Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto
O que é uma TROVA?

Já postei aqui no Recanto um texto para diferenciar TROVA de QUADRA, pois algumas pessoas confundem. Escrevo este outro texto hoje, após ler uma explicação com um exemplo equivocado de trova, embora as explicações estejam absolutamente corretas. Mas um exemplo equivocado pode levar as pessoas que leem, a uma idéia errônea sobre o assunto.

Bem, o que é TROVA então?

Trova é uma construção poética composta de uma única estrofe com quatro versos. Não se admite nenhum tipo de complementação, sequer um título.

A trova, além dos quatro versos que a compõem, precisa ainda obedecer a três outros requisitos:

1. Os versos PRECISAM ser HEPTASSÍLABOS.
O que é isso? São versos com sete sílabas poéticas. E sílaba poética, o que é que é? Bem, sílaba poética é como os poetas contam as sílabas dos versos. É parecido com a contagem de sílabas de uma palavra mas tem algumas diferenças. Não vou explorar isso aqui para não fugir ao assunto. Se desejar, leia o texto que escrevi clicando no link abaixo explorando esse assunto bem esmiuçadamente.
2. Os versos OBRIGATORIAMENTE, tem que ser rimadose, e as rimas devem ser alternadas (ABAB). Não é admissível outro tipo de rima, embora se tolere rimas simples (ABCB), isto é, dois versos brancos e uma rima alternada.

3. A trova deve conter nos quatro versos que a compõem um sentido completo, isto é, ela não admite uma complementação. Por exemplo, não é possível, continuar uma trova com outros versos. Ela se encerra no quarto verso. Não pode ter nem mesmo título. Só os quatro versos.

Este terceiro requisito é muito importante. No texto que li, mencionado acima, a pessoa que o escreve postou um exemplo de trova com 8 versos. Isso não se constitui trova. A trova só pode ter quatro versos. Não admite mais. 
EXEMPLOS

O sensato é ser prudente
sério, valente, discreto
só quero ficar contente
neste concurso dileto.
(Alberto Valença Lima)

"És rico... Mas que tristeza!
Tens vazio o coração...
Não ter amor é pobreza
mais triste que não ter pão."
Jesy Barbosa
 
"Às vezes o mar bravio
dá-nos lição engenhosa:
afunda um grande navio,
deixa boiar uma rosa!"
(Luiz Otávio, o Príncipe das Trovas)

"Se sou alegre ou sou triste?
Francamente, não o sei.
A tristeza em que consiste?
Da alegria o que farei?"
(Fernando Pessoa)


 
Alberto Valença Lima
Enviado por Alberto Valença Lima em 04/08/2019
Código do texto: T6712326
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2019. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Comentários

Livros à venda

Sobre o autor
Alberto Valença Lima
Recife - Pernambuco - Brasil, 68 anos
1364 textos (183012 leituras)
7 áudios (1323 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 13/12/19 00:06)
Alberto Valença Lima

Site do Escritor