Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Análise de "Uma História do Mundo" escrito por David Coimbra

Terminei de ler há alguns dias, um livro que ganhei de presente a muito tempo, mas o coloquei em minha singela biblioteca pessoal para lê-lo posteriormente e acabei demorando mais do que planejava, mas enfim, o livro é: Uma História do Mundo, escrito por David Coimbra.

Caso alguém esteja almejando ler este livro, aqui está minha opinião.

O livro é muito bom no que diz respeito a dados históricos. Nota-se que o autor leu, estudou e pesquisou muito antes de escrevê-lo. O autor também expõe as fontes de onde tirou as informações que colocou no livro, o que acho muito bom e, de fato, não é muito comum em livros desse tipo. Assim sendo, parabenizo o autor pelos estudos, pela pesquisa realizada e por mostrar as fontes.

Porém, como crítica, digo que o autor possui uma escrita que me parece imatura. Ele usa uma linguagem comum e fácil ao longo da maior parte do livro, porém em alguns momentos da narrativa ele coloca palavras rebuscadas e fora de um colóquio cotidiano, por exemplo: na página 7, o autor narra o seguinte "[...] Mas como foi que derrotamos os neandertais? Trata-se de profundo mistério. Eles tinham tudo para nos vencer. Nós, que digo, somos os sapiens sapiens, os "homens duplamente sábios". Verdade que fomos nós mesmos que nos pespegamos esse nome [...]". Repararam no "pespegamos"? Não é muito comum né? Não parece uma palavra desconhecida em meio a muitas conhecidas, por assim dizer?

Depois, na página seguinte, ele repete o feito, "[...] peles claras absorvem melhor os raios de sol, providencial para quem vive em lugares frios como a Alemanha, onde foi descoberto o primeiro esqueleto neandertal, mas um problema se você precisa viver a vida praiana sob uma canícula de 40ºC [...]" Viram de novo? Canícula? Pois bem, ele faz isso ao longo do livro inteiro. Tive a impressão de que o autor, enquanto escrevia, tentava encontrar palavras incomuns e rebuscadas com o intuito de parecer culto, mas as adicionava ao texto conforme as lembrava, ou seja, esporadicamente.

O autor também demonstra desprezo pela religião cristã. Se não me falhe a memória nesse momento em que escrevo esse texto, em todas as vezes em que mencionou algum personagem ou acontecimento bíblico, o fez com ironias, com deboche e sempre tentando dar um ar cômico aos personagens e às histórias. Um exemplo evidente disso, é quando o autor narra o acontecimento bíblico sobre Lot e suas filhas. "[...] Aí, no escuro da caverna, dá-se um incidente extraordinário que é tratado com inexplicável naturalidade pela Bíblia. Como não havia homem pelas imediações, as filhas de Lot traçaram um plano: embriagaram o pai e, de acordo com o autor, "dormiram" com ele, primeiro a mais velha, depois a mais nova, uma noite depois da outra. Cada uma gerou um filho: Moab, o pai dos moabitas, e Bem-Ami, pai dos amonitas. Um terrível caso de incesto, mas nem a Bíblia nem o Senhor tecem considerações a respeito. [...]" Ou seja, aqui, David Coimbra demonstra seu desprezo e desrespeito pela cultura religiosa cristã, através de uma análise rasa, superficial e medíocre de uma situação que não compreende o seu verdadeiro significado. Aliás, David Coimbra não está sozinho quanto a isso, muitas pessoas que não compreendem a Bíblia e tampouco a fé cristã se utilizam de argumentos como, comicidade, ironia e deboche para referir-se a inúmeros personagens e acontecimentos bíblicos.

A meu ver, utilizou trechos de livros de outros autores, em demasia. Não precisava ter dedicado tantas páginas a esse trechos. Isso passou a legítima impressão de que o autor queria que seu livro tivesse mais páginas do que seu conteúdo intelectual lhe permitia escrever, logo, optou por utilizar páginas inteiras de livros alheios para fazê-lo.

Também tive a nítida impressão de que o autor utilizou algo em torno de 70% do livro para falar sobre o Egito. Sei bem que o Egito teve uma importância ímpar na história da civilização humana, logo, já esperava ler muita coisa sobre este país em um livro intitulado "Uma História do Mundo", porém entendo que o autor poderia ter feito maiores "links" com o mundo contemporâneo através da perspectiva histórica de como o Egito surgiu.

Enfim, se eu tivesse que recomendar o livro, o faria, porém, apenas como fonte de pesquisas e informações sobre a história, mas não como análise histórica. Isso, pelo simples fato de que análise histórica sobre qualquer coisa, precisa ser imparcial e fria, o autor deve sempre tratar as fontes históricas com imparcialidade e frieza, mas David Coimbra passou muito longe disso ao escrever esse livro.
Thiago Costa Reis
Enviado por Thiago Costa Reis em 12/10/2017
Reeditado em 15/10/2017
Código do texto: T6140450
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Thiago Costa Reis
Gravataí - Rio Grande do Sul - Brasil
2 textos (28 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 17/10/17 04:03)
Thiago Costa Reis