Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Recado à Sina

                  Rio Xingu, Porto de Moz, 14 de novembro de 2014.


“cumpra a Sina, cumpra a Sina...”
“cumpra a Sina, cumpra a Sina...”

E esta voz que me persegue
Parece às vezes até bater
Fez das noites tantos dias
Longo alvorecer

E este espelho é um chato
Vive sempre me lembrando
Da tarefa feito fardo
Os pés vão se arrastando

Quando pude eu fugi
Mas a mente me encontrou
Eu mandei recado à Sina
Você não dominou

Não adianta trazer sua trapaça
Com tantos elogios
Um mar de gente me conhece
Só me entendem os rios

Não ouso ser santo
Tanto que eu mal sei rezar
Revolto-me com o pranto
Tanto da injustiça que há

No meio errando
Tanto no bom intento ajudar
Oferto um canto
Quando o nosso medo chegar

A peça não encaixou
A ideia não é esta
Risca-risca esta frase
Um estalo durante a siesta

Pergunta a doutora “qual é a procura?”
“O que enfim te agonia?”
Disse que trabalho o caos
Pra compor sinfonia

Procuro a verdade
Sabe? Como a vida caminha
Percebo a metade
Sabe? Atrapalha-me a Sina

E quando acho por um momento
Lento daquilo que eu possa ser
A Sina cresce em seu tormento
Tento no vento me esconder

“E cumpra sua Sina...
cumpra agora sua Sina...”

Não é bem assim
Não é bem assim
Pantoja Ramos
Enviado por Pantoja Ramos em 27/11/2014
Código do texto: T5050494
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Comentários

Sobre o autor
Pantoja Ramos
Belém - Pará - Brasil, 44 anos
294 textos (10817 leituras)
75 áudios (2417 audições)
38 e-livros (2448 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 14/12/19 13:33)
Pantoja Ramos