Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Uma flor que se esparrama no jardim

Quando o amor perde o valor, quando uma flor perde o amor
Em cada pétala que cai, uma vontade se esvai...

Porque efêmero vivera, efêmero morrera,
E a flor, em seu jardim, suas pétalas espedaçadas,
Esparramadas, junto ao sentimento declamado
Outrora, tão superficial quanto a aurora
Em cuja manhã transborda em tempestade...

Quando o sentimento se vai...

Então, o vento leva embora
O amor daquela flor
E toda a beleza e a forma e o aroma
Da flor despetalada,
Vão-se embora, junto ao seu adeus.

Porque o amor daquela flor não resistiu
Aos incômodos do vento, do ar, do calor, da tempestade
Em que viveu.

E não suportou, por volátil, as mínimas intempéries do amor.
Então despetalou-se.
Foi-se.
Embora.

Mas talvez sua superficialidade
Explique sua decisão.
Porque o amor, para durar, tem que ter raiz!
Tem que ser mais sólido que o gelo que se derrete ao mais tênue calor
E mais macio que o cetim, macio e delicado, suave, brando...

Mas despetalou.

Mas esqueceu-se que seus pedaços foram outrora juntados dia a dia, mês a mês, ano a ano,
Por quase uma vida,

Pelo poeta das frustrações, das ilusões, do sofrimento, das desilusões...

Desilusão.

Volta e cata cada pétala, sonhador,
Cola com seu amor, sua dor, com o que resta do que sobrou,

E veja se ainda existe motivo,
Ou razão,
Para continuar a viver...
Juntando pedaços da vida!


Quissera Hundya
Enviado por Quissera Hundya em 26/10/2019
Código do texto: T6780071
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Quissera Hundya). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Comentários

Sobre o autor
Quissera Hundya
Uberaba - Minas Gerais - Brasil
122 textos (2122 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 11/12/19 21:05)
Quissera Hundya