Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Correspondente estrangeiro

CORRESPONDENTE ESTRANGEIRO
Miguel Carqueija


Resenha do filme “Foreign correspondent” (Correspondente estrangeiro) – Estados Unidos, 1940). Produção: Walter Wanger. Direção: Alfred Hitchcock. Roteiro: Charles Bennett e John Harrison. Diálogos: James Hilton e Robert Benchley. Múysica: Alfred Newman. Fotografia: Rudolpr Maté A.S.C. Efeitos especiais: William Cameron Menzies.
Elenco: Joel Mc Crea, Loraine Day, Herbert Marshall, George Sanders, Albert Basserman.


Curioso “thriller” de espionagem em preto-e-branco e clima “noir” à Fritz Lang ou Orson Welles, realizado pelo mestre do suspense Alfred Hitchcock em associação com o conhecido e competente produtor Walter Wanger. A história deve ter sido feita a toque de caixa, pois Hitchcock, então um conhecido diretor do cinema inglês, viera para os EUA em 1939, contratado por David O. Selznick, que logo parece ter-se aborrecido com ele e o “emprestou” a outros produtores, como Wanger e Pandro S. Berman.
O enredo em questão mostra um jovem repórter norte-americano de um jornal curiosamente chamado “O Globo”, Johnny Jones (Joel Mc Crea) que é enviado para a Inglaterra para averiguar a verdadeira situação do continente europeu, diante dos rumores de guerra iminente. Portanto a história se passa em 1939 e a película é de 1940. Usando o pseudônimo de Huntley Haverstock o repórter-detetive faz amizade com a atraente Carol Fisher (Loraine Day) e seu pai Stephen Fisher (Herbert Marshall), que estão à frente de uma organização pacifista. Testemunha o assassinato de Van Meer (Albert Basserman), líder político holandês, para em seguida descobrir que o verdadeiro Van Meer estava vivo e fôra sequestrado, tendo morrido um sosia em seu lugar.
Há cenas de gato-e-rato muito bem elaboradas, como a do moinho ou quando Johnny é acompanhado em suas andanças pelas ruas de Londres por um suposto detetive encarregado de protegê-lo mas que na verdade é um assassino profissional encarregado de matá-lo. Ocorrem diversas reviravoltas na trama e logo os espectadores descobrem que nem todos os personagens são confiáveis. O que talvez não convença muito é o romance que ocorre, aliás isso era um padrão comum em Hollywood em qualquer tipo de situação ou gênero, com exceção de documentários e filmes de terror...
Não é uma obra maior de Hitchcock mas pode ser visto com atenção e interesse e apresenta cenas e enquadramentos de muita qualidade.

Rio de Janeiro, 10 de maio de 2017.
Miguel Carqueija
Enviado por Miguel Carqueija em 11/05/2017
Código do texto: T5995655
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Miguel Carqueija
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil, 68 anos
1491 textos (65611 leituras)
39 e-livros (3756 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 30/05/17 04:19)
Miguel Carqueija