Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

DEZ LIVROS INDISPENSÁVEIS NA LITERATURA BRASILEIRA

                LIVROS CLÁSSICOS DA LITERATURA BRASILEIRA

     Pesquisando em alguns sites, consegui elaborar uma lista de dez livros fundamentais, essenciais e imperdíveis da nossa literatura brasileira. Que romance, crônica ou conto você não pode deixar de ler na sua vida? A exemplo de Dom Casmurro, Macunaíma, Grande Sertão: Veredas... entre outras grandes obras clássicas. Sendo assim, vejam a seguir um ranking dos livros mais importantes do Brasil (segundo minha opinião) com suas respectivas sinopses.

1 - Dom Casmurro (1899)

     Talvez seja uma das mais importantes obras literárias sobre adultério já escrita. Machado de Assis fez do triângulo amoroso Bentinho-Capitu-Ezequiel o maior dos enigmas da literatura nacional. O romance é narrado em primeira pessoa por José Bento, o Bentinho (apelidado, na velhice, de Dom Casmurro, por viver recluso e solitário), que tenta reviver emoções afetivas com o objetivo de reconstituir o passado e sua história amorosa com Capitolina (apelidada Capitu). Torturado pelo ciúme, por não saber se Capitu havia ou não o traído com o amigo Escobar, Bentinho não consegue mais suportar a presença da mulher e do filho Ezequiel. Decide, então, separar-se deles.
     Em seguida, faz uma viagem com a família à Europa, onde ficam Capitu e Ezequiel. Bentinho volta sozinho ao Brasil. Após alguns anos, Capitu morre, sem ter retornado ao País ou revisto o marido. Ezequiel, já moço, faz uma única visita ao pai, morrendo pouco depois numa viagem de estudos ao Oriente. Bentinho, já velho, fecha-se cada vez mais na sua vida solitária, quando passa a ser chamado de Dom Casmurro. É nessa fase que decide escrever a história de sua vida.

2 - Macunaíma (1928)

     Impressionante alegoria sobre o Brasil, “Macunaíma” foi escrita por Mário de Andrade e se tornou uma das obras mais representativas obras do Modernismo brasileiro. Desenvolvido como uma rapsódia, ele mostra a viagem pela cultura nacional e o encontro de Macunaíma, o herói sem caráter, com a cidade, as prostitutas, o mulato, o gigante capitalista e personagens míticos e históricos.
     Na obra, Mário de Andrade procura estudar a identidade do Brasil a partir do olhar de um personagem híbrido que mistura aspectos da criança e do adulto. “Macunaíma” revela as contradições da formação cultural brasileira, ao mesmo tempo em que mostra a integração entre as raízes de nossa cultura, o progresso e as influências estrangeiras, numa fusão de primitivismo e modernidade.

3 - O Tempo e o Vento (1949 - 1962)

     A trilogia escrita por Érico Veríssimo é composta dos volumes “O Continente” (1949), “O Retrato” (1951) e “O Arquipélago” (1962). Neles é contada a saga da família Terra-Cambará, tendo como pano de fundo a história do Rio Grande do Sul no período de 1745, época das missões jesuítas, a 1945, com o fim da ditadura de Getúlio Vargas.
     É dessa narrativa que mistura ficção e fatos históricos que surge o lendário Capitão Rodrigo, um dos mais conhecidos personagens da literatura brasileira. Considerado o primeiro grande romance histórico latino-americano, ele virou um paradigma literário ao apresentar as trajetórias das diferentes classes sociais, a composição étnica e a função de cada uma delas no contexto brasileiro.

4 - Grande Sertão: Veredas (1956)

     O romance escrito por Guimarães Rosa é uma das criações mais originais da literatura brasileira. Nele é contada a história de Riobaldo, um fazendeiro que vive às margens do Rio São Francisco, na região norte de Minas Gerais. Ele narra as histórias que vivenciou no sertão, inclusive enquanto foi jagunço. Entre elas está a incrível e impossível paixão dele por seu companheiro Reinaldo, que na verdade era uma mulher chamada Diadorim, fato que Riobaldo só descobriu após a morte dela.
     Na obra, o sertão é visto e vivido de uma maneira subjetiva e não apenas como uma paisagem a ser descrita, ou como uma série de costumes que parecem pitorescos. Sua visão resulta de um processo de integração entre o autor e a temática. Dessa integração, a linguagem é o reflexo principal. Para contar o sertão, Guimarães Rosa utiliza-se do idioma do próprio sertão, falado por Riobaldo em sua narrativa. São os elementos básicos da condição humana que, em última análise, encontramos em 'Grande Sertão - Veredas' o que ela tem de mais fundamental: o amor, a morte, o sofrimento, o ódio, a alegria.

5 - Vidas Secas (1938)

     Graciliano Ramos compôs uma das obras-primas da literatura brasileira ao contar a história da família de retirantes que luta pela sobrevivência em meio à interminável seca nordestina. Com uma linguagem depurada, o escritor narra a saga de Fabiano, Sinhá Vitória, a cachorra Baleia, o menino mais velho e o menino mais moço. Assim como o sertão nordestino retratado na obra, a narrativa em “Vidas Secas” é seca, econômica e contundente.
      A economia de termos, que inclui o pobre vocabulário de seus personagens, reflete a miséria da região e da vida de eternos retirantes em busca do essencial para manterem-se vivos. E é essa mesma seca, da qual eles fogem, que condicionará a moral e o comportamento deles, tornando-os embrutecidos e levando-os a perderem sua humanidade. A obra é um exemplo do romance regionalista do Modernismo dos anos 1930.

6 - Triste Fim de Policarpo Quaresma (1915)

      Em “Triste Fim de Policarpo Quaresma”, Lima Barreto narra em cinco capítulos as tentativas do major Quaresma de colocar em prática seus ideais patrióticos. O escritor fez um romance social no qual estabelece uma metáfora da construção do Brasil ao misturar fatos históricos e fictícios. O protagonista vai tendo sua visão ingênua, patriótica e utópica confrontada pela realidade de um país extremamente desigual, cínico e injusto.                                                                    
     Patriota doente, Quaresma teria enlouquecido se a Revolta da Armada não lhe desse a oportunidade de provar seu amor à pátria. Mas que pátria? Funcionários civis e militares sugando o Estado em benefício próprio? Criticando os costumes políticos brasileiros, o romance enfatiza a necessidade de se repensar nossa realidade social, constituindo um grito de protesto em meio à indiferença geral.

7 - Vestido de Noiva (1943)

     “Vestido de noiva” consolidou Nelson Rodrigues como um dos nomes mais importantes da dramaturgia nacional. Enquanto se recupera no hospital depois de ser atropelada, Alaíde é assombrada por lembranças de seu passado conflituoso e as de madame Clessi, uma prostituta do começo do século 20. Encenado pela primeira vez em 1943, Vestido de noiva, que se articula em três planos cênicos (alucinação, memória e realidade), foi o primeiro grande sucesso de público de Nelson Rodrigues.

8 - Gabriela, Cravo e Canela (1958)
 
      Um dos muitos sucessos de Jorge Amado, “Gabriela, Cravo e Canela” é um dos romances brasileiros com o maior número de traduções para outros idiomas e com várias adaptações para outras linguagens, como o cinema e a TV. A história remete ao ciclo econômico do cacau na Bahia dos anos 1920, mais precisamente na rica Ilhéus.
      É lá que o romance entre o imigrante sírio Nacib e a mulata sexy Gabriela funciona como trama central em uma história que mostra as disputas políticas e a hipocrisia social na cidade. Romance urbano, ele inaugurou uma nova fase na escrita de Jorge Amado, que se distanciou do “realismo socialista” anterior, para mostrar com bom humor como a libertária retirante Gabriela contribuiu para a modernização dos costumes na provinciana Ilhéus.

9 - Reinações de Narizinho (1931)

     Reinações de Narizinho, um clássico da literatura infantil brasileira que continua atual como nunca, reúne histórias escritas por Monteiro Lobato em 1920. O livro narra as primeiras aventuras que acontecem no Sítio do Picapau Amarelo e apresenta Emília, a boneca de pano tagarela e sabida; Tia Nastácia, famosa por seus deliciosos bolinhos; Dona Benta, uma avó muito especial; e sua neta Lúcia, a menina do nariz arrebitado. Lúcia, mais conhecida como Narizinho, é quem transporta os leitores a incríveis viagens pelo mundo da fantasia.
     Tudo começa com uma inesperada visita da neta de Dona Benta ao Reino das Águas Claras e com a chegada de seu primo, Pedrinho, ao Sítio, para mais uma temporada de férias. Depois do passeio pelo Reino das Águas Claras, as reinações de Narizinho ficam ainda melhores. As crianças se divertem fazendo o Visconde com um sabugo de milho e planejando o casamento de Emília com o leitão Rabicó.

10 - A Hora da Estrela (1977)

     Macabéa é uma moça sonhadora e ingênua que migra do Nordeste para o Rio de Janeiro. A partir desse mote, Clarice Lispector constrói ao menos duas histórias paralelas em “A Hora da Estrela”. Uma narra o trágico percurso da migrante nordestina na cidade grande e o choque cultural que ela enfrenta. A outra é um discurso metalinguístico em que o próprio narrador Rodrigo S. M. revela suas angústias como escritor e com o seu papel social.
     O existencialismo, o recurso ao fluxo de consciência na narrativa e até o inédito regionalismo, na obra da escritora, se mesclam nessa obra que ao mesmo tempo representa a terceira geração literária do Modernismo no Brasil e transita para uma estética contemporânea. Ao longo do texto, Clarice Lispector estabeleceu o paralelo entre a trágica história de Macabéa e o ato de escrever, a ponto de o narrador ser um co-protagonista do romance.
Paulo Seixas e fontes da Internet
Enviado por Paulo Seixas em 16/07/2017
Reeditado em 16/07/2017
Código do texto: T6055675
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Cite o http://blogliterariopauloseixas.blogspot.com.br/). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Paulo Seixas
Campina Grande - Paraíba - Brasil
928 textos (34456 leituras)
20 áudios (618 audições)
9 e-livros (126 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 20/08/17 06:47)
Paulo Seixas