Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

ROTEIRISTA DE GILMORE GIRLS

Amy Sherman-Palladino (Gilmore talk)

Nossa! Falar de um seriado que a gente simplesmente ama não é tarefa tão fácil, acredite.
Primeiro: a gente acaba sendo suspeito. Segundo: a série talvez não é conhecida no Brasil, e por último: ela teve os últimos episódios gravados em 2007. Sim, ela é antiga, mas atemporal. Por isso estou aqui, mais uma vez, para comentar de Gilmore girls – Tal mãe, tal filha, mas em particular, sobre a criadora da série, a roteirista Amy Sherman-Palladino.

Espia o post antigo no qual apresentei a série:
http://introspectors.blogspot.com.br/2011/04/tal-mae-tal-filha-gilmore-girls.html

Esses dias eu estava comentando com uma amiga sobre seriados que ficam na história, como: Friends, Full house, Seinfeld,  Beverly Hills 90210, dentre outros que foram precursores na década de 90 e que abriram portas para demais sitcoms inesquecíveis e que até hoje são vendidos boxes e reprisados.
Todos acima citados, e como a grande maioria, exageram no clichê, o que nos dá aquela impressão de que já vimos essa história e de que já sei o final.
Com esse todo bla bla bla, na verdade eu quero entrar em um detalhe curioso, e o que me fez admirar demais o trabalho da Amy, em Gilmore girls, porque ela conseguiu criar novos enredos no qual a gente não poderia imaginar, porque não seria exatamente algo televisivo, e foi ai que ela acertou.
Ontem eu terminei mais uma vez de rever a série, e o fascinante, é que você espera um final feliz, desses em que o cara fica com a mocinha, e a filha se forma, tem o emprego dos sonhos e se casa com um ricão.
Errado.
A independência das personagens de Amy é tão verdadeiro, que pode ser parecido com a vida da sua tia solteira, da vizinha namoradeira, ou da prima encalhada.
A personagem de Lorelai, revoltada na forma mais sadia possível, foi criada com muito louvor. E toda a relação dela com seus pais, e com sua filha, é o mais perto do real que eu já consegui ver em qualquer seriado estrangeiro, modinha ou não.
A série em nenhum momento foi corrompida para se adequar a públicos, e isso fez dela um referencial.
A pegada de Sherman-Palladino, que dividia o roteiro juntamente com seu esposo, vem dos textos rápidos, sarcásticos, com drama e comédia juntas. Quando se fala de script que vai abordar um relacionamento entre mãe e filha, logo a gente imagina em algo forçado, cheio de moralidade, aflitos repetitivos e diálogos óbvios demais, porém os textos de Amy são extraordinários, leves, inspiradores, inesperados e super criativos. Sei que ela já trabalhou com textos para o seriado Veronica’s closet e agora está com uma nova série chamada Bunheads, mas confesso que não sei muito sobre eles, e fico até com medo de acompanhar e me decepcionar, porque todo gênio sempre vai ser gênio por algo em específico, sem repetição, e o grande marco dela está ali, nas falas movidas a café das garotas Gilmore.
Quero te convidar a mergulhar em Stars Hollow, mesmo que um pouco tarde, para que possamos tomar um café e conversarmos sobre genialidades como esta, e pegar de exemplo o bom humor das personagens e a independência, de que viver conforme os preceitos da sociedade além de ser chato, é artificial. Libere o que existe dentro de você de mais verdadeiro e seja uma Gilmore girl também!!!!
#Cheers!
Gabriella Gilmore
Enviado por Gabriella Gilmore em 02/05/2013
Código do texto: T4270439
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2013. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Comentários

Sobre a autora
Gabriella Gilmore
Governador Valadares - Minas Gerais - Brasil, 35 anos
448 textos (55396 leituras)
16 áudios (1274 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 28/09/20 16:32)
Gabriella Gilmore