Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Quinquagésimo segundo dia

"A quarentena do poeta"

Quinquagésimo segundo dia:

O tempo virara e o meu quarto contivera minúsculas partículas de ácaros e fungos a impedir que eu desse os meus piques matinais no corredor do quintal e me pus a tentar entender o que se apresentara nos bastidores daquela guerra maldita.
As palavras foram como as balas perdidas do nosso invasor que jogadas no ar feriram muita gente, mas não matariam e quando escritas passaram a ser verdades ditas para serem investigadas. Esse era mais um capítulo do ensaio sobre a insensatez e para desapontamento dos incendiários o processo estivera apenas a começar e o declarante não tivera pressa. Todavia, o bombardeio das gotas tivera agilidade a quebrar mais um recorde de fatalidades, o que nos assombrara. O norte e o nordeste estiveram a ser cruelmente atacados e novas barreiras não eram capazes de segurar a fúria do inimigo que perdera o posto de protagonista para o dono do planalto.
Parecera que a estratégia era deixar por último a região que guardara o assento do poderoso chefão.
Os pobres pediram aos seus padrinhos misericórdia a clamarem a salvação enquanto que os coronéis estavam a conduzir o seu gado e eu voltara a observar o Grande Centro que ganhara a primeira recompensa, um trono para aquele que defendera o consumidor sobre a seca do agreste a qual gera as possibilidades dos desvios. Aqueles caçadores de privilégios estiveram em uma posição estratégia para recebê-los em troca de votos ao vivo.
“É um território imenso o nosso e mal resguardado por um documento que possibilita mamatas a um grupo de mercenários aptos para
mudar o jogo nas grandes reuniões”

Os ovos de ouro

Sob o solo da terra seca
Há um buraco que cresce
E enriquece uma granja
A cada pá da ração

A galinha poedeira se agacha
Pois todo dia é dia,
Sob o olhar do galo,
Colocar os seus ovos de ouro

Não se pode apagar a luz
É o que conduz ao tesouro
E se houver escuridão
Encerrar-se-ão o que se produz

O tapar do buraco é outra metáfora
É a possibilidade dos ganhos
É a mais produtiva das aves
A pôr de novo o ovo dos sonhos
Ed Ramos
Enviado por Ed Ramos em 07/05/2020
Reeditado em 09/05/2020
Código do texto: T6940447
Classificação de conteúdo: seguro

Comentários

Sobre o autor
Ed Ramos
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil, 60 anos
545 textos (6618 leituras)
23 áudios (1469 audições)
6 e-livros (1064 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 12/08/20 04:31)
Ed Ramos