Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

NA ÁFRICA CADA VELHO QUE MORRE, É UMA BIBLIOTECA QUE SE QUEIMA

Em algumas sociedades a oralidade desempenha um papel central na preservação e difusão de saberes, como ocorre em algumas sociedades africanas. É o que nos faz lembrar o historiador malinês Amadou Hampaté Bâ: “A fala é considerada como a materialização ou exteriorização das vibrações, das forças... Lá onde não existe a escrita..., o homem está ligado à palavra que profere. Está comprometido por ela. Ele é a palavra, e a palavra encerra um testamento daquilo que ele é. A própria coesão da sociedade repousa no valor e no respeito pela palavra” (Amadou Hampaté Ba, História geral da África, vol. I, capítulo 8). Para saber mais veja http://www.forumafrica.com.br/amadou%20hampat%C3%A9%20b%C3%A2.pdf A oralidade torna-se assim importante fonte histórica e exige técnicas diferenciadas para reconstituição do passado. A figura do ancestral é primordial como guardiã da memória e responsável por ativar o passado às novas gerações: “Desde a infância, éramos treinados a observar, olhar e escutar com tanta atenção que todo acontecimento se inscrevia em nossa memória como cera virgem” (BÂ, Amadou Hampaté. Amkoullel, o menino fula. 2ª. São Paulo: Palas Athenas, 2008.) Em algumas sociedade africanas, como nos ensina Hampaté Bâ, as forças só começam a vibrar através da palavra, que as coloca em movimento. O conhecimento é a própria palavra. É ela que transmite os conhecimentos de uma geração para outra. A fala é a materialização da cadência da palavra atribuída ao ancestral comum, ao mais velho. Deve ser retida com mais cuidado, daí que os mais novos são treinados anos afora na arte da memorização. A autenticidade da transmissão é assegurada pela existência de uma série de normas rigorosamente observadas na chamada cadeia de transmissão. O filme de animação Kiriku e a feiticeira, por exemplo, explora esse aspecto. Em dado momento, o menino Kiriku encontra-se com o avô. Figura ancestral, o avô é o único que sabe os segredos de Karabá, a feiticeira, instruindo o neto a quebrar seus feitiços. Esse fato para o pesquisador é fundamental, pois, quando ocorrem mutações profundas, a análise torna-se vulnerável: pode interromper a cadeia, a segurança nos dados que se torna bem menor. Os mais velhos, aqueles detentores de uma soma de poderes decorrentes do seu conhecimento acumulado, numa sociedade sem escrita, têm funções como a de uma “biblioteca pública”. O ancestral é a referência grupal comum, a tradição viva acrescida em cada novo tempo pela contribuição de cada geração. Em certas sociedades africanas, essa função é exercida pelos griots, contadores de histórias, considerados bibliotecas vivas nas regiões do Mali, Gâmbia, Guiné e Senegal.
nestorfelini e Amadou Hampaté Bâ
Enviado por nestorfelini em 15/08/2017
Código do texto: T6085160
Classificação de conteúdo: seguro


Comentários

Sobre o autor
nestorfelini
Santo André - São Paulo - Brasil, 70 anos
76 textos (54365 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/08/20 03:33)