Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Otakus, mangás e animês

OTAKUS, MANGÁS E ANIMÊS
Miguel Carqueija

Otakus, para quem não sabe, é apelido dado aos fãs de quadrinhos japoneses (mangás) e desenhos animados japoneses (animês).
No Brasil, infelizmente, por causa de séries que aqui foram muito divulgada, ficou em boa parte do público a impresão de que desenho japonês é coisa tosca e cheia de brutalidade. É a síndrome dos Cavaleiros do Zodíaco (no original Saint Seya, o título no Brasil é errôneo porque os personagens principais não são ligados a constelações do Zodìaco mas a outras como Cisne). Mas acontece que existem muitas linhas na animação japonesa, havendo mesmo seriados de grande perfeição e beleza gráficas. E entre as diversas linhas (existem até mangás e animês de esporte) destacam-se as linhas shojo ou shoujo (com meninas como protagonistas) e shonen (com meninos ou personagens masculinos) e até uma mistura dos dois, como em Inuyasha.
Quando se começa a estudar o fenômeno deparamos com a afirmação de que os desenhos shonen são feitos para garotos, e a linha shojo é para garotas.
Será?
Existe até no shojo a subdivisão do maho shojo ou das meninas mágicas, tais como Sailor Moon, Mussumet, Mai Otome, Guerreiras Mágicas de Rayearth, Madoka Mágica, Ga-Rei.
O shojo é reconhecidamente mais literário que o shonen, e este frequentemente se perde em violências e monstruosidades, ódio e intolerância. Yu Yu Hakusho, Dragon Ball, Shurato, Cavaleiros do Zodíaco... no Yu Yu Hakusho só se salva praticamente a comicidade do Kuwagora, que acompanha o personagem principal mas é um herói todo atrapalhado.
No mangá e animê shojo, porém, predominam os sentimentos, a meiguice e generosidade das heroínas, e frases de sabedoria.
Mas por que, pergunto eu, um garoto — ou um adulto como eu, afinal não há idade para apreciar quadrinhos e desenhos — tem que gostar do shonen e não do shojo? Afinal, aprecio muito mais as heroínas que os heróis dessas séries. O Lobo Solitário, por exemplo, apesar de seu prestígio, não faz minha cabeça, suas histórias são muito duras. Já o nível de sentimento de Sailor Moon, por exemplo, me agrada muito. Ou então uma Kagura de Ga-Rei, que na mais terrível situação possível vai até o fim para conjurar o mal levada pelo seu coração, que ama sua inimiga pelo passado de amizade e se declara disposta a enfrentar o mundo para sustentar o seu “sonho imperdoável”, como ela o chama — o sonho de um mundo movido pelo amor.
Então não vejo motivo algum para preferir, por ser um otaku masculino, a linha dos Cavaleiros do Zodíaco e quejandos, sabendo que Cavaleiros do Zodíaco (assisti muitos episódios) é apenas um desfilar interminável de brigas violentíssimas com os adversários se insultando mutuamente, enquanto no shojo há amplo espaço para sentimentos (Sailor Moon é poderosíssima mas nem gosta de combater e nada tem de agressiva, é doce e sentimental) e, em muitas séries, perfeito senso de justiça da parte das heroínas.

Rio de Janeiro, 8 de junho de 2019.
Miguel Carqueija
Enviado por Miguel Carqueija em 08/06/2019
Código do texto: T6667925
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Miguel Carqueija
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil, 71 anos
2926 textos (176836 leituras)
55 e-livros (4955 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 20/09/19 21:22)
Miguel Carqueija