Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Pensando sobre os sapatos...

Os sete sapatos (sujos!) da modernidade, segundo Mia Couto, foram citados na crônica Selecionando, de Maria Olimpia Alves de Melo, muito boa, por sinal. Aqui vão eles:

1- Os culpados são sempre os outros, nós somos sempre as vítimas.
2- O sucesso não nasce do trabalho.
3- Quem critica é  inimigo.
4- Mudar as palavras muda a realidade.
5- É vergonhoso ser pobre e é preciso cultuar as aparências.
6- A passividade frente às injustiças.
7- Para sermos modernos temos que imitar os outros.

Muito interessante e, agora, minhas ‘matutações’:

1- Os culpados são sempre os outros, nós somos sempre as vítimas.
Somos tanto mocinhos quanto bandidos, disto ninguém se livra.

2- O sucesso não nasce do trabalho.
Enquanto você pensa assim, sigo trabalhando. Quem sabe não nos cruzamos nalgum sinal fechado por aí, mais adiante, como compôs Paulinho da Viola:
“Olá, como vai?
Eu vou indo e você, tudo bem?
Tudo bem eu vou indo correndo
Pegar meu lugar no futuro, e você ?”
Quem cantará o quê no futuro depende da sua decisão no agora.

3- Quem critica é inimigo.
Todo amigo é um inimigo em potencial e quem não critica, geralmente é porque não se importa ou se importa muito e quer ver a pessoa ou coisa estacionar.

4- Mudar as palavras muda a realidade.
Pode mudar sim, para pior! Será que o politicamente correto vai ser capaz de dar um jeito nas injustiças? Creio que não, mas até deixo que tentem me convencer do contrário.

5- É vergonhoso ser pobre e é preciso cultuar as aparências.
Desde quando saco de vento se sustenta só, principalmente em vendaval? Riqueza sem virtudes, pouco vale e, quanto às aparências, uma vez mortos somos todos iguais. Pra quê, então desperdiçar a curta vida com preocupações inúteis? Vergonhoso é fugir da realidade.

6- A passividade frente às injustiças.
Fazer nada já é fazer alguma coisa.

7- Para sermos modernos temos que imitar os outros.
Ao invés de perguntar o que os outros têm que eu não tenho, antes sempre me perguntei o que eu tenho, que ninguém mais tem, e aí invisto. Cada pessoa é original, só que muitas delas nem sonham com isto!

Pensando também a respeito, compartilhe. Um abraço fraterno!

Helena Frenzel
Enviado por Helena Frenzel em 12/03/2011
Reeditado em 12/03/2011
Código do texto: T2843166
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Para ter acesso a conteúdo atual aconselha-se, ao invés de reproduzir, usar um link para o texto original.). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Helena Frenzel
Alemanha
487 textos (36092 leituras)
47 áudios (2336 audições)
45 e-livros (1920 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 25/09/17 08:40)
Helena Frenzel