Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Eu te pentiei a permissão.

Você que é a dor, que fica presa no meu peito
Quando sai é de um sorriso simulado do meu rosto
E porque, de raiva me perdi desde onde eu a senti
Quando foi que o amor pediu para me envolver
Enterra você no céu e o segundo já é apertado
Sei que é a estupidez incerta que me decepa
Por menor que seja estivesse ou está certa
Restou o louco que estou ocupado pro amor
Você é algo pequeno, que cresçe sobre a permissão
Junta-me a mira, o pensamento me vem, falo em amor
O caminho interpreta o ponto cego de desdém
Falsa jura, me questiona faz de mim uma figura
Só é pra fazer, não quero o sabor pra saber eu devo ser
Já experimentei a complicação ela está em um lugar
E meu coração em outra explicação sem exploração vulgar
Só eu que jogo a parede sobre um bloco sem pretexto
Piso nesse chão, é difícil de pisar, é da vida fazer condições
E pior é questionar porque corre-se o risco dela piorar sempre
SUBSTÂNCIALMENTEEEEEEEEEEEEEEE.....
Á alma é barata
Enviado por Á alma é barata em 01/04/2010
Reeditado em 01/04/2010
Código do texto: T2172185

Copyright © 2010. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Comentários

Sobre o autor
Á alma é barata
Suzano - São Paulo - Brasil, 33 anos
162 textos (4954 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/09/20 15:27)
Á alma é barata