Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Este tópico de ACENTUAÇÃO GRÁFICA que os docentes relutam em obedecer.



                         Como é de conhecimento público, a mais recente REFORMA de nossa língua introduziu uma série de alterações (algumas das quais discutíveis) que, por lei, já deveriam estar em plena vigência.

                          Mas, por motivos que não nos é dado a conhecer, na parte da Reforma que trata da ACENTUAÇÃO DAS PALAVRAS, um de seus casos que passou a viger NÃO VEM SENDO APLICADO por expressiva maioria do professorado dessa disciplina.

                          Por consequência, os alunos continuam a cometer ERRO ORTOGRÁFICO quando do emprego de palavras que se enquadram no caso de que trata a nova regra.

                          Trata-se do caso da "acentuação OBRIGATÓRIA das formas verbais de PRIMEIRA PESSOA DO PLURAL   N O    P R E T É R I-
T O  daqueles verbos em que SÃO IGUAIS tanto a forma no presente do indicativo como no pretérito perfeito". No caso, A FORMA VERBAL A SER ACENTUADA É A 1A. PESSOA DO PLURAL NO PRETÉRITO PERFEITO.

                           Para um melhor entendimento, listamos alguns dos  verbos de nossa língua, nos quais ocorre esse fenômeno :

 NOME                    1A. PESSOA DO          1A. PESSOA DO
 DO                        PLURAL (Indica-          PLURAL (preté-
 VERBO                   tivo presente)             rito perfeito)
                          (NÃO ACENTUADA)        (A SER ACENTUADA)

Ganhar                   ganhamos                  ganhámos
Falar                      falamos                     falámos
Abordar                  abordamos                 abordámos
Gritar                     gritamos                    gritámos
Perdoar                  perdoamos                 perdoámos
Informar                 informamos               informámos
Engordar                 engordamos               engordámos]
Parar                      paramos                    parámos
Rezar                      rezamos                    rezámos
Sofrer                     sofremos                   sofrémos
Vender                    vendemos                  vendémos

                            Há que se enfatizar que isso que, para nós - brasileiros - é uma alteração com relação ao que escrevíamos antes da Reforma, já é prática normal no português praticado em Portugal.

                            Queremos crer que essa relutância dessa maioria docente para a aplicação dessa nova norma se deve à possibilidade de eles considerarem "estranha" tanto a forma gráfica da palavra bem como a mudança na pronúncia da palavra : a oralização do (até antes da Reforma)  tom nasalizado para a penúltima sílaba dessas formas verbais de pretérito.

                            De qualquer forma, fica aqui o nosso registro crítico do problema.
pedralis
Enviado por pedralis em 05/09/2017
Código do texto: T6104981
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
pedralis
Salvador - Bahia - Brasil
3724 textos (4071346 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 23/09/17 18:49)
pedralis