Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

UNIDADE ARTÍSTICA EM "NOVOS CONTOS DA MONTANHA"


 
I  -  INTRODUçÃO
 
VLADIMIR PROP (estruturalista russo) - Morphologie de conte, Paris 1970 - MORFOLOGIA DO CONTO  -  Assunto:  relações entre os valores constantes (elementos invariáveis) e os variantes nos contos em geral:
 
CONTOS DE FADAS MARAVILHOSOS ou MÍTICOS:  dragão rapta princesa (conto tradicional) / vilão rapta mocinha (séc. XXI) - mesma ação.   -----   GREIMAS (linguista lituano de origem russa):  "Ação (verbo) é mais importante que os personagens secundários ou agentes:  dragão, cavalo alado, príncipe rival etc."
 
ESTRUTURA DO CONTO - as funções podem ser fora de ordem:  começo em 31 + situação inicial ou 1 + 12 + 8  etc.  -----    JOSEPH BÉDIER (escritor e linguista francês),  livro sobre os "fabliaux":  conto oral - dissecação, isolamento das partes, morfologia e comparação entre várias estórias.  -----  PROPP - invariantes ou funções - valores constantes, repetido - número limitado:  encontrou 31 funções verbais em 100 contos, personagens em número ilimitado  -  gavião rouba mocinha, ladrão rouba anel etc.
 
FOLCLORE - sucessão de ações é constante:  há o delito, rei sabe e quer castigar, agente do delito foge, rei promete recompensa, perseguidor tem antes tarefas a cumprir etc.  -----  CONTO, método dedutivo - do corpus às deduções até chegar ao conto-modelo (de tal época ou autor).   ----- Citação inicial - "Era uma vez um rei que vivia muito triste porque ......"e
FUNÇÕES  ---  1 - afastamento motivado - "príncipe saiu de casa para caçar" / 2 - proibição ou interdição - "não vá à floresta onde o lobo come as crianças" / 3 - transgressão - "príncipe entra na  floresta" / 4 - interrogação - agressor interroga vítima: "onde está o tesouro?" / 5 -informação - vítima responde:  "no poço" / 6 - engano - "agressor tenta enganar vítima" / 7 - cumplicidade (no sentido de logro) - "dragão se muda em velhinha vulnerável e faz a menina engolir maçã envenenada" /// as 7 partes preparatórias do conto se unem formando um nó /// 8 - delito ou falta - necessidade de algo - "alguém rouba princesa" - "rei sonha com pássaro de fogo e deseja possuí-lo" / 9 - mediação, momento de transição - "alguém divulga ao herói o delito ou a necessidade de algo" (há um mandatário) - "herói viaja espontaneamente" - neste caso, dois tipos  de herói:  buscador - namorado que busca moça raptada;  hrrói-vítima -  moça namorada raptada / 10 - empresa reparadora ou resolução - início da ação contrária - "herói resolve agir" / 11 - afastamento motivado pelo delito - partida (função só existe para herói buscador, não para vítima, cujo afastamento e imotivado) / 12 - primeira função do doador - surge agora o doador, que encontra o herói - "herói-príncipe recebe tarefa de busca e recebe do dador um anel mágico" / 13 - reação do herói - positiva ou negativa - se positiva, herói recebe então o anel mágico  ///  triplicação é constante no conto maravilhoso:  herói geralmente encontra 3 possíveis doadores a quem se nega 2 vezes e só aceita na terceira ocasião - ou 3 tarefas a serem cumpridas - ou recebe 3 objetos mágicos - e assim por diante  ///  14 - recepção do objeto mágico - objeto = "tapete voador, cavalo alado, gênio que sai da lâmpada;  qualidade - "força física, invisibilidade etc" / 15 - deslocamento - "herói vai a encontro do que ele busca" / 16 - combate - "herói combate bandido" / 17 - marca - "signo do mal, cicatriz, beijo que o assinala na festa" / 18 - vitória do herói - "agressor é vencido" / 19 - reparo - falta é suprida aqui - "herói consegue o pássaro de fogo" / 20 - volta - espichar o conto até adormecer a criança - "Mil e uma noites" / 21 - perseguição - "agressor, inconformado com a derrota, persegue o herói em seu retorno" / 22 - socorro - herói tem sempre aliado que coloca obstáculos no caminho do agressor ou torna herói invisível - "fada-madrinha, coelho-maravilhoso etc." - e depois  8, 9 e 10 / 23 - chegada incógnita - ponto de partida ou lugar de origem - "Ilíada" / 24 - pretensão mentirosa - não assume logo seu papel e vê falso herói no seu lugar - "falso herói diz de si que é o verdadeiro caçador" / 25 - tarefa difícil proposta a herói - "príncipe tem que matar cinco dragões em seu próprio palácio" / 26 - tarefa cumprida - "herói mata os dragões e os filhotes" / 27 - reconhecimento - marca - cicatriz ou segredo - "só ele sabia onde encontrar a espada fatal" / 28 - descoberta - "falso herói é desmascarado" / 29 - transfiguração - "príncipe maltrapilho se transforma em vestido de ouro" / 30 - punição do falso herói - "jogado no poço de jacarés" / 31 - casamento do herói - às vezes também ganha reino - "príncipe casa com a dona de muitas terras".
 
GREIMAS:  "possibilidade de reduzir as funções num só grupo menor - também uma luta pode ter funções diferentes, que só sequência da narrativa pode distinguir  ----- mesma função pode ter dupla significação - "príncipe proibe princasa de sair, mas agressor a convence do contrário" - uma ação com duas funções:  ela é comvencida e transgride ordem.
 
CONTO MARAVILHOSO - triplicação constante -"dragão com 3 cabeças"(caráter atributivo), "3 provas de doador ao herói" (funções) - grupos de funções em sequências inteiras etc.  -----  3 é um número mágico.  -----  Em toda marca ("herói traz anel que possuía ao sair" ou "cicatriz"), a recíproca pode não ser verdadeia ("na estrada, recebeu anel mágico" ou "foi ferido na batalha").  -----  Se há combate, pressupõe 2 personagens:  agressor e herói.  ----- Aliado pode substituir herói (o comum é ajudar) - "ratos levam Gata Borralheira".
 
ESFERAS DE AÇÃO POSSÍVEIS NOS PERSONAGENS (como agem) ---1-agressor - tipicamente delito - situação inicial ou 16 ou 21 --- 2-doador - 12 e 14 --- 3-auxiliar mágico - 15, 19, 22, 26 e 29 --- 4-a princesa (via de regra, o objeto buscado) ou realização de um desejo - 18, 28, 27, 30, 31 - 5-mandatário (pai da princesa ou quem pretende possuir o objeto do sonho) manda herói suprir a falta - 9 -- 6-herói - 10 (muitas vezes), 13, 31 e outras... -- falso herói - 10 (muitas vezes), 13 (negativamente - nese caso, não recebe objeto mágico nem realiza desejo).
 
HERÓI - para PROPP, o protagonista pode ser herói-vencedor, herói-vítima, herói-agressor etc.
 
Existem ainda outros elementos de menor constância no conto e não chega a ser uma função:  acontece algo com um personagem e é necessário haver uma fonte de informação direta (aviso de alguém) ou indireta (vestígio, intuição) para o personagem saber o que aconteceu - elementos de ligação entre as funções.
 
CONTO MARAVILHOSO - geralmente esquema de 7 personagens;  narrativa construída segundo a sucessão regular das funções citadas, podendo haver ausência de algumas funções em algumas narrativas e repetições em outras.  Também o "conto da vida real" (não só o maravilhoso) pode ter essa estrutura.  Podem ser contos míticos - históricos, patrióticos, religiosos etc.
 
NOVELAS DE CAVALARIA (mais cultura) - origem em contos maravilhosos, crenças primitivas.
 
Religião + cultura / MITO.  Exemplo:  como a alma é levada - classe dos pescadores, mito do barco;  classe dos caçadores, mito da águia; classe dos guerreiros, mito do cavalo etc.
 
                                          F  I  M


Rubemar Alves
Enviado por Rubemar Alves em 22/09/2018
Código do texto: T6456012
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Rubemar Alves
Salto - São Paulo - Brasil, 52 anos
881 textos (51026 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 15/11/19 09:13)
Rubemar Alves