Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Desamor

Inerte de acasos indesejados, assisto enquanto você voa por entre meus dedos como um pássaro desordenado que foge de seu ninho. Há quanto tempo eu te espero? Não o faço.

Você apareceu como um oásis, trazendo o cheiro de orvalho e a aptidão que não me era perceptiva e incorporou minha alma como quem veste uma roupa já calejada.

E calejado estou.

Dos toques.
Dos olhares.
Desse sorriso que me afronta.
Do intrínseco que há em ti.

É tão gritante o quanto te sinto, que não quero mais sentir.
É tão prescindível...
E ainda o quero.
Embora, não queira querer-te.

Você quer voar.

Voe.

Por favor, voe.

Agora serei um cubículo preso às minhas próprias correntes; Com minha alma arrasada por indícios seus. Não se penitencie. Apenas liberte-me dessa inércia que custa tê-lo aqui. Você não me é necessário e eu tampouco serei à ti.

Está a reconhecer isto?

E eu?

Espero que abra suas asas e voe... Para longe do meu fascínio e do mais importante, meu âmago.
Pinci
Enviado por Pinci em 12/10/2017
Código do texto: T6140600
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Pinci
São Paulo - São Paulo - Brasil
4 textos (56 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 17/12/17 02:15)
Pinci