Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

OS FERROVIÁRIOS MOSTRARAM ALTERNATIVAS AO GOVERNO

            Um grupo de jovens ferroviários que entrou na R.F.F.S.A na década de 80 preocupou-se com as instalações seculares da N.O.B./R.F.F.S.A., As condições das linhas, dos vagões, dos trens de passageiros, locomotivas, com a segurança no Trabalho e a necessidade de investimentos e modernização da ferrovia.
           Abriu-se um debate dentro da Noroeste do Brasil envolvendo setores dos trabalhadores veteranos e experiente e jovens trabalhadores ferroviários egressos de Escolas Técnicas e até da Universidade Federal e também os Sindicatos de ferroviários que trocavam informações com outras entidades do Brasil e de outros países, também entrou nesse debate a F.A.E.F. e A.E.C.B. do Rio de Janeiro, O Roque Ferreira de Bauru que foi professor na Escolinha do SENAI/R.F.F.S.A de Bauru assumiu a Presidência do Sindicato de Bauru e Mato Grosso do Sul e Manoel Vitório de Corumbá-MS a Vice Presidencia da Executiva do Sindicato, houve na época um grande avanço na discussão ferroviária da N.O.B. e participamos ativamente da criação do Comando Nacional Metro Ferroviário no Brasil, Mas os planos do Governo Collor e outros governos que lhe sucederam, procuravam sempre ignorar as posições e cobranças dos ferroviários rumo a modernização do Sistema Ferroviário da antiga N.O.B. que era denominada SR-10 e constitui-se em um trecho autosuficiente e rentável da RFFSA até os anos 80, não havia razão para passa-lo a frente ou desfazer-se desta importante e estratégica ferrovia e se fosse feita a privatização,deveriam haver garantias da manutenção do Trem do Pantanal que fazia o percurso diário de Bauru-SP a Corumbá -MS pelo seu importante papel social e pela necessidade da Industria de Turismo do interior de São Paulo, do cerrado e pantanal de Mato Grosso do Sul e para evitar problemas sociais graves,pois mais de 75% dos ferroviários na ativa tinham entre 25 e 30 anos de serviço, demiti-los foi uma tragédia, um verdadeiro crime politico típico de ditaduras.
            Mas o interesse de muitos politicos brasileiros, não era manter a ferrovia e sim propiciar mais mercados a Onibus, caminhões, peças, carros de passeios que aos poucos entupiram as estradas por falta de alternativa de transportes e a destruição quase total das ferrorovias, instalando um clima de guerra e milhares de mortes e tragédias em rodovias brasileiras e prejuízos financeiros bilionários além de perdas de vidas humanas..Os novos ferroviários da década de 80 aliados aos veteranos ferroviários experientes e amantes da ferrovia, fizeram propostas de alto nível e factíveis ao governo brasileiro que ignorou todas as propostas de modernização, investimentos e melhorias na ferrovia e garantia de postos de trabalho e jogou a rua milhares de ferroviários e isso virou uma bola de neve que elevou em dois anos o desemprego a mais de 1.000.000 ( um milhão de desempregados ) pelo efeito dominó da demissão dos ferroviários que afetou muitos outros setores do entorno da atividade ferroviária, talvez tenha sido o estopim para a maior crise de desempego no Brasil que atinge hoje quase 15 milhões de brasileiros e não existe recurso suficiente para dar assistência ou garantir a saúde e vida destas pessoas hoje, dignamente o que agravou também a segurança pública no Brasil.
                Muitos politicos só pensaram nos ricos lobistas internacionais das montadoras que poderiam lhes financiar as Campanhas eleitorais de Presidente, Senadores, Deputados e até Prefeitos e vereadores Brasil afora, pouco se importando com o futuro do Brasil que é o presente que temos.
                 Mais do que uma simples luta contra a Privatização enlouquecida que houve na R.F.F.S.A e garantir emprego aos trabalhadores, os ferroviários que se reuniram em varias capitais e criaram o Comando Nacional , com todas as suas falhas e juventude , e sonhos defenderam os interesses da Republica Federativa do Brasil e de seu povo, seus trabalhadores e fomos as rádios, jornais e canais de televisão que nos abriram as portas na época e deixamos claras as nossas posições e o erro que o Governo Collor e depois FHC e demais governantes que sucederam o "louco Collor" e seu discurso de carrões de luxo e carroça que fez a cabeça de muitos eleitores tontos, estavam cometendo um grave erro,  em prejudicar ou ignorar a importância da ferrovia na composição dos modais brasileiros....Hoje a História e o povo pode nos julgar com tranquilidade e saber que estàvamos mostrando uma realidade e fatos...INFELIZMENTE OS GOVERNANTES DO BRASIL NOS IGNORARAM E PREFERIRAM NOS DISCRIMINAR,DEMITIR E COMPROMETER A ECONOMIA E OS TRANSPORTES NO BRASIL...
               Muitos estragos irreversíveis foram feitos,muitas vidas se perderam desnecessáriamente, mas ainda é  tempo de um Governo e os cidadãos brasileiros repensarem o papel da ferrovia e da integração de modais de transportes no Brasil...sob pena de inviabilizar ainda mais a nossa economia e continuarmos sendo uma nação de crises crônicas.
Manoel Vitorio
Enviado por Manoel Vitorio em 24/09/2017
Reeditado em 24/09/2017
Código do texto: T6123209
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Manoel Vitorio
Campo Grande - Mato Grosso do Sul - Brasil, 62 anos
6122 textos (211838 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 24/10/19 02:20)
Manoel Vitorio