Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O FILME BELLE DE JOUR... OU BELA DA TARDE....


AOS QUE FORAM JOVENS EM 1967... E CURTIRAM CATHERINE DENEUVE... NESSA INTERPRETAÇÃO MAGISTRAL...


Belle de Jour é uma adaptação cinematográfica, realizada pelo cineasta Luís Buñuel, de um romance escrito pelo francês Joseph Kessel. O filme é o maior sucesso comercial da vida de Buñuel ganhando um Leão de Ouro em Veneza.

Nele conhecemos a história de Sevérine, uma jovem burguesa com uma face, que remete aos anjos e ao defunto que morreu recentemente, acompanhada de uma longa cabeleira dourada. Ela é casada há um tempo com Pierre, um médico bem sucedido, que transborda bondade e não lhe desperta nenhum desejo sexual.

Sevérine vez ou outra se perde nos seus devaneios sexuais. Aquele que assiste se perde nos limiares da realidade e do sonho. Para os temerosos foram lançadas versões do filme que os guiam entre essas duas dimensões. Tanto Sevérine e o espectador estão de olhos abertos e perdidos.

Logo no início Buñuel realça o poder hipnótico do cinema através do som da carruagem que vem carregando o casal Pierre e Sevérine por uma estrada interminável. Um convite que empurra sem escrúpulos o espectador desprevenido para o inconsciente. O mesmo som faz recordar o momento da missa católica quando o sino é tocado alertando os fiéis a se ajoelharem para a consagração do corpo de Cristo no pão.

No final escuta-se o mesmo som que leva Sevérine a observar algo na janela. A carruagem percorre novamente pela estrada interminável. Agora vazia, somente com os cocheiros conduzindo os cavalos. Onde está Sevérine? Onde está o espectador? Este último mesmo quando os créditos começam a subir continua preso, em transe. Ele não sabe definir o final da história.

Sabe-se que não é a jovem que narra, pois Buñuel, em sua autobiografia Meu último suspiro, relembra que os perversos não gostam que suas perversões se tornem públicas. Que seus segredos venham à tona.

As perversões de Sevérine são expressas em seus sonhos, onde aparece um Pierre que satisfaz seus desejos, e posteriormente quando ela se torna Belle de Jour. Após ouvir amigos comentarem sobre Henrieta, uma mulher da sociedade que passa a se prostituir, e após perguntar indiferente ao marido sobre esses lugares clandestinos com luzes vermelhas, Sevérine chega ao prostíbulo de madame Anais. Neste momento quando sobe as escadas em direção ao apartamento surgem imagens que supostamente indicam um despertar da consciência e que revelam na verdade algo que foi construído culturalmente na mente de Sevérine e do espectador. Tentam impedir que Sevérine e a imaginação avancem em uma direção obscura que caminha para as profundezas do inferno. Prosseguir subindo os degraus significa romper com os bons costumes adquiridos durante toda a vida.

Enganam-se quem espera um lugar onde há mulheres nuas vendendo sexo como se vende carne nos açougues. Uma casa discreta, um ambiente aparentemente familiar onde até uma pequenina garota circula. O lugar onde Sevérine busca satisfazer seus desejos oferecendo sexo aos homens todas as tardes até as dezessete horas.

Poderia se dizer o quanto Sevérine é severa com seu bondoso marido ou o quanto a sociedade é severa com Sevérine. Ou ainda poderia se dizer apenas que não há motivo para preocupações afinal as meretrizes acompanharam durante séculos o desenvolvimento e a constituição da sociedade.

A verdade é que Sevérine parece se aproximar de Pierre e a entendê-lo. O desenrolar da história, porém impede que isso se realize plenamente do mesmo modo que não é mais permitido a Belle de Jour trabalhar todas as tardes até dezessete horas e satisfazer os devaneios sexuais da jovem Sevérine.

E não importa os motivos que a levaram bater na porta do prostíbulo de madame Anais.Nem mesmo Sevérine sabe. Ela não estava ali pela frigidez existente em relação ao seu bom marido que lhe dá beijo de boa noite, que compreende a esposa e não liga se eles dormem em camas separadas. Assim como não há importância o conteúdo da caixa que o asiático mostra para as outras prostitutas deixando-as aterrorizadas ao contrário de Belle de Jour que demonstra interesse.

Passa-se quinze minutos e começam a organizar a sala para a próxima sessão quando a faxineira toca com uma de suas mãos, de calos e envelhecida não pelo tempo mas pelos produtos que conferem mais brilho onde trabalha, no espectador que permanece com um olhar atento e distante. Ele desperta e vê que está atrasado para um compromisso. Não há estresse em seu rosto que continua dopado pensando não apenas na carga erótica do filme que acabara de assistir e também nas suas tentativas frustradas de inserir linearidade na historia da sensual Belle de Jour.
Ivan o terrivel
Enviado por Ivan o terrivel em 16/12/2018
Código do texto: T6528362
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Ivan o terrivel
São Paulo - São Paulo - Brasil, 73 anos
2924 textos (35559 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 24/03/19 02:09)
Ivan o terrivel