Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Literatura de Cordel

João Pessoa

Na terra onde João matou João
Fiz escala pra João
E ouvi a história do João
Contada por uma pessoa
O Cabra tinha ciúme de João
Que não tinha nada
Com a amante do João,
O político dca oposição
Que pensava que lhe colocaram gaia
Ela de saia era tão bonita como a do sertão
Lutava pelos direitos da mulher
E foi o pivô da revolução
Após a morte dos dois João
E sequer teve tempo
Da inquieta poeta lutar
Pois o feito no Café
Matou um dos João
E João foi preso à morte
E sufocado pela má sorte
Não foi cagado!
Morreu onde foi pendurado
Ele e seu cunhado
Com a liberdade de expressão
Não mais ouvida pelos João
Foi-se uma vida tão precocemente
E enterrada como indigente
E quantas João ninguém
Hoje são alguém
Como a aquela cabrita que nos guia
E Mariela, a militante da favela
E os João se foram mais cedo
Não viram mais o sol
A se pôr em Cabedelo
Ao som do bolero de ravel
No sax de outro João
Que jura fez quando o amor partiu
Ao patentear o instante
Que proporciona aos João visitantes
Um mundo de emoção
E o João se tornou uma nova cidade
Bela como a musa dos João
Com falésias mortas pela erosão
E com o nome de João Pessoa
Ed Ramos
Enviado por Ed Ramos em 29/04/2019
Reeditado em 01/05/2019
Código do texto: T6635270
Classificação de conteúdo: seguro

Comentários

Livros à venda

Sobre o autor
Ed Ramos
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil, 60 anos
426 textos (5284 leituras)
23 áudios (1077 audições)
5 e-livros (931 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 14/12/19 07:34)
Ed Ramos

Site do Escritor