Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

 (OBS:nem sempre traduzir dá bons resultados, mas, vá lá...)

COMO UMA PEDRA

 Ainda trago um pouco do teu gosto em minha boca,

Um pouco de ti insiste em se enroscar em minhas dúvidas,

uma parte da tua pele  ainda há que não beijei,

um gosto amargo nas tuas dores e eu não sei,

ainda que saiba do teu amor incerto, 

minhas dores são lúcidas...

Mas ainda estás aqui como um fantasma sem ação,

uma invisível testemunha dos meus medos,

testemunhas a dor do meu coração...

Ainda há algo teu que não toquei,

algum ponto doloroso e eu não sei...

Essa é a parte difícil,

a porta que eu talvez nunca abrirei,

porque o tempo voa como um míssil

e não sei quanto terei...

Pedras que me jogaram me ensinaram a voar,

o amor recusado me ensinou a amar,

olhar a cara da morte me ensinou a viver,

tem algo acontecendo e eu não consigo saber...

Ainda há tanto de te que eu preciso conhecer,

tantas palavras tuas que ainda quero ouvir,

mas olho o precipício e não há nada a fazer:

nao da pra voltar e aí adiante

o único caminho é cair.

Pesada como uma rocha

Flutuo.

Falas de amanhãs.

Que ironia...haverá futuro?

 

 

 


 LIKE A STONE

 

I still have a taste of you in my mouth,

A bit of yourself still tied to my doubts.

Something of your skin I did not kiss,

A bitter taste of your pains I did miss

And I just do not know:

Even knowing your love is so uncertain

I know how real is my pain…

But…here you are like a ghost with no motion,

Sort of invisible witness of my fears,

Witnessing the pains within my heart…

There is still a bit of you

 I have not touched,

Some painful place and I don´t know

This is the hardest part at all:

The door I won´t ever open,

I am not sure...

Time, as a missile, flies

And what do I know about my time?

Stones were thrown to me and taught me to fly,

Love denied to me taught me to love,

Facing death taught me to live and love life.

But something is going on and I cannot know why

And there is still too much I want to learn,

So many words from you I want to hear,

But I face the abyss so near,

Nothing left to do but fall down:

I let myself go heavy

And just float like a stone.

You talk about tomorrow…

Ironic…maybe it never comes.

 www.deboradenadai.prosaeverso.net

Débora Denadai
Enviado por Débora Denadai em 10/05/2008
Reeditado em 11/05/2008
Código do texto: T983631

Copyright © 2008. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Comentários

Sobre a autora
Débora Denadai
Georgetown - Demerara-Mahaica - Guiana, 57 anos
722 textos (171667 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/08/20 02:52)
Débora Denadai

Site do Escritor