Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Análise Literária do soneto - OPHÍDIA - de EDNA FRIGATO

"Vives de crenças mortas e te nutres, empenhada na sanha dos abutres, num desespero rábido, assassino..."
(Augusto dos Anjos)

OPHÍDIA

Sua funesta fome aumenta com a desgraça
Semelhante a um monstruoso feto anti-humano
Gestado na entranha do deserto saariano
Vergonha às futuras gerações de nossa raça

És mensageira-mor do  infortúnio mau augúrio
Tens na língua bifurcada  de ophídia medonha
A peçonha maligna de todas as peçonhas
Como um legado negro recebido do espúrio

Vive em estado incessante de alerta, bastarda!
Rastejando entre as tenebrosas sombras, aguarda
A fatídica ordem do teu mestre -  o diabo -

Juras vingança e, no fastígio da incoerência,
Giras em torno de si mesma: total demência!
Desesperada, tenta morder o próprio rabo!

EDNA FRIGATO

+++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++


Não é por empolgação. Mas por estranhamento, espanto e surpresa que essa Estética da Recepção elege agora OPHÍDIA como o soneto-estandarte do Clube dos Anjos. Sua poderosa linguagem literária torna a palavra-espada mortal na primeira estocada, imagine então no esquartejamento em 14 fatias. A poetisa Edna Frigato já nasceu Ronim - uma samurai sem mestre ou com mestre póstumo. Mas sei que o poeta do Átomo e do Cosmo também assinaria embaixo dessa Obra de Arte. Nesse sentido, tal Receptor das Literaturas de Rupturas já experimentou da afiada lâmina frigatiana em outras incursões poética não menos reveladoras.

OPHÍDIA mantém o eixo sintagmático definidor do objeto em pauta alicerçado por um conjunto de paradigmas majoritariamente composto por adjetivos tão venenosos quanto reais. E tais metáforas jamais serão rebaixadas a hipérboles passionais porque há perfeita simetria entre significante e significado nesse exuberante universo conotativo. No entanto, o que mais desperta a atenção do leitor não é o silêncio dos cortes imagéticos, mas o seu ordenamento concatenado em fases do enredo:

Apresentação - é a fase em que a narrativa detalha características do objeto examinado. Ela tangencia as duas primeiras estrofes. "(...) monstruoso feto anti-humano". E destinado a desgraçar sua prole: "(...) vergonha às futuras gerações de nossa raça". Sua presença pressupõe mazelas: "És mensageira-mor do infortúnio mau augúrio". E finalmente, o monstruoso retrato-falado é finalizado nos dois últimos versos do segundo quarteto: "A peçonha maligna de todas as peçonhas / Como um legado negro recebido do espúrio". A segunda parte, nesse caso específico, aglutina segunda e terceira fases:

Complicação/Clímax - são as fases da narrativa em que a relação tensa entre objeto examinado e examinador atinge um ponto nevrálgico. O ápice de um conflito inconciliável carimbado de maneira clara e evidente pelo sintagma caracterizador: "bastarda!". O tom exclamativo sugere ao declamador do soneto um grito inumano para acordar o improvável leitor que, nessa oratória poética, esteja no décimo terceiro sono. É finalizado então o clímax quando o eu-lírico denuncia que o diabo é o mestre de sua antagonista pronta pra dar o bote: "Vive em estado incessante de alerta, (...)".

Já o Desfecho - última fase do enredo- descreve o caótico destino do arauto luciferiano: "Giras em torno de si mesma: total demência / Desesperada tenta morder o próprio rabo!". O epílogo dessa camuflada narrativa ensina que o ódio destilado contra o odiado se volta contra o próprio odiante. Mesmo sendo uma narrativa em terceira pessoa - teoricamente isenta de emoções - o texto transbordou por todo o eixo sintagmático sua marca ideológica assumidamente contrária ao letal ser rastejante. Mais uma vez, a poetisa Edna Frigato, serpenteando sua palavra-espada e na velocidade imposta por movimentos-ninja, retalhou o objeto examinado num curto baile de quatorze versos cronometrados.

OPHÍDIA é um soneto bárbaro! Não só na força ofensiva de sua linguagem, mas também na métrica (todos os versos possuem treze sílabas poéticas). E esse poema sim, ratifica a Recepção, é o soneto-estandarte do legado poético de Augusto dos Anjos. Edna Frigato então é uma espécie de curadora da escatológica linguagem maldita de nosso pré-modernista maior. Esse estilo poético não cansa de fascinar seus leitores/escritores. E essa intensa interação literária (as obras e os comentários dos Recantistas) revela uma permanente troca de conhecimento humano. Tal ganho empurra prestígio, carisma e vaidades para junto dos seres rastejantes e invejosos. Portanto, os valiosos comentários de poetas e escritores são como as esplendorosas cachoeiras que nos refrescam e formam no alto um belíssimo arco-íris literário. Parabéns, poetisa! E também dou meu Parabéns a todos os poetas e apaixonados por Literatura do Recanto das Letras.

Por RENATO PASSOS DE BARROS em 30/05/2016
RENATO PASSOS DE BARROS
Enviado por RENATO PASSOS DE BARROS em 04/06/2016
Reeditado em 29/10/2016
Código do texto: T5657497
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2016. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Comentários

Sobre o autor
RENATO PASSOS DE BARROS
Brasília - Distrito Federal - Brasil, 48 anos
167 textos (16427 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 16/05/21 00:02)
RENATO PASSOS DE BARROS