Os Porquês

Na solidão do meu quarto

Onde atravesso o horizonte,

Os porquês se intensificam

Defectando os instantes.

 

Ressiginifico as dobras,

A mudança de percurso,

A falha no discurso

E a soma dos resultados.

 

Jogo-me no precipício

Das consequências dos fatos

E repouso o meu corpo

No calabouço dos atos.