Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

No Restaurante - O Show da Vida

É bem capaz de você não acreditar se eu disser logo quem sou, portanto nem vou me dar ao trabalho de me apresentar. Começo logo contando a minha história, isso sim, que é bem mais interessante.

Veja bem: este é meu primeiro dia no restaurante. Estou curioso, curioso... Se tem uma coisa que aprendi num dos tantos lugares por onde passei foi sempre antes de começar uma história dizer: “Meninos, eu vi!”. E vi mesmo! Sim, já vivi com gente culta (e louca) por aí... Aprendi muita coisa interessante, interessante...

“Meninos, eu vi!”... “Meninos, eu vi!”

De meu canto cativo me pus a observar as pessoas sentadas às mesas próximas a mim. Na primeira delas, logo à minha esquerda, rente à parede, uma família com uma criança pequena, ainda de colo, sentada numa dessas cadeirinhas de bebê. Pelas roupas, bem podia ser um menino. Se bem que hoje em dia... Sei não, sei não... tudo é mais difícil nos dias atuais. Procurei um brinquinho que fosse... Hum, mais complicado ainda! Tinha um negocio brilhando num dos lados do nariz... O que seria aquilo, meu Deus? Um pier... pier... piercing! Ah, sim! Parece que é assim que chamam essas bolinhas. Aproximei um de meus ouvidos para captar um pouco do que diziam:

A mulher resmungava:
-- ... sozinhos não podem, mas se os menores estiverem acompanhados dos pais então é permitido, oras!
E o homem, que devia ser o marido, tentava interpelar:
-- Mas querida, você não acha que ELE -- Ah, eu sabia! Era um menino! Era um menino!, pensava eu -- ainda é muito “verdinho” para essas coisas?
E a mulher devolveu:
-- Que verde que nada! Certas coisas quanto mais cedo se aprende na vida melhor! -- e virando-se para a criança, falou com voz esganiçada: -- ô meu Bilu-Bilu... olha e aprende direitinho, viu? Nada de ficar dando ouvidos ao seu pai -- e olhando cinicamente de volta para o marido, acrescentou: -- ... que sobre esses assuntos ainda tem mais é muito o que aprender, viu?!
-- Ah-ah! Ta-ka, Ta-ka! Dá-dá-dá... -- contribuiu o pequeno.

Lá vinha o maître acompanhando um casal de idosos para ocupar a mesa ao lado desta família, que até agora estava vazia:
-- Por aqui, por favor -- dizia o maître com um sorriso “de plástico” (moldado na cara dura caiada de pó branco) ao mesmo tempo em que puxava a cadeira para a senhora fina e elegante sentar-se.
-- Oh, obrigada! Mas que gentileza... Essas coisas não se vêem mais com freqüência nos dias de hoje, não é mesmo, Harry? -- falou para o acompanhante, fazendo biquinho e piscando os olhinhos de boneca.
-- Querida, não exagere... -- disse o homem com cara de “bundão”.
-- O que vai ser para beber? -- perguntou solícito o maître caiado.
-- Água mineral para a senhora e para mim a carta de vinhos, por favor -- solicitou o tal do Harry.
-- Como assim “água para a senhora e vinho para mim”, Harry? -- foi logo atalhando a velhinha.
-- Eh... Hum...senão vejamos... um de nós dois tem que dirigir, minha querida... – falou o bundão, entre dentes, sorrindo para o maître, que conservava ainda no rosto o inabalável sorriso de plástico, ao mesmo tempo em que apertava a ponta do sapato da mulher por baixo da mesa, ao que ela fez um: -- “Oh!” -- e continuou com cara de boneca de vidro:
-- É isso mesmo... você tem razão, querido. -- e olhando para o maître caiado, completou: -- A carta de vinhos, por favor...
-- Oui, Madame! -- respondeu o afetado maître, retirando-se discretamente. Outros clientes aguardavam para serem atendidos, e com aquela mesma atenção.

Foi só o tempo do maître se retirar e os finos velhinhos começaram a vociferar, baixinho, um pro outro, palavras de baixo calão. Xingavam-se (discretamente) em Bananês, imaginando que ninguém estaria por ventura entendendo o que diziam. He he he he... Eles estavam bem equivocados se pensavam que eu não entendia os “velha filha da piii...” e “velho pinguço” dentre as mais leves das expressões que ali pipocaram.

Então as luzes foram se apagando devagar. Parece que haveria um show.

Oba! Ia ter show, ia  ter show!!

Daí iluminaram uma cama quadrada, coberta de lençóis pastel, e colocada bem no centro do salão. Entrou um casal. Deviam estar usando uma dessas roupas coladas, mas tão coladas, do tipo que apelidam de “segunda-pele”. Devia ser isso, pois olhei para o “bush” da mulher e não vi nada, nadinha... Aí olhei para o do homem: também não vi nada balançando... Acho que tinha que ser mesmo essas roupas de bailarinos para encobrir “o bush” e "os balangandãs", e deixar o resto à mostra. Sim, os outros músculos e detalhes dos dois corpos dava para ver muito bem. Quando eles entraram ouvi uma "falsa" salva de palmas e uma voz dessas do tipo que comanda programa de auditório classe B, vinda não sei de onde, enchendo o lugar com a frase de apresentação:

                 “We love to entertain YOU!!”

Aí os dois atores começaram a atuar.

Na mesa à minha direita estava um casal jovem. Eles riam e aplaudiam. Pouco depois que o show começou, a jovem disse:
-- Ha-ha-ha! Mas o que é isso mesmo que eles estão apresentando?
-- Pssit! – atalhou o jovem, simulando um pedido de silêncio -- Não está vendo que estão fazendo “Arte”?
-- Tem certeza? -- perguntou a jovem ingenuamente -- Eu achava que isso aí tinha outro nome...
-- Quieta, quieta! Vamos assistir...

É, esse mundo nosso é cheio dessas coisas assim, insólitas...

Nisto, chegaram novos clientes. Desta vez, duas mulheres. Ocuparam a mesa no centro, bem à minha frente. Eu e uma das mulheres então fizemos contato visual. Ela me olhou, ela me olhou... e eu olhei para ela e eu olhei pra ela... Ela falou para a companheira:
-- Olha, Teresa, que surpresa legal! Veja só o que temos por aqui. -- E começou a conversar comigo numa das línguas que eu compreendia muito bem. Estranhamente era a minha língua nativa.
-- Ah, você vem do Brasil, não é mesmo? Eu também. Prazer em conhecê-lo, meu nome é Mariana. Eu tenho medo de cobras. Quanto a outros bichos... tenho nada contra não! E você?

Ainda deu tempo de eu virar meu ouvido para a mesa dos velhos e ouvi-los cochichar:
-- Harry, porque será que a mulher da mesa ao lado está fazendo “Loro, currupaco, papaco, paco, paco, loro, loro...” ?
-- Ah, vai ver ela está imitando o papagaio...
-- A troco de quê alguém se propõe a imitar um pássaro, e num restaurante?
-- Sei lá, querida... Cada louco com a sua mania, não é mesmo? Vai ver eles se entendem... O papagaio parece até que está respondendo...
-- Se entendem?! O que é isto, Harry, onde já se viu animal falar com gente? Eu, hein, que coisa mais sem-pé-nem-cabeça... E o que dizer de toda essa história de Evolução, hein, hein?

E o velho disse, em Bananês:
-- Cala a boca, Harriet, presta atenção no SHOW...

E eu, de lá do meu poleiro, cumprindo a minha função:
-- Presta atenção no show!! Presta atenção no show!! We love to entertain YOU!!

                                           *  *  *


Nota da autora:
Querido leitor, por favor não pense que enlouqueci. Quando o escritor passa muito tempo sem poder escrever -- porque anda ocupado com outras coisas, por exemplo -- é nisso o que dá... Releve, pois estou mais é afim de brincar. Se eu consegui lhe fazer sorrir -- contando que não seja um sorriso de plástico -- já vou ficar é muito feliz!

Um abraço fraterno :-)
Helena Frenzel
Enviado por Helena Frenzel em 23/09/2009
Reeditado em 31/12/2009
Código do texto: T1827024
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (você deve citar autoria de Helena Frenzel e usar um link para o site original). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Helena Frenzel
Alemanha
487 textos (35977 leituras)
47 áudios (2322 audições)
45 e-livros (1909 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 27/07/17 05:41)
Helena Frenzel