Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Quadragésimo sétimo dia

"A quarentena de um poeta"

Quadragésimo sétimo dia:

Batera-se o recorde de número de infectados e não adiantara comunicar ao líder, pois se soubera a resposta que engulhara tantas pessoas. A expressão idiomática "morde e assopra" definira muito bem a linguagem do chefe sempre que as câmeras o importunaram a não ser maleável diante das situações não muito boas. Eu poderia enumerar tantas outras que me ofendera. Gostaria de ouvir palavras de solidariedade do representante da minha nação aos entes que perderam os seus e de otimismo pelo trabalho que estava a ser realizado no combate ao monstro oculto.
Contudo, ele se preocupara ainda mais com a crise política que poderia depô-lo do cargo e esquecera os brasileiros que segundo o seu sarcasmo deveriam ser estudados como aqueles que se jogam no esgoto e saem ilesos.
Um estado de saúde precário que fora no início da invasão declarado ao público e logo desmentido voltara à tona e o considerado ex-atleta estivera a ser sondado por ordem judicial e cometera a infantilidade de apresentar um simples relatório médico, o que fizera afirmar o grau de periculosidade que rondara o palácio.
Um ataque de ofensa contra aquele que defendera a lei suprema repercutira uma grande reação. Onze, um time completo composto por galácticos contra-atacara o adversário que ousara invadir uma área cuja trave era fechada. Eu observara aquele confronto diante de uma montanha de choro de amigos que se foram e chegara a conclusão não houvera um ser daquela esfera que fosse capaz de ceder o orgulho em troca da solidariedade humana.








Lei maior

Quem cria a lei é o larápio
Que acumula chorumes
Através da escolha do cardápio,
O menu de estrumes

A cada golpe de doutor
O pobre cai por nocaute
Estratégia do malfeitor
Que incentiva o locaute

E não há ferramentas de trabalho
Os braços estão a se cruzar
A espera do malho de madeira
Que se condena ao soltar a frieira

É o acusado sendo purgado
Pela máquina da constituinte
Que ele a tem decorado
E se safa com requinte

É larapiar dentro da lei...
Ed Ramos
Enviado por Ed Ramos em 01/05/2020
Código do texto: T6934510
Classificação de conteúdo: seguro

Comentários

Sobre o autor
Ed Ramos
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil, 60 anos
545 textos (6618 leituras)
23 áudios (1469 audições)
6 e-livros (1064 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 12/08/20 04:08)
Ed Ramos