Comentários

Sobre o autor
Rafael Cila Aguiar
Brasília - Distrito Federal - Brasil, 32 anos
438 textos (5916 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 30/09/20 16:17)
Rafael Cila Aguiar