Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

In memoria(m)


Tem horas, que eu sempre lembro
Tem outras que sempre esqueço
Sou bem assim, desde pequeno!
Endereços? não lembro os nomes
Lembro das casas e não dos donos
Sei dos poetas, não sei dos versos

Fui sempre assim desde o começo
Julgo lembrar, depois eu esqueço
Vivendo aqui, por mero percalço
É desvio na rota, em curto espaço
É papagaio volante, sem cordel
É engano, destino, quiçá cansaço

Um carnaval, chuvada de confetes
Jogada a esmo, ao acaso e esqueço
Como selfie, à toa, que se compraz
Na fátua figura, que logo se desfaz
E ao enxergar o chão, e tudo ao redor
Olho por fim, o céu, e recomeço!

mas há tantas coisas, que não esqueço!

antonio noronha 18
antonio noronha
Enviado por antonio noronha em 21/01/2020
Código do texto: T6846720
Classificação de conteúdo: seguro

Comentários

Sobre o autor
antonio noronha
Uberaba - Minas Gerais - Brasil
86 textos (628 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 12/08/20 21:09)
antonio noronha